Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Uma Noite Para Nunca Mais Ser Lembrada

Uma Noite Para Nunca Mais Ser Lembrada

Categoria: Literatura
Comentários: 6
Uma Noite Para Nunca Mais Ser Lembrada

Feliciano em mais um dia de trabalho em seu escritório de corretoria de móveis, recebe recebe uma ligação.
Feliciano: Quem é?
Galvão: É da corretoria de móveis Duprê-Mendes?
Feliciano: É sim. Quem gostaria?
Galvão: Meu nome é Luxas Galvão. Gostaria de saber quais são as ofertas de que você tem aí para me oferecer!
Feliciano: A senhora deseja qual tipo de imóvel?
Galvão: Gostaria uma que dê para eu e minha família passar a semana do feriado!
Feliciano: Você tem preferência de lugar?
Galvão: Tem que ser uma casa grande, de frente para a praia!
Feliciano: Hum, eu acho que não temos. Posso dar uma pesquisa aqui e aí retornarei-lhe ei mais tarde?
Galvão: Claro! Esse é meu número.
Feliciano: Obrigado!
Galvão: De nada!
Desligou o telefone e a proprietária do estabelecimento entra na sala do empregado.
Porto: Quem era? Bom dia.
Feliciano: Bom dia, senhora! Era cliente.
Porto: Já agendou uma visita em uma casa?
Feliciano: Não.
Porto: Como não?
Feliciano: Tenho que dar uma pesquisada para achar a casa que ela prefere!
Porto: Que tipo de casa ela quer?
Feliciano: Ela prefere uma casa grande de frente para a praia!
Porto: Ah entendi. Aproveita para mostrar à ela essa casa! - Mostrou-lhe um cartaz.
Feliciano: Deixa aqui que eu vou ligar já para ela!
Porto: Eu vou por este anúncio agora no site. Daqui a pouco eu trago e ponho na sua mesa!
Feliciano: Tudo bem!
Depois de colocar no site, Porto chamou-o e solicitou- lhe para que viesse até sua sala.
Feliciano: Está pronto aí?
Porto: Sim. Está! - Deu-lhe o cartaz.
Feliciano: Muito obrigado!
Porto: Não tem por onde!
Ligou para a Galvão.
Feliciano: Oi. Tudo bem?
Galvão: Tudo sim, e você? Quem é?
Feliciano: Tudo beleza. A senhora ligou aqui hoje procurando uma casa para alugar!
Galvão: Ah,lembrei! Encontrou a casa?
Feliciano: Claro! A senhora poderia encontrar comigo no endereço?
Galvão: Claro! Qual é o endereço?
Feliciano: Na rua Jamyle5, na frente do Pão de Açúcar!
Galvão: Combinado!
Jasmine: Quem era no telefone, mãe?
Galvão: O corretor, filha!
Jasmine: Encontrou a casa que você queria, mãe?
Galvão: Acho que sim, meu amor. Vou encontrar com o corretor lá!
Jasmine: Posso ir contigo, mãe?
Galvão: Claro que pode, amor!
As duas foram encontrá-lo na casa.
Feliciano: É aqui. Pode entrar!
Galvão: Aí, ainda bem que já chegamos. Eu e toda a minha família estávamos ansiosos para que chegasse este dia logo!
Feliciano: O que achou da fachada?
Galvão: Bem bonita e você, filha? O que achou?
Jasmine: Amei!
Galvão: Viu?! - Olhando e apontando para o mar.
Jasmine: Aí que maravilha! Vamos lá depois, mãe?
Galvão: Podemos!
Eles entraram e deixaram a porta aberta que com o vento se bateu.
Jasmine: Mãe, tem uma coisa estranha acontecendo aqui!
Galvão: O quê?
Jasmine: Estou com fome!
Galvão: Qual é o seu nome, moço?
Feliciano: Eu me chamo Feliciano, senhora!
Galvão: Minha filha está com fome? Você poderia me dizer um lugar aqui para eu levá-la para almoçar?
Feliciano: Na rua de trás tem um quiosque!
Galvão: Podemos ir lá?
Feliciano: Pode sim, claro!
As foram tentar abrir a porta e não conseguiram.
Galvão: Você trancou a porta?
Feliciano: Não!
Jasmine: Ela não está abrindo!
Feliciano: Deixa eu ver!
Após uma tentativa, a luz se apagou e uma música instrumental começou a tocar.
Feliciano: Tem alguém aí?
Galvão: Acho que tem alguém atrás de mim?
Feliciano: Não se mexe!
Galvão: Por quê?
Feliciano começa uma luta corporal quando de repente as luzes acendem. Confusos se depararam com um cenário muito diferente, pois eles foram parar em uma sala onde as paredes podiam se ver em vários espelhos virado para eles em que se podiam se ver a todo momento.
Galvão: Aonde está você, minha filha?
Feliciano: O que aconteceu?
... De repente uma porta se abre na escuridão que no outro lado exalava, uma pessoa que aparentava ser conhecida aparece ao fundo.
Galvão: Filha?!
Jasmine: Me acompanhem! - Levaram-os para um outro quarto.
Feliciano: Onde você está nos levando?
Jasmine: O senhor verá. Entre! - Os dois entraram.
Feliciano: Que lugar é esse?
Galvão: Onde estamos?
- Assassinos!
- Assassinos!
Lucas, naquele momento acorda assustado e sua mãe, assistindo televisão, se espanta com o choro do filho e vai até o quarto para vê-lo.
Samantha: Que foi, filho? Por que estás chorando assim?
Lucas: Preciso da perdão de Deus, preciso me redimir!
Samantha: Quer ir à igreja, filho?
Lucas: Preciso ir à casa de Jesus Cristo agora!
Samantha: Vamos!
Lucas e sua mãe passando ao cemitério decidi passa lá e para ver seu pai que lá estava enterrado.
Samantha: Também sinto a falta dele!
Lucas: Queria tanto ter evitado tudo que aconteceu!
Samantha: Do que você está falando, filho?
Lucas: Dá viagem maluca!
Samantha: Mas, ninguém podia, filho! Ele já estava decidido à fazer essa viagem...Mesmo sem nós! Não fica assim, ele sabe que ainda à amamos bastante!
Lucas: Você não entendeu, mãe!
Samantha: O que não entendi!
Lucas: Essa morte não foi um acidente!
Samantha: Como assim, filho?
Lucas: Havia um rapaz que trabalhava lá na aviação da marinha com meu pai. Foi esse rapaz que matou papai naquele acidente!
Samantha: Como você sabe de tudo isso?
Lucas: Lembra naquele mesmo dia em que papai morreu?
Samantha: Sim, e aí...
Lucas: Ouve isso aqui!
Depois de ouvir, fica abismada e disse:
Samantha: Vamos à delegacia!
Lucas: Primeiro vamos ao cemitério, preciso sentir a força que ele me transmite!
Samantha: Tá bom!
Quando chegou na delegacia.
Agente: Posso ajudar?
Lucas: Vim dar meu depoimento sobre a morte do meu pai e trazer uma prova com minha mãe!
Agente: Muito bem! O que temos aí? Posso ver?
Samantha: Ah, claro!
Depois de dar a prova e o depoimento, eles foram ao cemitério. Vendo o túmulo de seu pai ali, começa a chorar compulsivamente e jura a vingança.

Kaique Barros

Título: Uma Noite Para Nunca Mais Ser Lembrada

Autor: Kaique Barros (todos os textos)

Visitas: 0

607 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 6 )    recentes

  • Kaique BarrosKaique Barros

    06-03-2016 às 22:10:48

    Que bom gente! Obrigado por apreciarem a minha vida resumida em poucas palavras em versos.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãokaka

    07-05-2014 às 00:20:50

    que maravilha eu ate delirei, fiquei muito em Zen

    ¬ Responder
  • Brunah Gonçalves

    26-04-2014 às 20:31:25

    Gostei do texto, Kaka. Parabéns por mais um belo trabalho, que aliás, tem a sua marca.
    Um beijo querido.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoAntonio

    17-04-2014 às 00:13:43

    Já acabou a história ? Fiquei confuso no fim...matou?

    ¬ Responder
  • Kaique BarrosKaique Barros

    17-04-2014 às 19:55:18

    Vai ter a segunda parte, amigo! É um simples rascunho de um roteiro que estou tentando construir. Tenho muitas ideias boas, porém não sei por onde começar

    Abraço!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojuio

    18-04-2014 às 00:04:25

    sim , parece estar sem uma estrutura defendia e organizada, mas tem conteúdo interessante..gostei

    ¬ Responder

Comentários - Uma Noite Para Nunca Mais Ser Lembrada

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios