Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > De Alexandria às trevas do século XXI

De Alexandria às trevas do século XXI

Categoria: Literatura
Visitas: 6
Comentários: 6
De Alexandria às trevas do século XXI

Tão torpe lúgubre e insano este tempo no qual vivemos.
Ainda se tenta justificá-lo, em bravatas acerca dos ditos “avanços das ciências” de feitos que nos levam fatalmente a conflitos de toda e qualquer ordem, e que caminho sombrio nos espera!
Na Alexandria, se tinha um tempo de vida, que provavelmente era bem menor que o nosso atual, mas o que é a vida senão a intensidade e efervescência de idéias e ideais a que nos propomos viver? Pois eles se propuseram e efetivamente viveram, cultuavam o corpo, somente na medida em que este era uma ferramenta a serviço do cérebro, e funcionando bem com a garantia de discernimento e sobriedade até a idade avançada, fosse 40, 50 anos...
Experimentou-se um avanço que, hoje, não temos como mensurar, pois por questões religiosas e fanatismos aliados à ignorância foram perdidos talvez de forma definitiva.Como pode uma civilização ter evoluído a tal ponto, e regredir a idade do aço, idade esta que nos remete a idade da pedra, essa sim mais condizente com o homem, que nutre e alimenta a todo preço e feita, seu ego e contumaz sede de poder.
Na idade de ouro da humanidade, as ciências não eram subservientes a PIB, a esquemas econômicos ou interesses particulares mundanos, eram sim fontes de vida e não sumidouro; como por exemplo, a ciência atômica tal como foi e é usada e apregoada.Temos que fazer uma sociedade de plástico, com semi e supercondutores, que nos levam de um lado para o outro, rapidamente, nos imprimindo um ritmo tal qual o da cobra que corre atrás de seu rabo, tendo como conseqüência um esquema de vida onde, sequer temos como parar para questionar nada, e talvez seja essa a intenção de um grupelho de celerados que tem como visão um mundo de viagens interplanetárias, e como dicotomia, sequer, conhecer as montanhas cobertas pelos oceanos da terra.
Talvez a finalidade da senda do homem na terra esteja se esgotando, pois tudo o que vivemos foi fruto de atos de nossos antepassados, pois sendo assim, tanto pior, uma vez que estamos amplificando, e muito, tais insanidades; pobre homem, se entorpecendo com a ideia de que evoluir é fazer crescer a cidade o estado e o pais, formar blocos econômicos, correr atrás da cura de doenças que certamente com um estudo mais detido se provaria não existir ou não se viveria o suficiente para tê-las, porém o pouco vivido, como nos tempos de Alexandria, 30, 40 anos... Seria mais que suficiente para uma vida.

Marcelo Medeiros.

Marcelo Medeiros

Título: De Alexandria às trevas do século XXI

Autor: Marcelo Medeiros (todos os textos)

Visitas: 6

602 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 6 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoArtur

    26-04-2014 às 14:43:01

    O que é a Alexandria?

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    30-04-2014 às 20:35:48

    Foi uma cidade fundada por Alexandre Magno, o Grande, em 332 antes de Cristo e era a principal cidade do Egito. Hoje a sua capital se chama Cairo e está sobre o poder árabe. Na antiguidade, ela era um verdadeiro paraíso, com um grande centro cultural e comercial, tudo era bem farto e as pessoas se davam muito bem!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoIsabela

    25-04-2014 às 11:39:35

    Foi muito bom o texto
    De Alexandria Às Trevas Do Século XXI obrigado

    ¬ Responder
  • Marcelo MedeirosMarcelo

    27-04-2014 às 18:12:38

    Muito obrigado Isabela, tanto por ter lido quanto por ter gostado!

    Um abraço,

    Marcelo Medeiros.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    18-04-2014 às 22:30:14

    A Rua Direita agradece pelo seu conteúdo. O século XXI, infelizmente, vive num cenário deprimente, em que foram criadas filosofias, uma cultura medíocre. O pós-modernismo entrou com uma ideologia fatalista e as pessoas aceitaram com naturalidade. Hoje, vive-se a colheita do que se plantou e não foram nada boas!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFrancisco

    15-04-2014 às 22:59:35

    Sempre adorei história , muito legal , qual é a história do Brasil? Foram os portugueses que criaram Brasil?

    ¬ Responder

Comentários - De Alexandria às trevas do século XXI

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios