Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > 50 Anos de Asterix

50 Anos de Asterix

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 4
Comentários: 2
50 Anos de Asterix

Podem ler-se várias histórias, desde literárias, a infantis, de aventuras, entre tantas, tantas outras, mas obras intemporais e para todas as idades há poucas.

Podemos enumerar algumas, mas para quê perder tempo, quando nos surge de forma imediata na ideia um personagem único com meio século e que mudou a literatura animada para sempre.

Asterix mudou a história da banda desenhada com histórias fantásticas e recheadas de personagens desajeitados e tipicamente Gaulesas (pelo menos na ideia de todos nós).

A 29 de outubro de 1959 René Goscinny e Albert Uderzo mostraram ao mundo os personagens por eles idealizados.

Asterix, um gorducho Gaulês de enorme barriga e fardo bigode ruivo era portador de uma extraordinária força, resultante de um “acidente” quando era criança. O seu inseparável amigo Obelix, também ele portador de bigode farto que caracteriza estas personagens, é o companheiro de todas as horas.

Obelix não perde uma boa luta e um bom javali que na hora de comer há que fazer jus ao seu porte robusto.

A 50 anos antes de Cristo, toda a Gaulia está ocupada por romanos, exceto a invencível aldeia de Asterix, que devido a uma porção mágica criada pelo druida Panoramix (mago da aldeia), torna toda a população em verdadeiros guerreiros das mais temidas batalhas.

No império de Júlio César insiste na invasão e domínio da aldeia de Asterix, mas a persistência de personagens como Abraracourcix, chefe da aldeia, Assurancetourix e até mesmo o fiel cão Ideiafix vai assegurar a harominia na pacífica aldeia Gaulesa.

René Goscinny e Albert Uderzo, não descuraram nada nestas aventuras e até criaram a namorada de Astrix. Tragicomix, uma loura sensual, apaixona o nosso personagem e cria a pimentinha necessária ás sagas do Gaulês.

Após dois anos de publicações na revista “Pilote” onde René era editor e Albert era desenhista, o mundo conhece Asterix em livro. Na primeira edição destas aventuras, Asterix, o Gaulês teve um enorme sucesso, o que já adivinhava um futuro promissor nas histórias dos livros aos quadradinhos.

Com 50 anos, as histórias do Gaulês já venderam mais de 300 milhões de livros em todo o mundo, e as histórias estão traduzidas em 107 línguas, incluindo o mirandês. Com adaptações para o cinema, quer em desenho animado quer em imagens reais (com Gerard Depardieu no papel de Asterix), as histórias de Asterix e Obelix permitem-nos sonhar com outra dimensão, numa diversão permanente e disparatada. Mais que uma literatura, um legado para quem continuar a escrever estas histórias.


Carla Horta

Título: 50 Anos de Asterix

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 4

692 

Imagem por: http2007

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojj

    21-01-2013 às 16:11:55

    acho incrivel a ma escrita! a troca de personagens!!! entao o Asterix um gaules gorducho de enorme barriga??? Que temuma namorada que e uma loira sensual chamada Tragicomix??? Que é realmente um personagem masculino!! Então Asterix é gay?? Irra!!!

    ¬ Responder
  • André BelacorçaAndré Belacorça

    09-10-2012 às 20:52:45

    Um fenómeno, é o que acho desta personagem, conhecido mesmo à escala mundial, já lá vão uns aninhos da sua existência, já representou vários filmes, séries, e quem não viu esta personagem? não acredito que alguém não tenha visto.

    ¬ Responder

Comentários - 50 Anos de Asterix

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Imagem por: http2007

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios