Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Chocoólico

Chocoólico

Categoria: Literatura
Comentários: 2
Chocoólico

É sobejamente conhecida a máxima: «Perca peso, ganhe saúde», sobretudo numa altura em que a obesidade se está a converter numa das doenças crónicas mais preocupantes do mundo ocidental. Ainda assim, muitas são as pessoas (e isso vê-se na rua) que lhe fazem “orelhas mocas” e continuam a achar que os problemas desses quilos a mais só afectarão outros. Claro, porque o coração em esforço exagerado é de outros, o excesso de açúcares e gorduras encontra-se na corrente sanguínea de outros, a demasia de sal interfere com a tensão arterial de outros, e por aí adiante. Não, de facto a consciencialização deste problema tem uma função que transcende largamente o domínio da estética. Trata-se de uma escolha de vida e para a vida.

Pois bem, Paul, o protagonista de «Chocoólico», um livro de Tina Grube publicado em Agosto de 2009 pela editorial Presença, foi forçado, pelas consequências da desproporção dos seus 141 quilos no seu 1,95 metros, a tomar uma atitude pró-activa. Locutor de rádio com uma voz sensual e calorosa capaz de fazer sonhar e suspirar, Paul não resiste a tudo o que habitualmente se apelida de “porcarias” alimentares, que originam, inevitavelmente, aumento de peso. O seu sucesso é inegável, quiçá porque não pressupõe a exposição da sua figura.
Nicky conhece Paul num restaurante por mero acaso. Estava longe de pensar que, num curto espaço de tempo haveria de se tornar a sua personal trainer, assinando com ele um contrato milionário que previa fazê-lo perder no mínimo 20 quilos em seis meses. No entanto, as mudanças radicais não estariam somente reservadas a Paul, sendo que também a vida de Nicky deu uma volta de 180º.

Esta obra consubstancia 188 páginas de uma encantadora comédia, onde se detecta, para além da boa disposição, uma invulgar aptidão de ver as coisas com os olhos da ironia, o que evoca um carácter vivaz e um refinado sentido de observação. Nesta produção literária pode igualmente encontrar-se uma reflexão acerca das relações humanas, referindo alguns dos aspectos passíveis de afastar as pessoas de sexo oposto e as novas características de homens e mulheres: elas, criativas, inteligentes e apostando na feminilidade; eles, cultos, sensíveis, dominadores dos instintos. Em acréscimo, o livro «Chocoólico» afigura-se como um hino à força de vontade e ao poder intrínseco que cada um possui de mudar a sua vida para melhor.

Neste caso, perder peso significa ganhar auto-estima, ou por outras palavras, a pessoa que os complexos haviam feito perder; noutras situações, o mesmo equilíbrio e a motivação granjearão benefícios diversos. No fundo, Nicky, que tinha sido bastante gorda, utiliza a sua experiência e conhecimentos para ajudar Paul numa escalada que já havia sido a sua. Isso capacitava-a para uma mais perfeita compreensão de tudo o que envolve o processo de emagrecimento e para não se deixar manipular. Afinal, atingir o peso desejável aporta mais saúde e felicidade e atrai oportunidades de êxito pessoal e profissional.

Maria Bijóias

Título: Chocoólico

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

620 

Imagem por: Mykl Roventine

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Daniela VicenteDaniela Vicente

    08-10-2012 às 23:51:51

    eu sou maluca por chocolate. absolutamente delicioso. não consigo perceber as pessoas que não precisam.é algo que me ultrapassa. a feira do chocolate no Castelo de Óbidos é, para mim, a loucura. há chocolate por todo o lado. também é um facto que é mais caro. todavia, também comemos com os olhos e nesta feira come-se muito com os olhos, pois as esculturas de chocolate são lindas e abre mesmo o apetite. parabéns pelo tema.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    12-09-2012 às 20:26:00

    que texto lindo escritora da rua direita. os meus parabéns. adorei. você escreve tão bem, com tamanha fluidez. a história de Paul, o locutor da voz sensual, é muito motivante. não que eu esteja gorda, mas motiva qualquer um para uma vida saudável. parece que estamos a ver na televisão aquelas histórias sobre o biggest loser, onde toda a gente consegue emagrecer com um bocadinho de esforço. parabéns pelo texto, palo tema e pela escrita.

    ¬ Responder

Comentários - Chocoólico

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: Mykl Roventine

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios