Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Bricolage Jardim > As plantas também ficam doentes

As plantas também ficam doentes

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Bricolage Jardim
Visitas: 34
Comentários: 4
As plantas também ficam doentes

Ao contrário do que se possa pensar, as plantas também são suscetíveis de contrair algumas doenças… e sofrer de malformações (deficiências), tal como nós. Por exemplo, as couves podem apresentar hérnias e os pessegueiros padecer de lepra. Na génese destas imperfeições estão alterações no sistema hormonal das plantas. As enfermidades do reino vegetal resultam, amiúde, de variações químicas da água (PH muito elevado, …) ou são consequência direta da escassez ou excesso de substâncias nutritivas.

Os protagonistas destas doenças são micro-organismos que podem pertencer a três categorias: bactérias, vírus e fungos. De facto, eles são responsáveis por males tão diversos como o míldio, a podridão, o oídio, entre outros cerca de cem acometimentos. Atacando a planta em todas as suas partes, a morte será o desfecho mais previsível. De salientar que os fungos se disseminam através do ar, das ferramentas e das próprias mãos, pelo que, sempre que uma planta for afetada, há que destruí-la ou curá-la de imediato.

Existem patologias que habitualmente atacam as plantas ornamentais e outras que apenas molestam géneros específicos de flora. O oídio, que se caracteriza por uma camada branca e poeirenta sobre as folhas e os rebentos de diversas plantas, atinge fortemente as macieiras, pimentos, pepinos, ervilhas, couves, rábanos, nabos, miosótis e rosas. O tempo seco é o mais propenso ao seu aparecimento. Para evitá-lo, basta regar com abundância, cortar os rebentos doentes e, se se justificar, pulverizar com enxofre.

Quando se observa uma penugem na parte inferior das folhas das plantas e o tempo se apresenta quente e húmido, é possível que se esteja diante de uma investida de míldio. No extremo, este mal é capaz de penetrar nas folhas e matar a planta. Assim sendo, é preciso agir logo, erradicando-a ou cobrindo-a com sulfato de cobre e cal apagada.

A podridão cinzenta, que se manifesta pelo desenvolvimento de uma penugem cinzenta nas folhas, caules ou frutos, advém de uma deficiente circulação do ar e é mais frequente em condições climatéricas de frio e humidade. Elimina-se cortando e queimando as frações atingidas.

A ferrugem (pústulas castanhas, vermelhas ou pretas situadas na parte inferior das folhas e nos caules) interfere com o normal desenvolvimento da planta, podendo conduzir à morte desta. Só se combate com produtos químicos.

Os cancros não são um exclusivo do reino animal. As plantas também são atacadas, sobretudo as lenhosas. Encontra-se cancro em árvores de fruto, mas os chorões, as roseiras e as cerejeiras ornamentais são, igualmente, passíveis de vir a experimentá-lo.

Para acautelar problemas com as plantas dos aquários, fatores como a mudança regular da água, a fertilização continuada, a supressão de folhas mortas ou murchas e uma iluminação adequada, atuam a longo prazo para a conservação de uma vegetação saudável.

Há ainda plantas que coadjuvam a protecção de outras, por funcionarem como repelentes de insectos causadores de pragas e outros agentes que as podem lesar. É o caso da alfavaca, do alho, da hortelã, dos coentros e de muitas outras. Claro que uma lagartinha no jardim não representa a ponta de lança de um exército pronto a infestar tudo…!


Maria Bijóias

Título: As plantas também ficam doentes

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 34

806 

Imagem por: yashima

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Rafaela CoronelRafaela

    12-10-2014 às 13:30:59

    Concordo com você! Toda planta necessita de cuidados como qualquer outro tipo de ser criado por Deus. Devemos evitar que elas fiquem assim e é importante conhecer seu tipo de cuidado. As plantas se diferenciam!

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    24-04-2014 às 22:37:57

    Assim como os humanos, as plantas se não receberam os cuidados necessários, ficam doentes e podem até murchar, morrer. Por isso, é importante regar, adubar, enfim.

    ¬ Responder
  • Sónia

    09-12-2013 às 19:57:08

    1.por que enferman las plantas ?
    2.como podemos recuperar un souelo fatigado?
    3.por que son importantes las aportaciones de la epigenética?
    4.como plantear el control biológico al aire libre?
    5.exite relación entre la actividad biológica del suelo y las plagas?

    ¬ Responder
  • Patricia Ferreira Lima Jung

    04-09-2012 às 23:53:41

    Gostaria de enviar fotos das folhagens das plantas que tenho em casa:uma gibóia na sala e um vasinho de hortência na sacada que estão com algumas de suas folhas com as bordas secas.Não sei como tratar. Tem uns invertebrados também no vaso da gibóia que não sei se são prejudiciais. Quando jogo água na planta, eles caem no pratinho e morrem.Tenho um vasinho de flores em cima do tanque na área de serviço que não tem nenhum problema,mas não dá para colocar mais plantas lá. Grata.Moro em SP-capital, bairro de Santa Cecília.

    ¬ Responder

Comentários - As plantas também ficam doentes

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Imagem por: yashima

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios