Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Energias Renováveis > Diminua o consumo de água em casa

Diminua o consumo de água em casa

Comentários: 1
Diminua o consumo de água em casa

A água é um bem essencial à vida que tem sido usado abusivamente e, por isso, a sua escassez é já uma realidade. Há quem lhe chame o “ouro branco”, numa clara alusão às guerras que despoletará num horizonte temporal próximo, quando o “ouro negro” (o petróleo) deixar de constitui a disputa principal, uma vez que é a água o elemento indispensável à sobrevivência. Ante a ameaça fundamentada de um futuro sem água, cada indivíduo é chamado a agir no sentido de preservar o mais precioso dos bens.

Há muitas dicas que permitem a poupança de água, amplamente difundidas pelos meios de comunicação social, sobretudo em dias de memória ou comemoração disto ou daquilo relacionado com o tema da água. Contudo, existe ainda muito a crença de que se exagera ou que, pelo menos, os efeitos da falta de água não se farão sentir para agora. Pura ilusão. Além do mais, as pessoas continuam a ter filhos e a dizer que gostam deles. Nesse caso, não quererão vê-los morrer à míngua, pois não? Ou os netos e bisnetos…

Por exemplo, nas casas com pátio, assiste-se, amiúde, a uma lavagem em que é o jato de água que esfrega a calçada, em vez da vassoura. Será isto razoável? De todo! Por outro lado, utilizando um balde para lavar o carro, gasta-se cerca de dez vezes menos água. A rega das plantas e do jardim é outro dos aspetos que pode ser tornado mais eficiente. Um aspersor e o controlo do tempo e da quantidade de água constituem alternativas bastante válidas. O reaproveitamento da água de cozer vegetais para este fim ou da água da chuva (armazenada em recipientes fechados) é outra ideia ainda melhor. Regar as plantas de manhã concorrerá para uma evaporação mais lenta da água, o que se traduz em poupança.

Em casa, uma torneira a pingar pode desperdiçar até 45 litros de água por dia. E, num um mês, perde água que daria para suprir as necessidades de uma pessoa durante 14 dias! Consertar problemas de fugas de água representa a eliminação do desperdício. E, como «no poupar é que está o ganho», sempre são euros não esbanjados.

Na casa de banho, as sanitas são grandes “bebedoras”. O autoclismo afigura-se como responsável por grande parte do consumo do líquido singular. Para reduzir a quantidade expelida por descarga, pode colocar-se uma garrafa de água vazia com a tampa fechada (a fim de reduzir a capacidade de enchimento do depósito). Em acréscimo, nos autoclismos que têm essa funcionalidade, é possível ajustar-se o mecanismo para o volume de descarga mínimo ou interromper o fluxo quando não for necessário o descarregamento total. Depositar o lixo no balde em vez de o deitar pela sanita abaixo (cotonetes, pensos higiénicos, cigarros, etc.) evita, por um lado, entupimentos e, por outro, descargas absolutamente desnecessárias do autoclismo.

No que se refere ao banho, o tempo média de duração deverá ser de, aproximadamente, cinco minutos, dando preferência ao duche, em detrimento do banho de imersão (que gasta muito mais água). Não obstante, se se optar por este último, pode encher-se a banheira apenas até um terço do seu nível máximo. Aproveitar a água fria que sai do chuveiro até à chegada da quente, para ulterior rega de plantas, lavagens domésticas ou da viatura, mudança de água do aquário, para dar de beber a animais de estimação, etcétera, é, identicamente, um meio de preservação do Ambiente e do dinheiro na carteira.

Instalar um compressor redutor de caudal nas torneiras é passível de reduzir o consumo de água para metade! Deve-se, também, fechar a torneira quando se está a ensaboar as mãos, a lavar os dentes ou a fazer a barba.

No que respeita às máquinas de lavar (loiça e roupa), é sensato pô-las a trabalhar somente quando possuem a carga completa ou, em caso de necessidade, premir o botão da meia carga para conseguir maior eficiência. Além da água, poupa-se, igualmente, energia. Não é razoável lavar peças isoladas na máquina. Lavando-as à mão, a água (pelo menos, a do enxaguamento) pode servir para lavar o chão da cozinha ou outra superfície do género.

Aderir à reciclagem do papel é outra boa iniciativa. A produção de papel reciclado consome menos água do que a fabricação de papel virgem. Uma tonelada de papel reciclado economiza 25 mil litros de água!

Por estranho que possa parecer, muitos dos produtos que usamos diariamente exigem a utilização directa ou indirecta da água. O indicador da quantidade de água empregue nos bens e serviços que consumimos denomina-se Pegada de Água (Water Footprint), e retrata a água realmente necessária para sustentar uma população. Por exemplo, cada chávena de café bebida inclui 140 litros de água; cada quilo de carne de vaca pressupõe um gasto de 16 mil litros de água! Um simples hambúrguer de 150 gramas utiliza 2400 litros de água (mais do que uma t-shirt de algodão, que não ultrapassa os 2000 litros). Uma simples folha de papel consome dez litros de água e uma fatia de pão 40. O conceito de Pegada de Água envolve informação baseada na noção de Água Virtual, definida como o volume de água necessário para produzir um bem ou serviço.

Os valores calculados dependem da quantidade mundialmente produzida, da necessidade de água individual de um produto, dos processos de transformação e das características dos locais onde são produzidos (clima, tecnologia aplicada, …), sendo que o maior desenvolvimento de um país subentende um consumo acrescido e, portanto, uma Pegada de Água superior.

Reduzir a Pegada de Água é indispensável para a garantia da sustentabilidade dos recursos hídricos à escala mundial, e está relacionada com a eficiência no uso de água no sector agrícola (melhor aproveitamento da água da chuva, alterações nos sistemas de irrigação, …) e com a mudança nos hábitos e padrões de consumo domésticos. A grande maioria das pessoas não imagina quanta água é gasta nos produtos que consome. Assim sendo, a sensibilização dos consumidores é fundamental para que estes não se tornem cúmplices involuntários da destruição dos recursos do Planeta.


Maria Bijóias

Título: Diminua o consumo de água em casa

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

668 

Imagem por: James Cridland

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoluana

    20-10-2009 às 15:10:58

    gostei miuto desse site.

    ¬ Responder

Comentários - Diminua o consumo de água em casa

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Imagem por: James Cridland

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios