Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Energias Renováveis > Células Solares

Células Solares

Visitas: 4
Comentários: 3
Células Solares

As pilhas ou células solares são dispositivos elétricos /eletrônicos que convertem energia luminosa em energia elétrica. Existem também uma variação delas chamada Células Fotoeletroquímicas, que usam a energia luminosa para promover alguma reação química.

Saber como uma célula solar funciona evita erros durante sua fabricação, caso você queira fazer uma pilha solar caseira. Embora a base teórica não seja o ponto principal, é essencial para o aprendizado eficiente.

Uma Célula Solar Sensibilizada por Corante é composta por eletrodos (catodo e anodo), que são polos necessários para a movimentação dos elétrons e obtenção de energia. Os eletrodos da Célula Solar Sensibilizada por Corante são feitos de um material semicondutor chamado Transparent Conductive Oxide (TCO). O TCO é composto por uma fina camada de Flúor/ Óxido de Estanho Dopado, e também é chamado de FTO (Flourine-Doped Tin Oxide). A transparência do material permite que a luz do sol penetre na célula, e que seu lado condutivo faça o devido trabalho.

O polo negativo da célula é o anodo. É composta por uma rede de nanopartículas de Dióxido de Titânio sintetizado. Esta rede oferece uma profundidade maior de trabalho, melhor do que uma área de superfície, e obviamente mais eficiente.

O Dióxido de Titânio é um semicondutor transparente que não é sensível à luz. As partículas de titânia devem ser sensibilizadas com uma camada de moléculas de corante para que assim possam absorver a luz do espetro visível. Corantes naturais podem ser usados, mas não possuem a mesma eficiência de corantes artificiais.

O efeito fotovoltaico consiste em separar os elétrons de seus “buracos”. Naturalmente, os elétrons insistem em voltar para seus buracos, e é a partir do percurso das partículas supracitadas que nasce a energia solar. Na célula solar, a separação ocorre no anodo, onde a luz incide sobre o Dióxido de Titânio sensibilizado. As partículas, então excitadas, irão desprender alguns elétrons e deixar os buracos. O elétron percorre então um circuito externo, produzindo uma corrente.

Após a conclusão do percurso. O elétron está de volta para a molécula de Dióxido de Titânio. Então o ciclo pode ser novamente repetido, gerando um fluxo contínuo.


Wallace Randal

Título: Células Solares

Autor: Wallace Randal (todos os textos)

Visitas: 4

671 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Daiany Nascimento

    17-09-2012 às 19:35:01

    Parabéns novamente Wallace! Realmente muito interessante o assunto e promete ser o grande futuro da energia limpa, deixando de lado o terrível petróleo que consome os recursos naturais do planeta. Pessoas ligadas a esse tipo de informação e buscando soluções semelhantes a essas deveriam existir em enorme quantidade, pois assim o mundo seria melhor e as pessoas poderiam ter uma vida mais feliz, concentrando em seus sonhos e não nas coisas desnecessárias. Bela contribuição Wallace!

    ¬ Responder
  • Benedito Ananias Moura

    10-09-2012 às 00:38:28

    Interessante essa forma de energia renovável, escreva mais sobre isso.

    ¬ Responder
  • Daiany Nascimento

    06-09-2012 às 14:28:10

    Parabéns! Está se tornando um grande autor!

    ¬ Responder

Comentários - Células Solares

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios