Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > D. Pedro I, o Cruel

D. Pedro I, o Cruel

Categoria: Biografias
Visitas: 17
D. Pedro I, o Cruel

Filho de D. Afonso IV e de D. Beatriz de Castela, D. Pedro nasceu a 8 de Abril de 1320, em Coimbra. Em 1328, foi acordado o primeiro casamento do ainda infante D. Pedro com D. Branca de Castela, sobrinha de Afonso XI, rei de Leão e de Castela até 1350. Esta acabou por ser abandonada, em 1336. Neste mesmo ano, D. Pedro volta a casar por procuração com D. Constança Manuel, filha de D. João Manuel e D. Constança de Aragão. Só em 1340, D. Constança chegou a Portugal. Deste casamente teve três filhos: D. Maria, em 1342, D. Luís, em 1344, e D. Fernando, o futuro D. Fernando I, a 31 de Outubro de 1345.

Com D. Constança Manuel, veio D. Inês de Castro, dama desta. O amor é conhecido por todos, pois atravessou o tempo até aos nossos dias. D. Pedro apaixonou-se por D. Inês, e o amor foi recíproco. Tiveram quatro filhos: D. Afonso, em 1350, D. João, em 1352, D. Dinis, em 1353, e D. Beatriz, em 1354.

D. Constança morreu em 1345, e com a sua morte D. Pedro juntou-se publicamente com D. Inês. Temendo os herdeiros da dama galega, D. Afonso IV não hesitou em eliminar a grande ameaça ao herdeiro do trono e à paz do país. D. Inês foi sentenciada a 7 de Janeiro de 1355, num dia em que o infante tinha saído para caçar. Antes disso, os amantes viveram anos felizes longe das intrigas da corte.

Quando soube da morte da sua mada, D. Pedro procurou vingar-se, chegando mesmo a entrar em guerra civil com o pai. Assinou a paz de Canaveses.

Subiu ao trono com a morte do seu pai, a 28 de Maio de 1357. Sem a presença do seu pai a ofuscar-lhe os objectivos, D. Pedro I continuou a sua vingança mandando matar os carrascos de D. Inês de Castro. Em 1360, confirmou o casamento com a dama galega. Mandou construir um túmulo para a sua amada e fê-la rainha depois de morta, como diz Luís de Camões. Fez também um túmulo para si, e mandou-o colocar perto do de D. Inês, no Mosteiro de Alcobaça.

D. Pedro ainda teve outra amante, D. Teresa Lourenço, de quem teve o último filho, D. João, futuro D. João I, mestre de Avis. Faleceu em Estremoz, a 18 de Janeiro de 1367.


Daniela Vicente

Título: D. Pedro I, o Cruel

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 17

669 

Comentários - D. Pedro I, o Cruel

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Contador de moedas

Ler próximo texto...

Tema: Material Escritório
Contador de moedas\"Rua
O mundo dos negócios exige um grande dispêndio de energia e muitas horas de trabalho. No entanto hoje já é possível fazer recurso da alta tecnologia para poupar tempo e dinheiro. O recurso às funções do computador para o comércio facilita e atrai muitos clientes para empresas e comerciantes. No que diz respeito a contas é possível fazer uma contagem rápida e eficaz do dinheiro, sem passar horas a contar e com o risco de engano. É por isso que cada vez mais pessoas ligadas a negócios e serviços optam por adquirir um contador de moedas. Deste modo sabem que poupam tempo e não falham na sua contagem.

Dos inúmeros equipamentos que a alta tecnologia põe ao dispor, este é sem dúvida um equipamento que beneficia em muito o trabalho de muita gente. Por ser pequeno é muito cómodo e exige pouco espaço, ou melhor pode ser colocado em qualquer lugar.

Torna-se evidente que as novas tecnologias vieram para simplificar a vida e trazem muitas vantagens, rentabilizam e poupam tempo. No caso do contador de moedas, sem enganos, falhas e complicações. É o ideal para ter num escritório de uma empresa, em escolas, cafés, pastelarias, salões de jogos, bancos, cinema, serviços financeiros e de tesouraria e outros ligados a serviços públicos e privados.

Em resumo, se está ligado a qualquer trabalho de comércio ou serviços pode poupar muto tempo e problemas apenas colocando um equipamento destes no seu espaço de trabalho. As suas vantagens são inúmeras, em especial: permite realizar uma contagem rápida das moedas dividindo-as e fazendo a sua soma, conta o total das moedas, o valor total em cada tipo de moedas e a quantidade de todas as moedas.

Contem e separa no mínimo duzentas e vinte moedas por minuto, sem erro, conta e separa tudo no mesmo equipamento, permite alimentar o aparelho com quantidades entre as trezentas e quinhentas moedas de cada vez e continuar a adicionar mais moedas enquanto está a contar. Além disso o aparelho pode ser programado para separar um número de moedas predeterminado.

O seu design é bastante inovador e resistente. Os materiais de elevada qualidade, de fácil ligação e paragem automática.

Possui uma elevada funcionalidade, baixo consumo (70W), pouco peso, aproximadamente quatro kg, velocidade ultra rápida, pequena dimensão e estão todos certificados pela EU. Deste modo também possuem garantia, são fáceis de usar e de arrumar.

As suas funções práticas permitem que o contador de moedas possa estar em qualquer lugar.

Pesquisar mais textos:

Teresa Maria Batista Gil

Título:Contador de moedas

Autor:Teresa Maria Gil(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios