Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > D. José, O Reformador

D. José, O Reformador

Categoria: Biografias
Visitas: 4
D. José, O Reformador

Terceiro filho de D. João V e D. Maria Ana de Áustria, D. José I nasceu a 6 de Junho de 1714, no Palácio da Ribeira, em Lisboa. D. Maria Bárbara de Bragança casou o príncipe das Astúrias, futuro Fernando VI de Espanha, enquanto D. Pedro morreu ainda em criança, ficando D. José com o caminho livre para o trono.

Em 1727, D. José casou com D. Mariana Vitória, filha de Filipe V e de Isabel Farnésio. Desta relação teve 4 filhas: D. Maria Francisca, futura D. Maria I, D. Maria Ana Francisca Josefa, D. Maria Francisca Doroteia e D. Maria Francisca Benedita. Os primeiros anos do casal foram felizes.

Em 1729, ficou conhecido no reinado D. João V a famosa troca de princesas: D. Mariana Vitória casaria com o príncipe D. José, e D. Maria Bárbara de Bragança casaria, por sua vez, com D. Fernando, o príncipe das Astúrias.

Foi no reinado de D. José, com a diminuição das importações de ouro, que Portugal entrou, novamente, em crise. Distinguiu-se com mérito o seu primeiro-ministro, Sebastião José de Carvalho e Melo, conde de Oeiras, em 1759 e marquês de Pombal, em 1769.

A 1 de Novembro de 1755, ocorreu em Portugal o conhecido Terramoto de 1755, que vitimou milhares de pessoas, depois o país envolveu-se na Guerra dos Sete Anos (1756-1763), entrando em colapso extremo a nível financeiro. Contudo, as novas medidas de Marquês de Pombal deu origem a uma nova fase positiva.

Marquês de Pombal dinamizou o país: criou o Real Colégio dos Nobres, reformou a Universidade de Coimbra, desenvolveu uma intensa propaganda da indústria e do comércio (criação de fábricas, da Aula do Comércio, a primeira escola comercial da Europa), criou a Real Companhia das Vinhas do Alto Douro, mandou construir estradas, com o terramoto, planeou a urbanização concisa de Lisboa, e, acabou com a distinção entre cristãos-novos e cristãos-velhos (1768).

A 3 de Setembro de 1758, de regresso da casa da sua amante, D. Teresa Tomásia de Távora, D. José I sofreu um atentado, que segundo o seu ministro, vinha da casa Távora e do duque de Aveiro.

D. José faleceu a 24 de Fevereiro de 1777, vítima de uma apoplexia.


Daniela Vicente

Título: D. José, O Reformador

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 4

629 

Comentários - D. José, O Reformador

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios