Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > D. João IV, o Restaurador

D. João IV, o Restaurador

Categoria: Biografias
Visitas: 30
D. João IV, o Restaurador

Filho de D. Teodósio, 7º duque de Bragança, e de D. Ana de Velasco, D. João IV nasceu a 19 de Março de 1604, em Vila Viçosa. Casou com D. Luísa de Gusmão, filha do duque de Medina-Sidónia, com 19 anos, em Elvas a 12 de Janeiro de 1633. Tiveram muitos filhos: D. Teodósio, em 1634, D. Ana, em 1635, D. Joana, em 1636, D, Catarina, em 1638, D, Manuel, em 1640, D. Afonso, em 1643 e D. Pedro, em 1648. Tal como outros reis da História de Portugal, D. João IV também não foi fiel à sua mulher. Teve pelo menos uma filha bastarda, D. Maria.

O crescente descontentamento com a dinastia filipina, originou a revolta dos civis, apoiando desta maneira D. João para seguir na linha de sucessão ao trono português. A 1 de Dezembro de 1640, deu-se a Restauração. A 6 de Dezembro, D. João chegou a Lisboa, e a 15 deste mesmo foi aclamado rei no Terreiro do Paço.

«Sábado, primeiro de Dezembro de 1640 (dia memorável para as idades futuras), a nobreza da Cidade de Lisboa, para remédio da ruína em que se via, e ao Reino todo, aclamou por Rei o duque de Bragança Dom João, príncipe begniníssimo, magnânimo, fortíssimo, piedoso, prudente, nos trabalhos incansável, no governo atento, no amor da república cuidadoso, de seu acrescentamento ardentíssimo, e vigilante, legítimo sucessor do Império Lusitano.»

Com a morte de D. Teodósio a 13 de Maio de 1653, trouxe alguns problemas aos monarcas, pois D. Afonso, segundo na linha de sucessão, não tinha as condições necessárias para assegurar o governo de um reino recentemente conquistado.

D. João IV faleceu a 6 de Novembro de 1656. D. Luísa de Gusmão ficou como regente do reino até D. Afonso atingir a maioridade. Entretanto, tentou, por várias vias, sugerir D. Pedro, como o próximo rei, nomeadamente, dando-lhe o mesmo tratamento, que se dava um rei. De facto, o seu destino estava traçado. Viria a ser rei após tirar o seu irmão do caminho que o levava ao trono português. D. Afonso não ignorou as predilecções da mãe com o seu irmão, ordenando-lhe que se recolhesse longe da corte.


Daniela Vicente

Título: D. João IV, o Restaurador

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 30

638 

Comentários - D. João IV, o Restaurador

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Ler próximo texto...

Tema: Informática
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?\"Rua
Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Bom, Não é de hoje que tecnologia vem surpreendendo a todos nós com grandes revoluções e os custos que diminuem cada vez mais.
Hoje em dia é comum ver crianças com smarthphones com tecnologia que a 10 anos atrás nem o celular mais moderno e caro do mercado tinha.
Com isso surgiram sugiram vários profetas da tecnologia e visionários, tentando prever qual será o próximo passo.

E os filmes retratam bem esse tema e usam essa formula que atrai a curiosidade das pessoas.
Exemplos:

Minority report - A nova lei de 2002 (Imagem)

Transcendence de 2014

Em Transcendence um tema mais conspiratório, onde um ser humano transcende a uma consciência artificial e assim se torna imortal e com infinita capacidade de aprendizagem.
Vale a pena ver tanto um quanto o outro filme. Algumas tecnologias de Minority Report, como utilizar computadores com as mãos (caso do kinect do Xbox 360 e One) e carros dirigidos automaticamente, já parecem bem mais próximo do que as tecnologias vistas em Transcendence, pois o foco principal do mesmo ainda é um tema que a humanidade engatinha, que é o cérebro humano, a máquina mais complexa conhecida até o momento.

Eu particularmente, acredito que em alguns anos teremos realmente, carros pilotados automaticamente, devido ao investimento de gigantes como o Google e o Baidu nessa tecnologia.

Também acho que o inicio da colonização de Marte, vai trazer grandes conquistas para humanidade, porém grandes desafios, desafios esses que vão nos obrigar a evoluir rapidamente nossa tecnologia e nossa forma de encarar a exploração espacial, não como um gasto, mas sim como um investimento necessário a toda humanidade e a perpetuação da sua existência.

A única salvação verdadeira para humanidade e para o planeta terra, é que seja possível o ser humano habitar outros planetas, seja localizando planetas parecidos com a terra ou mudando planetas sem condições para a vida em planetas habitáveis e isso só será possível com gente morando nesses planetas, como será o caso do Marte. O ser humano com a sua engenhosidade, aprendeu a mudar o ambiente a sua volta e assim deixou de ser nômade e da mesma forma teremos que aprender a mudar os mundos, sistemas, galáxias e o universo a nossa volta.

Espero que tenham gostado do meu primeiro texto.
Obrigado à todos!
Até a Próxima!


Pesquisar mais textos:

Érico da Silva Kaercher

Título:Futuro da Tecnologia, Qual o Limite?

Autor:Érico da Kaercher(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios