Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > Vida e obra de Hieronymus Bosch

Vida e obra de Hieronymus Bosch

Categoria: Biografias
Visitas: 34
Vida e obra de Hieronymus Bosch

Em 1450, Jheronimus van Aken nasceu em s’Hertogenbosch, Bois-le-Duc em francês, uma cidade da Flandres, da actual Holanda, que deu origem ao seu pseudónimo, Bosch, que significa bosque em português. Por esta mesma altura, ali se construía a Catedral de São João, que vai albergar um conjunto de confrarias, como a Confraria de Nossa Senhora, a que Bosch pertenceu até à sua morte. São os livros de contas desta mesma confraria que nos vai dar a informação mais concreta da vida e obra de Bosch, assim como a data exacta em que morre.

A adesão de Bosch à Confraria da Nossa Senhora fez-se por volta de 1486-87, porém desconhece-se grande parte da sua vida desde o seu nascimento até à entrada nesta congregação. Conjectura-se que tenha aprendido a actividade com o seu pai, Anthonius van Aken, e este, também pintor, por sua vez, tenha aprendido com o seu pai, avô de Bosch, Jan van Aken. O apelido desta geração de pintores indica-nos a proveniência destes da Alemanha, e no início do século XV vemos o avô de Bosch a estabelecer-se em s’Hertogenbosch. A primeira referência segura desta família na cidade é em 1430-31, exactamente do avô de Bosch, que vai falecer nesta mesma em 1454.

A rondar a data da morte do seu pai, Bosch casa com Aleid van den Meervenne, provavelmente alguns anos mais velha que ele e portadora de uma grande fortuna, que o leva a ascender a uma vida social bastante confortável. Aleid morreu em 1531, quinze anos depois da morte do seu marido, e devido ao estatuto do seu marido na Confraria da Nossa Senhora, teve direito um ofício fúnebre realizado na capela da Confraria.

Em relação à sua obra, Bosch faz vários trabalhos para a Confraria da Nossa Senhora, exigindo modestos pagamentos. Em 1480-81, o livro de conta mostra a encomenda de dois painéis, em 1493-94, um vitral, em 1511-12, um crucifixo, e em 1512-13 um candelabro. Em 1488, consegue entrar para a Confraria, estando cada vez mais envolvido na irmandade, onde conheceu figuras importantes que o acompanharam durante a sua vida: o arquitecto e gravador Alaert Du Hameel, que dirigiu as obras da Catedral de São João e gravou muitos desenhos de Bosch, e Jacob van Almaengien, uma personagem de inspiração na obra de Bosch.

Só uma encomenda é conhecida, a de Filipe, O Belo, duque de Borgonha, em 1504. Segundo o documento encontrado nos arquivos de Lyon, a obra devia apresentar o Juízo Final, o Paraíso e o Inferno. Recebeu por esta obra trinta e seis libras. Infelizmente, esta obra perdeu-se e não chegou até nós.

Daniela Vicente

Título: Vida e obra de Hieronymus Bosch

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 34

761 

Comentários - Vida e obra de Hieronymus Bosch

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios