Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > D. Carlos I e o princípio da queda da monarquia

D. Carlos I e o princípio da queda da monarquia

Categoria: Biografias
Visitas: 10
D. Carlos I e o princípio da queda da monarquia

Filho de de D. Luís I e de D. Maria Pia de Sabóia, D. Carlos I nasceu a 28 de Setembro de 1863, em Lisboa. A 19 de Janeiro de 1886, D. Carlos viajou para França para conhecer a sua prima, D. Amélia. O noivado foi celebrado a 7 de Fevereiro. Esta chegou à capital portuguesa a 20 de Maio de 1886, onde foi recebida em São Domingos para celebrar o casamento. Foram viver para o Palácio de Belém e, inicialmente, tudo correu bem na vida do recente casal. Até D. Amélia suspeitar das demoradas ausências do marido.

D. Carlos ascendeu ao trono a 19 de Outubro de 1889, após a morte do seu pai, Luís I, o Popular (1861-1889), irmão de D. Pedro V.

O novo monarca confrontou-se com sérias dificuldades durante o seu reinado, nomeadamente, o crescimento do movimento republicano. As pretensões portuguesas numa ligação de territórios em África (Mapa Cor-de-Rosa), foram ao encontro das pretensões de Inglaterra, ligar o Cairo, no Egipto, ao Cabo, na África do Sul. No dia 11 de Janeiro de 1890, Portugal acordou sobressaltado com o Ultimato britânico, que exigia a retirada imediata dos portugueses na zona ou, caso contrário, a terra Lusitana perdia o seu aliado de vários séculos. Como era de se prever de um monarca tão inexperiente, este recusou a guerra e cedeu às exigências da Inglaterra. Incentivados pelas novas ideias que abalavam a Europa, o povo revoltou-se contra a decisão de D. Carlos I. Devido a uma forte propaganda republicana, um ano depois do Ultimato, ocorreu no Porto uma tentativa de derrube do governo. Foi o começo do fim.

Para além do agravamento da crise financeira, a instabilidade financeira já se fazia sentir (partido Progressista e Regenerador). Em 1906, D. Carlos I decidiu chamar ao governo João franco, uma personagem odiada pelo povo, o eu fez com o movimento republicano fosse ganhando cada vez mais adeptos e simpatizantes.

No dia 1 de Fevereiro de 1908, D. Carlos e o seu filho, D. Luís Filipe, foram assinados no Terreiro do paço, em Lisboa. D. Manuel, futuro D. Manuel II, o Patriota, herdou, desta maneira trágica, o trono português.


Daniela Vicente

Título: D. Carlos I e o princípio da queda da monarquia

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 10

636 

Comentários - D. Carlos I e o princípio da queda da monarquia

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios