Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Biografias > Guercino - vida e obra

Guercino - vida e obra

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Biografias
Visitas: 51
Comentários: 1
Guercino - vida e obra

Giovanni Francesco Barbieri conhecido como Guercino, nasceu no ano de 1591 na província de Ferrara mais precisamente em Cento di Ferrara, foi atraído cedo para Bolonha onde os Carracci já se tinham formado como reformadores da pintura. Tem especial apreço por Ludovico pelo facto de poder ter apreciado, em Cento na igreja dos Cappuccini, um quadro que o mesmo pintou. Este trabalho teve em Guercino uma profunda influência a nível do estilo, dos empastamentos vibratórios e a nível do desenho invisível que domina a composição. Apesar de ter saído de Cento existiu sempre uma ligação a sua cidade natal, onde viveu até 1642.

A sua vida era simples e dedicada à arte “a essa arte que era para ele a expressão de sentimentos sinceros e ardentes, despidos de pretensões intelectuais, e não se preocupando com regras preestabelecidas”. No ano de 1607 Guercino foi acolhido na oficina o artista Benedetto Gennari, também ele proveniente de Cento, e dele recebeu muitas influências bem como de Carracci, como já foi referido anteriormente, apesar de todas as influências que recebeu conseguiu criar o seu próprio estilo e uma linguagem muito pessoal.

Foi este desenvolvimento a nível artístico que fez com que o padre António Mirandola lhe proporcionasse algumas encomendas em Cento.

Em 1616 o pintor fundou a primeira academia de nus, localizada na mesma cidade. Nos dois anos seguintes, trabalhou em Bolonha para o Arcebispo Alessandro Ludovisi e em 1619 realizou uma viagem a Veneza. Ainda nesse mesmo ano e no seguinte,1620, trabalhou em Ferrara na corte dos Gonzaga, local onde teve acesso às obras de Rubens. A sua primeira obra pública foi terminada em 1620, intitulada como “Vestidura de São Guilherme”, que se encontra hoje em Bolonha, na Pinoteca Nacional.

Mudou-se para Roma em 1621, onde mostrou aquilo que de melhor sabia fazer, as suas obras tinham uma enorme paleta de cores, uma especial sensibilidade em relação figura-espaço e uma dinâmica da composição muito vinculadas e pessoais. O seu auge como pintor encontra-se compreendido entre os anos de 1621 e 1623, durante estes anos pintou os frescos com a “Aurora e a Fama” para a casa de campo de Ludovisi, a tela para São Pedro com a Sepultura e a Assunção da Santa Petronilla, que é possível encontrar na Pinoteca Capitolina.

Anos mais tarde deixa Roma e regressa à sua cidade natal onde herdou a escola, que havia pertencido a Ludovico Carracci e depois a Reni, nesta oficina continuou a desenvolver o seu trabalho e a dar forma às suas encomendas.

Os seus efeitos de luz acentuados e a representação atmosférica foram claramente influências de Ludovico Carracci, o que fez com que a pintura de Guercino se torna-se numa pintura de “manchas”.

A obra deste pintor baseou-se no estilo Barroco. O Barroco foi um estilo artístico que se desenvolveu a partir dos finais do século XVI e chegou até meados do século XVII. Teve início em Itália e posteriormente propagou-se aos países da Europa. De alguma forma o Barroco pode ser entendido como uma continuação natural do Renascimento. Os temas tratados no Barroco são idênticos aos tratados no Renascimento contudo mostram um maior dinamismo, maior drama na forma como os temas são tratados, contrastes mais marcados, exuberância e realismo e uma tendência ao decorativo, sem esquecer gosto pela materialidade resplandecente e as demandas de uma vida espiritual.


Sónia Henriques

Título: Guercino - vida e obra

Autor: Sónia Henriques (todos os textos)

Visitas: 51

631 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFernanda

    11-05-2014 às 00:00:30

    Guercino a vida e a obra está fantástico, muito poderosa a descrição e pormenor, raro ler com esta profundidade, parabéns rua direita

    ¬ Responder

Comentários - Guercino - vida e obra

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios