Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Beleza > O padrão da beleza

O padrão da beleza

Categoria: Beleza
Visitas: 101
Comentários: 18
O padrão da beleza

Quando me lançaram o desafio de falar sobre este tema, surgiu na minha cabeça uma frase que li algures e que registei num canto da minha memória: “Fale com a sua filha antes que a indústria da beleza o faça”.

Estas palavras resumem os tempos em que vivemos: uma época em que as pessoas não são avaliadas pela sua cultura, pelas suas ideias e ideais, pelo que já fez no passado ou se pretende fazer no futuro, mas sim pelo aspecto exterior. Basta pararmos um pouco para percebermos como todos os dias somos bombardeados por padrões de beleza irreais, impostos por uma sociedade que se preocupa mais com a “carapaça” exterior do que com a “essência”.

Trata-se de um problema social que potencia o preconceito e a discriminação de quem não se enquadra dentro do conceito de beleza dos dias que correm.

As jovens crescem com a ideia que só serão aceites se seguirem esses padrões... nem que para isso a saúde e bem estar sejam afectados: submetem-se a vários processos cruéis para ficarem bonitas: passar fome, fazer exercício de modo louco, sujeitarem-se a dietas com nomes estranhos.. tudo vale se o objectivo é ser igual à modelo que aparece nas revistas. A insatisfação com o próprio corpo vai fazendo com que a anorexia, a bulimia e outras doenças causadas por distúrbios psicológicos, façam cada vez mais vítimas.

Será que então estas duas palavras vivem em pólos opostos? Não será possível ser bela e saudável? É importante passar a mensagem que é possível manter uma “mente sã num corpo são”: Um plano alimentar adequado a cada pessoa e ao seu ritmo de vida, exercício físico regular, são meios de se chegar ao objectivo.

A beleza é importante, sim. Mas é ainda mais importante que nos sintamos bem connosco mesmas, e para tal, a saúde deve vir sempre em primeiro.

Acima de tudo, temos de nos aceitar como somos. Para isso é importante irmos cimentando ao longo do tempo a nossa personalidade e a nossa maneira de ser... não se trata de nos consternarmos com o que Deus nos deu mas sim darmos valor ao que somos, por dentro e por fora.

Isso fará com que nos sintamos belas, mais fortes e, consequentemente, mais felizes e saudáveis. E isso faz com que nos achem belas também. E não há melhor maneira de vencer um preconceito do que um sorriso nos lábios...



Catarina Bandeira

Título: O padrão da beleza

Autor: Catarina Bandeira (todos os textos)

Visitas: 101

772 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 18 )    recentes

  • SophiaSophia

    17-06-2014 às 07:01:55

    Padrão de beleza quem faz é a própria pessoa. Nada de mídia, internet, televisão ou qualquer outro meio que aliena as pessoas. Você tem que estar bem consigo mesma, isso é o que importa!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • beatriz

    21-08-2013 às 19:46:56

    ???

    ¬ Responder
  • Gabriela TorresGabriela Torres

    06-10-2012 às 17:06:58

    Quem está fora do padrão de beleza atual,está condenado a sofrer preconceitos por isso.A melhor coisa a se fazer é não tentar correr atrás de um padrão exato,e tentar melhorar as qualidades que cada um possui.

    ¬ Responder
  • Anne TeixeiraAnne Teixeira

    04-10-2012 às 01:30:48

    Algo muito subjetivo esse assunto hein. Eu gosto de ser pequena, magra, sem muitasss curvas, mas com algumas. Gosto de homens normais, não muito fortes nem magros. Padrão bem mediano. Mas fico indignada como no Brasil as mulheres precisam ser loiras, cheias de curvas e siliconadas pra serem bonitas. A maioria parece gorda pra mim, já que meu padrão de beleza está mais pro europeu ou asiático que pro brasileiro. É muito subjetivo tudo isso.

    ¬ Responder
  • Nilson EmpreendedorNilson Uemoto

    02-10-2012 às 23:54:57

    Nesse mundo somos julgados em grande parte pelas aparências,conheço pessoas bonitas de corpo e rosto que conseguem mais facilidades na vida:são melhores atendidas em comércios e repartições públicas, quando vão a baladas noturnas conseguem facilmente despertar a atenção do sexo oposto e em entrevistas de emprego despertam logo de cara a simpatia do entrevistador.Por mais que digam que o que importa é a beleza interior, isso não se vê na prática.

    ¬ Responder
  • Cristina SousaCristina Sousa

    01-10-2012 às 15:07:33

    Na minha opinião a beleza não tem nenhum padrão, pois está associada à saúde e ao bem estar. Uma mulher não fica mais bela por mais maquiagem que use, caso não tenha saúde e equilíbrio psicológico. Pois a beleza deve ser visto como um todo, ou seja, a aparência física, e não só pela roupa ou perfume que usa.

    ¬ Responder
  • Gabriela TorresGabriela Torres

    29-09-2012 às 18:42:22

    Padrões de beleza variam conforme a época.Antigamente o padrão de beleza era ser gordo,atualmente o padrão é se manter magro.Na verdade quanto mais magro melhor.Além de variar conforme a época ele também varia conforme o local.

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    28-09-2012 às 19:52:01

    A sociedade impõe padrões e conceitos e beleza para as pessoas tentando influenciá-los, o que de fato acontece. Esses padrões norteiam o mundo e mulheres acabam se sentindo menos, ficam frustadas, idealizando seus corpos, sua maneira de agir, vivendo até infelizes. O que não podemos esquecer é que cada pessoa é única, especial e foi criada à semelhança de um Deus tão amoroso. Não existe padrão de beleza, cada uma reflete algo bonito e belo.

    ¬ Responder
  • Nilson EmpreendedorNilson Uemoto

    27-09-2012 às 00:23:36

    Por mais que isso nos incomode, a verdade é que todos somos julgados pelas primeiras aparências, a beleza física realmente abre portas e facilita relacionamentos .Claro que não adianta ser belo por fora e podre por dentro, mas a primeira vista é super importante a questão da beleza.Aqui no Brasil pelo menos oque mais se vê são mulheres que conseguiram ficar famosas graças a seus corpos esculturais apesar de terem pouca inteligência

    ¬ Responder
  • Daiany Nascimento

    25-09-2012 às 12:26:43

    Seu texto é realmente muito bom e pode servir de alerta para muitas pessoas que estão caindo nas armadilhas da indústria da beleza. Concordo com o que você explanou no artigo, atualmente grande parte das pessoas costuma julgar umas as outras somente pela aparência e os padrão de beleza atuais podem acabar abalando a saúde mental de muitas mulheres, pois elas nunca estarão satisfeitas consigo mesma. Esta é uma questão muito séria a se pensar.

    ¬ Responder
  • Lucas SouzaLucas Souza

    25-09-2012 às 10:26:35

    Belo texto Catarina Bandeira, uma visão que muitas pessoas têm (dos padrões de beleza), mas mesmo assim se deixam levar pela mídia e as influências do mundo, tentando tornar as pessoas iguais, umas as outras, sem opinião perante uma sociedade corrupta, em muitas vezes. Beleza e saúde, em certos casos acabam andando juntas, pois praticar exercícios lhe trará saúde e um corpo esteticamente bonito, porém não se pode exagerar para não trazer problemas. Meus parabéns!

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    24-09-2012 às 14:14:26

    Os padrões da beleza mudaram, você já reparou nisso? Acredito que todos já. Agora são outros que a sociedade expõe e até exige que tenhamos. Um deles é o fato de ser magra.O mundo hoje vê que somente as mulheres magras fazem sucesso, são escolhidas e atribuídas valores. Também há aquelas que malham, possuem um corpo escultural, sempre estão na frente. Claro que precisamos nos cuidar, faz parte de nos sentirmos bem, mas com moderação.

    ¬ Responder
  • Carla HortaCarla Horta

    23-09-2012 às 20:14:29

    Catarina, está correctíssima. Seguir os padrões lançados pela industria são um verdadeiro problema. O pior é que muitas vezes actuamos inconscientemente numa sociedade e julgamos da forma que no fundo até achamos incorrecto. Somos consumidos pelos padrões que nos impõe e pior, a maior parte das vezes aceitamos apesar de estarmos conscientes dos exageros. Adorei o texto. Está perfeito.

    ¬ Responder
  • Gabriela TorresGabriela Torres

    23-09-2012 às 00:17:29

    Acredito que existam vários padrões de beleza.Claro que alguns predominam.Mas como existe gosto para tudo,então também tem que existir vários padrões.Apesar do que o padrão ocidental de beleza tem um perfil bem exato.

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    22-09-2012 às 16:12:13

    Parabéns pelo seu texto, pois denota um grande interesse pelo tema e a necessária preocupação pelos perigos que todas as pessoas, mas especialmente raparigas e jovens mulheres, correm se não estiverem bem informadas sobre o significado da beleza e da beleza saudável. Concordo consigo quando no primeiro parágrafo se refere à ideia de que os jovens devem ser acompanhados pelos pais – como em tantos outros assuntos- nas questões da relação entre beleza e saúde.

    ¬ Responder
  • Teresa Maria Batista GilTeresa Maria Batista Gil

    22-09-2012 às 11:06:01

    A sociedade é muito fértil no que toca a definir padrões de beleza.Eles sempre existiram e conotam as pessoas de bonotas ou feias, magras ou gordas, altas ou baixas etc.O padrão de beleza marca uma sociedade que ás vezes se rege por esses princípios.O padrão de beleza tem as suas vantagens mas também desvantagens, pois há pessoas que se sentem excluídas em virtude desses padrões.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãomarian

    19-03-2009 às 09:35:46

    Sim senhora. Sim senhor.

    Eu sou critica. Ganho a vida honestamente a criticar e a melhorar novos Padrões de beleza.

    Sei que tenho inimigas e inimigos, mas vivo bem com isso. Se lerem a minha cronica na revista ...xxx ficaram mais ilucidados das dificuldades de ser uma Critica.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoFELIX

    17-03-2009 às 23:54:06

    DONA CATARINA, CONCORDO CONSIGO, BELEZA É UM PROBLEMA SOCIAL.

    ESTA DIFICULDADE DE CRIAREM UM PADRÃO DE REFERENCIA DE BELEZA, É ASSUSTADOR. E DEPOIS SE NÃO NOS ENQUADRAMOS NESSE PADRÃO,..PUF,...SAI FORA, FAZ DIETA, ESTETICA, ROUPA CHIQUE,....

    MAS EU PERGUNTAVA:

    AFINAL QUEM DEFINE O "PADRÃO"? QUEM SÃO ESSES FAMOSOS E INVISIVEIS "CRITICOS"?

    ¬ Responder

Comentários - O padrão da beleza

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios