Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Alimentação > Desvele os encantos da cebola!

Desvele os encantos da cebola!

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Alimentação
Visitas: 10
Comentários: 4
Desvele os encantos da cebola!

A cebola, juntamente com o alho, é um dos condimentos mais usados em todo o mundo. Dá sabor crua, cozida, refogada.

Trata-se de um vegetal cuja parte comestível, o bolbo, se desenvolve debaixo da terra, e é composto por folhas carnudas sobrepostas, de cor branca ou roxa. Outras, mais finas, de tom avermelhado, fazem a cobertura. Quando espiga, as folhas verdes também se podem comer. O odor é forte e o sabor picante e adocicado.

A cebola é natural do Sudoeste da Ásia. A sua utilização estendeu-se à Índia, China, Médio Oriente e Norte de África. Os Egípcios consideravam-na sagrada e, com o inseparável alho, constituía o alimento dos escravos que construíram as pirâmides (Que outros insondáveis segredos terão sido levados para aqueles túmulos?...). Havia povos que lhe punham sal e comiam com pão. Os Mediterrânicos também ficaram rendidos ao seu paladar. Adquiriu elevado valor comercial e chegou a servir de moeda de pagamento de rendas na Europa medieval. Os soldados, em plena frente de batalha, consumiam-na, por ser fonte de vigor.

Muitas pessoas desenvolveram uma certa aversão à cebola, porque o seu manuseamento provoca lágrimas. Contudo, e apesar desse inconveniente do processo de debulhar e cortar, não se pode prescindir dela para a maioria dos pratos que se confeccionam, mesmo os mais simples.

As cebolas, cientificamente denominadas de Allium Cepa, possuem grande diversidade de tamanhos, cores e paladares, e podem encontrar-se frescas, congeladas, em conserva, enlatadas e até desidratadas. Existem variedades de cebolas fortes, subtis, picantes ou doces.

Independentemente da “raça”, a cebola é rica em fósforo, ferro, cálcio e vitaminas A e dos complexos B e C. Quando crua, apresenta vários benefícios: purifica o sangue e o fígado de substâncias tóxicas, que são eliminadas através dos rins; abre o apetite (bem, isto só é uma vantagem para alguns…); age contra a prisão de ventre; protege contra as infecções do aparelho digestivo; diminui o nível de açúcar (glicose) em circulação, pelo que é aconselhável a diabéticos; ajuda em casos de asma brônquica e problemas respiratórios; reduz o índice de triglicéridos; é boa para o coração, e, deste modo, favorece quem padece de doenças do foro coronário; auxilia em situação de enfermidades renais ou hepáticas, e constitui um elemento preventivo do cancro do estômago.

Se for colocada sobre um nariz a sangrar, estanca a hemorragia. Por outro lado, o chá de cebola com mel revela eficácia contra constipações, tosse, bronquite e asma. Já o sumo, aplicado directamente na pele, cura as picadas de insectos em geral. Lá vão as indústrias farmacêuticas encabeçar um protesto contra a concorrência desleal da cebola…



Maria Bijóias

Título: Desvele os encantos da cebola!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 10

802 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • SophiaSophia

    15-06-2014 às 18:29:46

    A comida fica muito saborosa com a cebola, eu adoro! Mas, já conhecia também seu grande poder de tratamento para algumas doenças, muito bom!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • SueliSueli

    10-12-2011 às 10:45:46

    Adorei a dica para tirar o bafo de cebola. Eu adoro cebola de qualquer maneira , mas evito comer pq fica um hálito horrível. Como muita, mas somente no tempero e com essa dica com certeza vou passar comer mais na salada e no pão. Obrigado.

    ¬ Responder
  • Veriane Monteirodurvapaula

    27-02-2011 às 22:52:00

    Se quiserem experimentar, temperem cebola fatiada com azeite de oliva e um pouquinho de sal. Deixem um pouco de molho e depois comam com pão. É uma delícia. Aprendi com meu amor esloveno. Pra disfarçar o bafinho, coma salsinha ou tome água com limão. É bom para comer em churrascos. Falta cebola e sobra carne (risos).

    ¬ Responder
  • Printme PublicidadeAdriano

    30-06-2010 às 13:07:36

    Excelente comer cebola crua, mas quem suporta o bafo depois????

    ¬ Responder

Comentários - Desvele os encantos da cebola!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Literatura
Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal\"Rua
Gertrude Stein foi uma escritora de peças de teatro, de peças de opera, de ficção, de biografia e de poesia, nascida nos Estados Unidos da América, e escreveu a Autobiografia de Alice B. Toklas, vestindo a pele, e ouvindo pela viva voz da sua companheira de 25 anos de vida, os relatos da historia de ambas, numa escrita acessível, apresentando situações caricatas ou indiscretas de grandes vultos da arte e da escrita da sua época. Alice B. Toklas foi também escritora, apesar de ter vivido sempre um pouco na sombra de Stein. Apesar de ambas terem crescido na Califórnia, apenas se conheceram em Paris, em 1907.


Naquela altura, Gertrude vivia há quatro anos com o seu irmão, o artista Leo Stein, no numero 27 da rue de Fleurus, num apartamento que se tinha transformado num salão de arte, recebendo exposições de arte moderna, e divulgando artistas que viriam a tornar-se muito famosos. Nestes anos iniciais em Paris, Stein estava a escrever o seu mais importante trabalho de início de carreira, Three Lives (1905).


Quando Gertrude e Alice se conheceram, a sua conexão foi imediata, e rapidamente Alice foi viver com Gertrude, tornando-se sua parceira de escrita e de vida. A casa, como se referiu atrás, tornou-se um local de reunião para escritores e artistas da vanguarda da época. Stein ajudou a lançar as carreiras de Matisse, e Picasso, entre outros, e passou a ser uma espécie de teórica de arte, aquela que descrevia os trabalhos destes artistas. No entanto, a maior parte das críticas que Stein recebia, acusavam-na de utilizar uma escrita demasiado densa e difícil, pelo que apenas em 1933, com a publicação da Autobiografia de Alice B. Toklas, é que o trabalho de Gertrude Stein se tornou de facto reconhecido e elogiado.


Alice foi o apoio de Gertrude, foi a dona de casa, a cozinheira, grande cozinheira aliás, vindo mais tarde a publicar algumas das suas receitas, e aquela que redigia e corrigia o que Gertrude lhe ditava. Assim, Toklas fundou uma pequena editora, a Plain Editions, onde publicava o trabalho de Gertrude. Aliás, é reconhecido nesta Autobiografia, que o papel de Gertrude, no casal, era o de marido, escrevendo e discutindo arte com os homens, enquanto Alice se ocupava da casa e da cozinha, e de conversar sobre chapéus e roupas com as mulheres dos artistas que visitavam a casa. Depois da morte de Gertrude, Alice continuou a promover o trabalho da sua companheira, bem como alguns trabalhos seus, de culinária, e um de memórias da vida que ambas partilharam.


Assim, este livro que inspirou o filme “Meia noite em Paris”, de Woody Allen, é um livro a não perder, já nas livrarias em Portugal, pela editora Ponto de Fuga.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Autobiografia de Alice B. Toklas, de Gertrude Stein, pela primeira vez em Portugal

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios