Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Quando devo sentir o bebé mexer?

Quando devo sentir o bebé mexer?

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Comentários: 4
Quando devo sentir o bebé mexer?

A sensação de sentir o bebé mexer dentro da barriga é uma sensação única para a grávida. È descrita como boa e um sinal de que tudo está bem com o bebé. No inicio é um pouco difícil distinguir porque a mãe não está habituada, mas se já tiver tido outras gravidezes os movimentos são mais fáceis de distinguir.

È muito habitual colocar-se a questão de saber quando se deve sentir o bebé a mexer. Normalmente isso acontece por volta do período entre as dezasseis e vinte e duas semanas, embora comece desde as sete ou oito, sendo possível ver na eco- grafia.

No inicio começa a sentir pontapés leves e muito espaçados, depois á medida que ele vai crescendo os movimentos são mais fortes porque tem espaço dentro do saco amniótico. Dá cambalhotas e pontapés que são sentidos pela mãe se estiver em repouso. O saco contém 750 ML e permite que o bebé se mexa à vontade.

Os movimentos são mais perceptíveis em repouso ou deitada e podem sentir-se muito num dia e no outro não. O bebé dorme dentro do útero materno por períodos de quarenta minutos e às vezes faz movimentos tão leves que quase não se sentem ou confundem.

As sensações descritas pelas mães vão desde cócegas na barriga, pontapés leves ou fortes e sensação de um peixe a nadar ou aos saltinhos. Nunca se mexe por muito tempo, apenas de vez em quando. Para sentir o melhor é deitada de barriga para cima e ficar em silêncio.

A partir das vinte e quatro semanas a actividade do bebé aumenta, fica mais agitado e com chutes e cambalhotas.

A partir das vinte e oito semanas pode ter soluços que explicam os pulinhos dentro do saco amniótico.

Depois começa a fazer movimentos bruscos porque o espaço começa a ser menor e já está maior.

Entre as trinta e seis e quarenta semanas vira-se de cabeça para baixo e assume a posição definitiva no útero. Já não é possível sentirem-se os movimentos porque já está aninhado na pelve pronto para nascer.

É normal nesta fase sentir-se uma maior pressão na barriga e costelas. Depois a barriga desce e alivia um pouco a pressão na parte superior do abdómen, perto do tórax.

Nesta posição o bebé está prontinho para nascer e pede muitos cuidados e carinho.

Os pontapés são um sinal de que está bem de saúde e a crescer saudável.


Teresa Maria Batista Gil

Título: Quando devo sentir o bebé mexer?

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 2

792 

Imagem por: storyvillegirl

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    21-07-2014 às 21:37:59

    Imagino que deve ser algo muito especial e um momento único na vida de uma mulher. Sentir seu bebê mexer é tudo de bom e nos faz amá-lo mais e mais!!!

    ¬ Responder
  • Nelson Macovanenelson macovane

    12-01-2013 às 13:09:06

    Tenho muito a agradecer a todos os funcionarios desta pagina por toda a ajuda que me ofereceram sempre que gritei pela ajuda, graças a vossa ajuda o meu bebé nasceu perfeito é um rapaz e dei o nome de Hallvinc.
    Estou muito agradecido do fundo do coração.

    ¬ Responder
  • Nelson MacovaneNelson Macovane

    26-04-2012 às 21:34:00

    Ola para toda a gente que ajuda nao so a mim mas a todos os que procuram de ajuda e acham aqui. Muito obrigado em nome de todos em especial a dona Teresa Gil.

    ¬ Responder
  • carlacarla

    26-03-2012 às 15:55:30

    nossa quanto erro de português quem escreveu isso srsrsrsrsrsrsrsrsrs

    ¬ Responder

Comentários - Quando devo sentir o bebé mexer?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: storyvillegirl

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios