Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Doença de Peyronie

Doença de Peyronie

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 46
Comentários: 10
Doença de Peyronie

A doença de Peyronie, assim chamada em honra ao médico cirurgião François Gigot de La Peyronie (cirurgião-mor da corte de Louis XV), que, em 1743, a descreveu. A doença revela um carácter benigno e incide sobre os corpos cavernosos do pénis, originando a formação de uma placa rígida nessa zona que dificulta ou impede mesmo a relação sexual. A doença permaneceu desconhecida durante muito tempo, pois o tabu em matéria de sexualidade sempre imperou na sociedade e só muito recentemente se abriu espaço para se debater livremente questões relacionadas com a sexualidade. A doença de Peyronie é uma delas e que, apesar da sua reduzida dimensão – afeta apenas 0,4 % a 3 % dos homens, à escala mundial – merece ser discutida e analisada.

As suas causas permanecem por esclarecer, mas alguns especialistas apontam o fator hereditário, o traumatismo peniano (na sequência de relações sexuais vigorosas, o que conduziria a feridas internas que, depois, cicatrizariam de forma anormal, formando as tais placas nos corpos cavernosos), anomalias do colagénio (relacionado com as proteínas do tecido conjuntivo) ou a medicação (beta-bloqueantes utilizados no tratamento da esclerose múltipla e do glaucoma) como possibilidades que desencadeariam a doença. Contudo, não existem certezas, apenas hipóteses.

A doença percorre diversas fases, sendo que a primeira se caracteriza por ereção dolorosa, a segunda pelo aparecimento de placas rígidas no pénis e desaparecimento da dor e, a terceira, pelo surgimento de uma curvatura do pénis durante a ereção, motivo pelo qual muitos homens acabam por vencer os seus receios e decidem-se a consultar um médico – já numa fase avançada da doença. A faixa etária mais afetada pelo problema compreende-se entre os 40 e os 60 anos e as suas complicações envolvem óbvias dificuldades na manutenção de relações sexuais satisfatórias; a doença é muitas vezes acompanhada de vergonha e chega a ser encarada como uma monstruosidade por parte do doente, afetando o bem-estar psicológico do mesmo e do casal. Todavia, a doença apresenta-se em contornos benignos e, geralmente, estabiliza ao fim de 2 ou 3 anos.

O seu tratamento diverge muito de situação para situação. Assim, numa fase inicial da doença, o médico pode tomar uma atitude conservadora (mantendo apenas o paciente sob observação); se existirem sinais de progressão da doença, com desenvolvimento da placa, o médico pode receitar medicação oral (vitamina E) ou injetáveis na placa (colagenases e esteroides); numa fase mais avançada da doença, em que a curvatura do pénis impede já as relações sexuais por completo, é normalmente recomendada a cirurgia, através da qual se remove a placa e se substitui por próteses penianas, de forma a reconstruir o órgão sexual.

Isabel Rodrigues

Título: Doença de Peyronie

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 46

794 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 10 )    recentes

  • Paulo Campos

    31-07-2015 às 22:44:21

    Boa Noite. Alguém me pode indicar onde adquirir o potaba em Portugal?

    ¬ Responder
  • manuel rafael

    30-12-2013 às 07:05:43

    tenho 20 anos...meu penis desenvolveu esta doença depois de eu ter levado uma pancada duma colega minha no colegio no meus orgao genitais e desde entao tenho procurado ajuda e o medico diz que é normal ter esta doença com esta idade...gostaria da Dr.Mariana se com esta faixa etaria a doença é temperoria ou permanente?

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaulo Giunti

    15-01-2015 às 18:22:12

    Estou com esta doença a 2 anos e percebi que meu pênis diminuiu de tamanho e circunferência consideravelmente. Poderia recorrer a vitamina E 600mg ou seria melhor potoba 12g 3x ao dia juntamente com colchicina 2mg 3x ao dia
    3x ao dia

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    21-01-2015 às 15:32:09

    Boa Tarde,
    Muitos pacientes se sentiram bem com o consumo de vitamina E por via oral. Deve ser tomado acima de 500 mg/dia.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • ives manoel de carvalho

    23-09-2012 às 04:10:19

    Dra. Mariana tenho 61 anos e há 4 anos surgiu a doença. Fiz tratamento com vitamina E 1 ano e 1/2. Tomei por 6 meses POTABA Paraminobenzoato de potássio (manipulação) há dois anos e percebi que estabilizou depois disso.Tenho curvatura na extremidade para cima /- 30º. Não sinto dores como no inicio e foi por pouco tempo e sumiram depois da Potaba.
    Como seria o tratamento por fisioterapia? Gostaria de fazer tratamento, lógico se for viável, aguardo seu retorno!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSérgiio

    26-01-2012 às 13:42:50

    @Mariana
    Sou portador da dõença de Peyronie, e gostaria de abordar esse tipo de tratamento .

    ¬ Responder
  • SérgiioSérgiio

    26-01-2012 às 13:29:32

    Dra. Mariana sou portador da dõença de Peyronie, li sua resposta ao sr. Claudio e tenho interesse em fazer tratamento com fisioterapia.

    ¬ Responder
  • João PauloMariana

    03-01-2012 às 13:17:37

    @Claudio
    Estou desenvolvendo um estudo no qual tratarei pacientes com fisioterapia, se tiver interesse entre em contato

    ¬ Responder
  • ClaudioClaudio

    25-09-2010 às 19:15:26

    tenho peyronie e estou a procura de tratamentos sem que seja a cirurgia, meu medico esta tratando somente com vitamina E e colchicina mas nao estou tendo resultados, li sobre intetáveis e gostaria de saber mais sobre essa e outras formas de tratamento?

    ¬ Responder
  • RuiRui

    01-11-2009 às 20:49:34

    Boa tarde.
    Gostaria de saber quais as causas mais provaveis para esta enfemindade, bem como se a litotriplica resolveria, ou outro tratamente teria mais eficiência?
    Tenho 57 anos, sempre fui mto viril, e tive um relacionamento por 11 meses aonde minha realções eram diárias, intensas e vorazes ...
    Não percebi nenhum trauma ou dores substanciais, e agora apresenta uma curvatura para baixo, e um extragulamento na base com a extenção de uns 3cm.
    Atenciosamente,

    ¬ Responder

Comentários - Doença de Peyronie

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Dicas para decorar salas pequenas.

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Decoração
Dicas para decorar salas pequenas.\"Rua
A realidade das grandes cidades é que a maioria das pessoas mora em espaços pequenos. É fato também que todos desejam ter um ambiente acolhedor e aconchegante para receber amigos. Em contrapartida, na medida em que os espaços encolhem, a quantidade de aparelhos eletrônicos que utilizamos aumenta cada vez mais. Há ainda quem use a sala como home-office.

Nesta busca de inspiração para organizar e incrementar sua sala, encontramos uma série de sites especializados e blogs com muitas, muitas ideias. O conceito de D.I.Y. (do it yourself) que significa "faça você mesmo” nunca esteve tão na moda. É uma alternativa para reduzir gastos com mão de obra e nada melhor do que criar um espaço com um toque todo seu. Inspirações e ideias não faltam. Hoje, de certa forma todos nos sentimos meio decoradores.

Mas planejar a decoração de uma sala pequena exige alguns cuidados para que o ambiente não fique entulhado de móveis, disfuncional ou até mesmo desagradável.

Confira algumas dicas para decorar sua sala com estilo e valorizando seu espaço:
Os espelhos, além da autocontemplação, causam efeitos interessantes. Aplicados, por exemplo, em uma parede inteira pode duplicar a amplitude do ambiente. Pode ser usado também em móveis, tetos, em diversos formatos e valorizar a luminosidade da decoração.

As cores tem poder de causar sensações. Em ambientes com pouco espaço, elas podem colaborar para que a sensação de amplitude possa tanto aumentar quanto diminuir. Para pintar as paredes de sua sala aposte em cores claras. O teto com uma cor mais clara que a das paredes, por exemplo, pode simular uma elevação do teto, já em uma cor mais escura, promoverá uma sensação de rebaixamento do teto.

A escolha e posição dos móveis são um aspecto muito importante. Opte por poucos móveis, nunca de tamanhos exagerados e posicione-os de forma que valorize o espaço. Móveis que misturam poucos materiais, baixos e com linhas retas proporcionam leveza ao ambiente.

Uma solução muito interessante para espaços pequenos é a utilização de prateleiras. Caixas para produtos horto frutícolas reformadas podem se tornar lindas prateleiras. Mas cuidado com a profundidade, para não atrapalhar na disposição de outros móveis e objetos.

Móveis multifuncionais ou móveis inteligentes são excelentes alternativas para uma sala pequena. Um bom exemplo são pufes, que podem ser usados como mesas de centro ou ficarem alojados debaixo de aparadores e quando recebemos visitas podem se transformar em assentos extras. Mesas dobráveis também são uma ótima opção.

Escolher o mesmo piso ou revestimento pode dar a impressão de área maior, de continuidade. Mudanças drásticas de um ambiente para outro pode causar a sensação de divisão e consequentemente fazer parecer menor.

Algumas outras dicas: um sofá retrátil ou reclinável garante muito mais conforto e ocupa o espaço de um sofá simples. Suporte ou painéis móveis para TV possibilitam que ela seja movida na direção desejável. Caso o ambiente tenha escadas, escolher um modelo de escadas vazadas evita divisões e pode se tornar uma peça de destaque na sala. E para as cortinas, escolha tecidos leves, lisas e sem estampas.

De qualquer forma, ouse, não tenha medo de arriscar, crie, não copie, só assim será seu!

Luciana Santos.

Outros textos do autor:
Dicas para decorar salas pequenas.

Pesquisar mais textos:

Luciana Maria dos Santos

Título:Dicas para decorar salas pequenas.

Autor:Luciana Maria Santos(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Carlos Rubens Neto 16-06-2016 às 16:20:24

    Excelente matéria! Parabéns Luciana ;)

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios