Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Cancro do cólon e do recto

Cancro do cólon e do recto

Categoria: Saúde
Visitas: 2
Comentários: 1
Cancro do cólon e do recto

Receber um diagnóstico de cancro já não é tanto sinónimo de sentença de morte como antigamente. Todavia, há ainda quem nem lhe consiga pronunciar o nome, arranjando-lhe “alcunhas”: coisa má, doença prolongada, e por aí fora.

O cancro do cólon e do recto afecta mais homens do que mulheres e começa, amiúde, com o crescimento de pequenos grupos de células benignas designados pólipos, que podem estar situados no cólon (intestino grosso) ou no recto (última parcela de intestino antes do ânus).

Os sintomas variam de acordo com o tamanho do tumor e a sua localização, e, por vezes, não há qualquer manifestação numa fase inicial. Tratando-se dos intestinos, serão expectáveis alterações nos hábitos intestinais (como diarreia ou prisão de ventre) e na consistência das fezes, de forma persistente, e com duração mínima de duas semanas. A constatação de sangue nas fezes consubstancia um sintoma de relevo, mas não é um exclusivo de carcinoma: muitas vezes, diz respeito a hemorróidas ou alguma fissura no ânus. A côr avermelhada dos excrementos também é susceptível de induzir em erro. Alimentos como a beterraba são passíveis de lhes conferir tal coloração, não se estando na presença de sangue. Assim como as fezes escuras podem resultar da toma de fármacos anti-diarreicos ou de suplementos de ferro. A juntar ao rol dos sinais a ter em conta, estão o desconforto abdominal constante, acompanhado de dor e flatulência, fraqueza ou fadiga, perda de peso inexplicável e sensação de que nunca se esvazia completamente o intestino.

A origem deste tipo de cancro, como aliás da maioria dos demais, é uma incógnita. No entanto, reconhecem-se alguns factores de risco: a idade (a probabilidade aumenta a partir dos 50 anos, ainda que possa ocorrer antes); antecedentes pessoais ou familiares de pólipos ou cancro do cólon e do recto; doenças que afectam o sistema digestivo (como colite ulcerosa ou doença de Crohn); obesidade e diabetes; tabagismo e consumo de álcool. A dieta também é apontada como uma influência, sobretudo no que refere ao baixo consumo de fibras, frutas e legumes e a uma ingestão exacerbada de gorduras e calorias.

Se estes factores representam risco, a prevenção passará, obviamente, por estas áreas. Não se poderá agir sobre a idade, mas é possível eleger comportamentos e estilos de vida que minimizem as possibilidades de vir a padecer desta enfermidade. Além disso, os despistes regulares, através de exames periódicos podem revelar-se de extrema importância, pois a detecção precoce dos pólipos é fundamental para o prognóstico. Por outro lado, dados existentes alvitram que meia hora de exercício cinco dias por semana tem a dita de poder baixar em 24 por cento o risco desta neoplasia.

Quando é descoberto num estádio inicial, o cancro do cólon e do recto apresenta uma taxa mensurável de cura e sobrevivência, que se vai invertendo à medida que se elevam a extensão e a gravidade do tumor. Se tem dúvidas ou desconfianças acerca do seu estado de saúde, não espere nem desespere. Consulte o médico!



Maria Bijóias

Título: Cancro do cólon e do recto

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 2

800 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • reginaregina

    23-08-2009 às 18:36:22

    ja tirei dois polipos benigno no intestino. faço colononoscopia de 2 em dois anos. agora fui fazer tinha dois muito pequeno. gostaria de saber se o polipo a pode nascer maligno ou so se torna maligno depos de alguns anos . faço gistica quase tds os dias. tomo agua e , so paro de pular no jump depois que vou ao banheiro. tenho 63 anos mas sou uma pessoa jovem.

    esqueci de peguntar se existi algo que se possa fazer pra evitar o aparecimento de polipos no intestino. tipo de alimentação etc

    ¬ Responder

Comentários - Cancro do cólon e do recto

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios