Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Fotografia > As revistas, o Photoshop e a vida

As revistas, o Photoshop e a vida

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Fotografia
Comentários: 2
As revistas, o Photoshop e a vida

A fotografia digital tomou conta da imagem na era da informatização. Através dela há a possibilidade de se manipular a imagem. Com o uso de softwares apropriados, como o Photoshop, por exemplo, pode-se atingir a perfeição da foto. Com o uso dessa ferramenta é possível criar imagens perfeitas, com iluminação adequada, rostos e corpos surpreendentes.

Muitas revistas utilizam-se das ferramentas do Photoshop para dar retoque à imagem. Com o uso dessas ferramentas é possível retirar aparelhos dentários, aumentar lábios, dar brilho aos olhos, apagar imperfeições corporais, sem necessidade de plástica, acrescentar o fundo que se quiser à foto, entre muitas outras possibilidades. Diante dessa nova forma de trabalho com a imagem, o leitor da revista fica sem saber se realmente o artista e modelo é daquela forma ou se foi alterada a sua imagem. Contudo, essas alterações não espantam mais o leitor que está acostumado a esperar uma forma perfeita.

Daí cada vez mais a busca na vida real da perfeição corporal que existe somente nas fotografias, fazendo com que muitas pessoas se frustrem e entrem em depressão devido a dietas absurdas, cirurgias e tratamentos muitas vezes excessivos que agridem o corpo. A perfeição das revistas pertence ao mundo virtual, mas muitas pessoas especialmente mulheres jovens, não conseguem ter o discernimento para fazer essa diferenciação e estão sempre em busca de uma perfeição utópica. É preciso saber diferenciar a revista, o Photoshop e a vida real.

Com o Photoshop é possível atingir o conhecido “efeito boneca” em que, utilizando algumas ferramentas do programa, atingi-se a perfeição do corpo e do rosto. Com esse efeito a imagem ganha uma iluminação perfeita, uma pele magnífica, dentes brancos, brilhantes e alinhados, olhos vivos, maquiagem perfeita e cabelos deslumbrantes. Qualquer imagem, inclusive a própria, pode ter essa mudança de efeito. Basta que alguém que saiba utilizar este recurso mexa na fotografia, utilizando o efeito boneca.

As revistas utilizam-se dos processos de manipulação da imagem, apesar de alegarem que não os utilizam. Elas alegam que têm bons fotógrafos e modelos perfeitas, mas é notável, para quem é bom observador, que na fotografia há manipulação. Além do Photoshop há outros programas de manipulação da imagem mais potentes utilizados em comerciais e revistas. O que acontece com as imagens são verdadeiras “cirurgias digitais”, notáveis alterações das imperfeições humanas. São ilusões que fazem com que os leitores busquem atingir graus de beleza não atingidos nem pelas celebridades das revistas que, com todas as oportunidades que têm, de malhação, de recursos estéticos e cirúrgicos, não têm.

O recurso do editor da imagem é impressionante, mas e a personalidade e a naturalidade e a beleza natural? Muitas modelos não estão mais se reconhecendo nas suas próprias fotos devido à alta manipulação pela qual suas imagens passam. Está havendo um movimento contrário à utilização desses recursos. Elas preferem uma fotografia mais próxima ao que realmente elas são: seres humanos dotados de imperfeições.

Porém isso não é o que as revistas buscam. Ainda há uma forte tendência à edição das imagens, inclusive auxiliando na produção da fotografia, pois já que tudo é feito no computador, não é mais necessário que os ensaios fotográficos durem tanto e que se refaça várias vezes a mesma foto. Afinal tudo é corrigido e melhorado no computador.


Rosana Fernandes

Título: As revistas, o Photoshop e a vida

Autor: Rosana Fernandes (todos os textos)

Visitas: 0

703 

Imagem por: dreamglow

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    04-05-2014 às 18:45:23

    Realmente, deve-se ter muito cuidado com a imagem que se quer transmitir, pois as pessoas que não sabem diferenciar com a vida real, acabam ficando depressivas. A mídia quer manipular mais e mais as pessoas, não se deve ser influenciado pelas imagens não-reais.

    ¬ Responder
  • vanessavanessa

    31-03-2012 às 02:08:30

    olá. gostaria de saber qual o photoshop, q usam para fotos de revistas, por exemplo, se eu quisesse tirar meu rosto de uma foto e colocar em outra foto no corpo de uma outra pessoa...ou se quisesse aumentar meus seios, sem q parecessem q coloquei no photoshop?! teria como me dizer um que seja em portugues?obrigada

    ¬ Responder

Comentários - As revistas, o Photoshop e a vida

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: dreamglow

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios