Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > História da vaca brava.

História da vaca brava.

Categoria: Outros
Comentários: 11
História da vaca brava.

Essa história aconteceu com meu avô Santiago, ele está agora com 98 anos de idade e graças a Deus continua iluminando nossas vidas com suas histórias e sua presença. Vamos à história.
Santiago quando jovem andava viajando pelas cidades do nosso Maranhão e em uma dessas cidades ficou encantado com uma bela jovem, que era filha de um fazendeiro muito famoso. Toda semana Santiago passava pela fazenda para conversar com a bela moça. Um belo dia, já pelas bandas da tarde, Santiago parou na fazenda novamente e começou conversar com a filha do fazendeiro bem próximo da janela, todos na fazenda cuidavam de seus afazeres e os vaqueiros tentavam amansar uma vaca muito brava, cinco homens amarraram a vaca e foi então que o pai da moça perguntou se havia ali alguém bastante corajoso para bater na vaca brava, todos se negaram, pois ficaram com medo da vaca, ela tinha fama de derrubar todos que se aproximavam dela. Santiago, querendo mostrar para a filha do fazendeiro que ele era muito corajoso, falou bem alto para todos, que ele iria bater na vaca. A moça advertiu Santiago do perigo e disse para ele que ela não queria vê-lo machucado, mas ele não fez caso dela e foi enfrentar a vaca. Os vaqueiros deram uma lança para Santiago e viraram a vaca para o lado dele, logo em seguida desamarraram a vaca e correram para dentro da casa para ver o que iria acontecer. A vaca levantou-se, olhou de um lado a outro e avistou Santiago em seu caminho, começou a correr em direção a ele, e ele preparou-se para bater na vaca, apontou a lança em direção a ela e esperou a sua chegada, a vaca vinha numa disparada, louca para matar, mas quando chegou perto dele ajoelhou-se e abaixou a cabeça, Santiago ficou parado com a lança nas mãos, mas não bateu nela, pois apiedou-se do animal e disse a todos que não bateria na vaca pois ela havia ajoelhado-se aos seus pés, depois que ele falou essas palavras imediatamente a vaca levantou-se e seguiu seu caminho indo para o outro lado. Todos se admiraram da coragem de Santiago e principalmente se admiraram do comportamento da vaca diante dele, pois aquilo nunca havia acontecido antes naquela cidade, uma vaca brava ajoelhar-se aos pés de alguém. Depois do caso passado a filha do fazendeiro apegou-se ainda mais a Santiago e os dois não se casaram porque ele teve que viajar a trabalho e nunca mais voltou àquela cidade.

Wanderson Tiago

Título: História da vaca brava.

Autor: Wanderson Tiago (todos os textos)

Visitas: 0

614 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 11 )    recentes

  • SophiaSophia

    23-05-2014 às 19:29:25

    A história da vaca brava é bem interessante, adorei!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Wanderson TiagoWanderson

    24-05-2014 às 03:24:39

    Obrigado Sophia, você é muito gentil, breve virão novas histórias interessantes, abraços!!!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoEtiane

    28-04-2014 às 01:47:18

    Muito boa história Wanderson!! Cá entre nós, é muito gostoso ouvir essas coisas dos mais velhos né!?

    ¬ Responder
  • Wanderson Tiagowanderson

    28-04-2014 às 04:20:29

    Verdade, é muito bom desfrutar da experiência de vida dos mais velhos, ainda mais com essas histórias legais...

    ¬ Responder
  • josileia

    27-04-2014 às 22:04:05

    Gostei da história, bem legal

    ¬ Responder
  • Wanderson TiagoWanderson Tiago

    28-04-2014 às 04:22:43

    brigado josy!!!!

    ¬ Responder
  • Wanderson TiagoWanderson Tiago

    27-04-2014 às 15:14:00

    Pois é, essa história é bem legal e ele jura que foi verdade ;)!!!!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãotresa

    27-04-2014 às 10:22:10

    muito louca a historia, genial, recomendo a leitura tranquila e divertida deste texto sobre ...História da vaca brava.

    ¬ Responder
  • Wanderson TiagoWanderson Tiago

    01-05-2014 às 03:16:11

    valeu Tresa, obrigado pelo comentário!!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoRita Jr

    27-04-2014 às 00:03:28

    O teu avô conhece o irmão do meu pai , porque ele que vive em Manaus está sempre com a lengalenga e viola....parabéns

    ¬ Responder
  • Wanderson TiagoWanderson Tiago

    29-04-2014 às 18:29:03

    kkkk brigado amigo!!!

    ¬ Responder

Comentários - História da vaca brava.

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios