Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Seguros > Ponha a sua vida no seguro!

Ponha a sua vida no seguro!

Categoria: Seguros
Comentários: 1
Ponha a sua vida no seguro!

Nos tempos que se vivem, de profunda instabilidade, alterações consideráveis na ordem pública, em termos do que se concebia como paz social, degradação económica, proliferação de doenças e tantas outras volubilidades, há cada vez mais pessoas a desejarem acautelar alguma eventualidade através de um seguro de vida. Se um indivíduo faz um seguro para o carro, para a casa, para um estabelecimento comercial, para as jóias, por que não incluir-se na “matéria” a segurar? Afinal, ele é quem se “paga” duramente com o próprio trabalho, certo? Para além de que integra, a par da família, a mais preciosa colecção de riquezas, sem preço nem reposição possível!
Assim sendo, e por precaução (esperando que nunca seja necessário reivindicar o montante aplicado no acordo), o objectivo é reunir condições para resolver algum problema ou imprevisto com tranquilidade e sem comprometer as finanças dos vários anos subsequentes. Dizem as estatísticas que, ante a perda do arrimo financeiro do lar, a reestruturação demora, em média, sessenta meses, isto é, cinco anos, podendo, em alguns casos, a retoma tardar bastante mais. Naturalmente que não se trata somente do desgaste monetário, embora este seja o mais evidente desde os primeiros momentos.

Apesar de as Seguradoras serem obrigadas, por lei, a atender os seus associados em quaisquer circunstâncias, algumas delas lançam mão de tudo o que está ao seu alcance para dificultar as coisas, provavelmente na esperança de que o tomador desista. Tal postura revela uma total ausência de seriedade e de ética, manifestando, inclusive, uma inaceitável falta de respeito perante a desventura alheia. Efectivamente, um seguro só é activado quando algo de funesto acontece.

O melhor, quando se pretende fazer um seguro, é estudar um pouco as ofertas versus cláusulas, inteirar-se do profissionalismo e probidade de cada instituição. Há sempre quem fale da sua experiência pessoal com esta ou aquela entidade, pelo que será aconselhável ficar alerta, para não se “embarcar” num seguro esclerosado, que morre sem cumprir o propósito para que foi criado. Não obstante a objectividade dos codicilos, a explicação aparenta, muitas vezes, ser subjectiva e não coincidir com aquilo que foi publicitado e esclarecido na altura em que o contrato foi firmado. Portanto, é bom averiguar a que tipo de garantias se agarra, não vá acontecer ficar seguro por um arame, como se verifica com algumas viaturas ao serviço das forças policiais, em que só este expediente impede o condutor do automóvel de sair disparado ao mais pequeno solavanco…

Maria Bijóias

Título: Ponha a sua vida no seguro!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

613 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    29-05-2014 às 17:29:47

    Sabemos que um seguro de vida é bom, mas nem todos estão dispostos a pagar o valor ofertado. Mas, sempre é excelente ter um seguro!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Ponha a sua vida no seguro!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios