Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > O que é a Programação Neurolinguística?

O que é a Programação Neurolinguística?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Comentários: 1
O que é a Programação Neurolinguística?

Nunca ouviu falar em PNL? E em Programação Nerolinguística? O nome parece-lhe estranho? Pois deixe-me dizer-lhe que é bem mais interessante do que possa imaginar e se aprender, poderá estudar o comportamento dos outros de uma forma bastante mais inteligente do que o normal.

Considerada como ciência apesar de controversa (não sendo exata não deve ser considerada uma ciência), a Programação Neurolinguística estuda o comportamento das pessoas tendo em conta 3 aspetos mais importantes. O funcionamento do cérebro do individuo em questão (neuro), a forma como arquiva informações e experiencias e finalmente como o exprimem (linguística – quer corporal, quer falada).

Para muitos tratamentos de psicoterapia este conhecimento de programação neurolinguística é fundamental, pois na maior parte das vezes, quem recorre a um terapeuta ou psicólogo, fala sobre as suas experiencias e vivencias e no seus resultados.

Na psiquiatria este estudo também se torna importante, pois alguns gestos e chamados tiques nervosos são justificados com as nossas experiencias. Por exemplo, se alguma vez foi a um psiquiatra, sabe que na primeira consulta é-lhe perguntado se tem algum tique nervoso. Roer as unhas, piscar demasiado os olhos e estar com a perna permanentemente a tremer, podem ser indicador físicos de que algo não está bem. Que vivencia ou experiencia produzem este efeito?

Nos anos 70, os Americanos Richard Bandler e John Gringer estudaram a fundo a programação neurolinguística e hoje acentuam a importância deste estudo. Defendem que se um individuo é muito bem sucedido numa determinada tarefa, todos podem ser tão bem sucedidos quanto o primeiro. Para isso basta estudá-lo e verificar o que desencadeia esse sucesso. Conseguindo-se entender a sua estrutura mental, as capacidades de um individuo podem ser desenvolvidas por outros. Esta é outra das funções do estudo da PNL.

Na terapia, podem ser alterados moldes estruturais e realizar mudanças consideráveis, como os medos, fobias ou simples receios.

Apesar de ser bastante popular, a programação neurolinguística continua a ser muito controvérsia, principalmente para o uso terapêutico, pois continuam a não existir provas e comprovações científicas. Visto ainda não ter conseguido ter um órgão regulador, o seu reconhecimento tem sido adiado por muitas classes médicas.

No entanto, e para contrariar outras opiniões, a verdade é que a mente, o corpo e a linguagem interagem umas com as outras e se cada individuo é diferente, muito se deve á conta da perceção que tem do mundo. As vivencias são os átomos e as moléculas de cada um de nós, e no fundo, a neurolinguística que existe em todos.


Carla Horta

Título: O que é a Programação Neurolinguística?

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

607 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • ANTÔNIO JOSÉ DA SILVA

    02-11-2012 às 16:13:23

    O QUE É NEUROLINGUÍSTICA.?
    Vejo, na minha opinião, que Nerolinguística é a linguística Aplicada, no estudo da área que investiga as situações sistema relacionada ao modo de vida de cada pessoa, uns mais temperamentais e outras menos,e isso tudo, pode estar integrado ao campo social(estresses) em que esta pessoa foi criado, talvez, ao meio ambiente onde vive e trabalha e uma série de fatores que levam às várias alterações, que a ciência, termina não aprovando as teorias encontras até ao momento- NEROLINGUÍSTICA COMO CIÊNCIA EXATA. SERÁ...?

    ¬ Responder

Comentários - O que é a Programação Neurolinguística?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios