Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Um Manuscrito antigo que hoje revelo-”Fenómenos da Natureza”

Um Manuscrito antigo que hoje revelo-”Fenómenos da Natureza”

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Um Manuscrito antigo que hoje revelo-”Fenómenos da Natureza”

É perante uma noite de luar que eu hoje escrevo, tal foi a impressão que esta me deixou durante anos. Neste momento observo uma fascinante lua cheia muito redondinha, num céu preto muito escuro, sendo que a única luz provém desta circunferência.

Na imensidão negra, de repente, pequenas pontinhas brilhantes aparecem sorridentes acenando para baixo como que nos lembrando que também existem. Em seguida, mais e mais estrelas aperecem sabe-se lá de onde, para num belo ritual se juntarem à lua para conferenciar sobre a noite seguinte.

Mais tarde, pela noite dentro, surge uma sombra ocultando metade da nossa velha amiga.
Depois outra nuvem se junta á primeira e, por momentos, o famoso luar desaparece. É noite cerrada. Não se vê um palmo diante do nariz.

Permanesse assim uma boa meia hora. Depois, a nossa amiga espreita de novo. Redonda que nem uma bolacha apetitosa, disfarça e recolhece-se novamente. Sendo que volta a formar-se uma imensa cortina escura.

É quase manhã. Apesar da noite cerrada já se ouve o cocoricó do galo. Lentamente começa a clarear, embora a nossa velha amiga continue muito serena no seu lugar mostrando que enquanto o sol não nascer, permanecerá ali.

Então a escuridão desaparece, dando lugar a uma claridade tão imensa que nos encadeia. Da lua já não há sinal.

Agora é a vez do sol. De mansinho espreita o céu, mostrando a sua capacidade de encher o mundo de cores e aquecendo alguns de nós. E digo alguns de nós, visto nem todos se levantarem cedo para observar com gosto este fenómeno belo e espetacular que a natureza nos oferece dia após dia.

O tempo não para. E já passou mais um dia. O sol como que sentindo uma certa mágoa, prepara-se para dizer adeus. Mais uma vez é possível notar um incrível cenário. O céu enche-se de tons tão quentes que parece que vai pegar fogo a qualquer momento. O vermelho, o amarelo e o laranja juntam-se num só tom fascinando-nos com a sua beleza.

Até que, por fim, a nossa velha, bela e luminosa amiga, a lua, volta a lembrar que existe e impõe-se para ficar mais uma noite.

Este é o ciclo da vida. Todos os dias vemos o dia nascer. Todas as noites vemos viltar o luar. É um hábito imutável. E ainda bem. Já pensaram como seria triste o rompimento desta belíssima rotina? E se fosse o contrário? Se não existissem seres vivos, valeria a pena o esforço do sol e da lua em se evidenciar em cada dia e em cada noite? Pensem nisso!

Manuscrito criado dia 26/10/2007 e revelado agora.
Por Jovita Capitão


Jovita Capitão

Título: Um Manuscrito antigo que hoje revelo-”Fenómenos da Natureza”

Autor: Jovita Capitão (todos os textos)

Visitas: 0

605 

Comentários - Um Manuscrito antigo que hoje revelo-”Fenómenos da Natureza”

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios