Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > Coração - Henrique e as crianças bondosas

Coração - Henrique e as crianças bondosas

Categoria: Literatura
Coração - Henrique e as crianças bondosas

Henrique é uma criança que escreve um diário. «Coração» é precisamente o compêndio dessas histórias recheadas de ternura e comoção vividas na primeira pessoa, principiando com a narração do primeiro dia de aulas. Este dia evoca, para Henrique, uma série de reencontros e o retorno a um quotidiano rotineiro, mas também as saudades das recém terminadas férias.

Este romance do italiano Edmundo de Amicis (1846-1908) versa episódios que aludem ao dia-a-dia de Henrique no decorrer do ano lectivo. O relato dos acontecimentos por parte de um miúdo cuja visão está carregada de inocência, de bondade e de toda a normal panóplia de virtudes da infância apresenta-se comovedor, mormente pela paixão e detalhe na descrição destas virtudes.

De cariz reconhecidamente moralizador, o autor deixa transparecer esta sua tendência através da criação de uma ambiência repleta de virtuosidade, num mundo de seres que buscam a perfeição e para ela trabalham afincadamente, no sentido de se tornarem irrepreensíveis.

Trata-se de uma sucessão de ocorrências, divididas consoante os meses do ano, que, apesar de estarem enleadas do ponto de vista cronológico, gozam de independência entre si. O registo de escrita, todavia, é comum a todas elas: um estilo familiar e simultaneamente coloquial, ao alcance, inclusive, de leitores de palmo e meio. Leitores cujas alegrias e tristezas, venturas e desventuras pessoais e familiares não serão, com certeza, muito divergentes das vividas pelas personagens.

As “viagens” por características como a bondade, a compaixão pelo próximo, o amor pela pátria e o orgulho nacional cabem, igualmente, numa linguagem com nota dominante para a ingenuidade. Naturalmente que Edmundo de Amicis faz reflectir nestas passagens a sua própria experiência de vida, identificando-se com inúmeros aspectos daquilo que escreve. Por exemplo, o facto de ter sido oficial da Escola Militar de Modena e de ter participado em diversas batalhas estará na origem do seu respeito pelas hierarquias (note-se que nesta obra as figuras de autoridade – pai e professores – são colocadas e mantidas num patamar superior) e pelo constante salientar da importância do espírito de união e de uma verdadeira fraternidade.

A preocupação do autor em construir um legado de formação que eduque a mente e o coração dos jovens (mas também dos adultos!) com ensinamentos, valores e sentimentos já quase desconhecidos está bastante patente nesta publicação da colecção «Livros que nos ajudam a crescer», editada pelo jornal «Público». O que mais emociona neste livro é a maneira como Edmundo de Amicis lida com um determinado género de escrituras deixadas em forma de carta pelo seu pai, a sua mãe, a sua irmã e os seus professores, que, de um modo ou de outro, lhe ensinam valores éticos, morais e sociais. É uma óptima leitura para quem pretenda tornar estes valores (para si próprio ou para um educando) menos abstractos…!


Maria Bijóias

Título: Coração - Henrique e as crianças bondosas

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Imagem por: qthomasbower

Comentários - Coração - Henrique e as crianças bondosas

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Habitação – Evolução qualidade/Preço

Ler próximo texto...

Tema: Alojamento
Habitação – Evolução qualidade/Preço\"Rua
Hoje vivemos dias muito complicados do ponto de vista económico, uma vez que a nossa sociedade moderna consumista tem acarretado para as famílias a triste ideia de que temos que possuir tudo o que existe para ser possuído.

Relativamente ao assunto especifico da habitação, com o passar dos tempos, as pessoas têm adquirido as suas casas em função do que há no mercado, e este mercado tem evoluído de uma forma perigosa em termos de custos; o que quero dizer com isto, é que há vinte anos atrás, encontrávamos apartamentos no mercado, e tenho por base um apartamento T3 que tinha 3 quartos conforme a tipologia descrita, naquele tempo uma cada de banho, uma sala de estar/jantar conjunta e talvez uma varanda, hoje o mesmo apartamento terá os três quartos, a sala, duas casas de banho das quais uma poderá estar num dos quartos a que passou a chamar-se suite, este apartamento hoje, tem forçosamente que ter pré instalação para aquecimento central, lareira com recuperador de calor, e muito provavelmente aspiração central, ou pelo menos a pré instalação… Assim, quem compra um apartamento hoje, apesar das dimensões de cada divisão estarem diminuídas, o preço foi muito incrementado pelos extras, e depois há ainda que adquirir uma caldeira para fazer funcionar a tal pré-instalação de aquecimento central, os radiadores porque sem eles o dito não funciona, naturalmente o trabalho do técnico… há ainda que adquirir em muitos casos o aspirador propriamente dito para fazer funcionar a aspiração central, e algumas coisas mais, acessórios dos quais, antes não tínhamos necessidade.

Não quero dizer com isto, que estes equipamentos não são úteis, são, mas e aquelas pessoas que compraram os seus apartamentos há uns tempos, cujos espaços não dispunham destas “modernices” como viveram? Como vivem hoje? Provavelmente aqueles que tiveram disponibilidade económica para isso, colocaram nas suas habitações, aquilo que julgaram necessário, não colocaram aquilo que não lhes é útil de todo, por outro lado aqueles que não tiveram disponibilidade económica vivem sem os equipamentos em questão, ou colocam um equipamento à dimensão das suas possibilidades. O real problema é que os referidos equipamentos valorizaram muito mais as habitações em termos de preço de compra do que o valor real dos mesmos, e as pessoas, estão apagar vinte ou trinta anos, para não dizer mais, um bom valor acima do que pagariam sem estas coisas, além disso comprariam aquilo que quisessem e pudessem.

Para além do exposto, a qualidade de construção e acabamentos não melhorou, antes pelo contrário. Hoje o valor das casas está a decair rapidamente, e as pessoas em geral vivem em casas cujos valores atuais de mercado são muito inferiores ao que estarão a pagar durante muito tempo…

Naturalmente o mercado poderá mudar, mas não é esse o caminho que parece seguir.

Pesquisar mais textos:

Ana Sebastião

Título:Habitação – Evolução qualidade/Preço

Autor:Ana Sebastião(todos os textos)

Imagem por: qthomasbower

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    21-04-2014 às 17:09:01

    A compra seja de apartamento ou casa estão mais caras e nem sempre oferecem serviços como mostram na divulgação. Não é bom financiar, pois custará o dobro. Realmente, o melhor a fazer é buscar preços que têm condições de pagar ou aderir a um consórcio.

    ¬ Responder
  • Sofia Nunes 13-09-2012 às 17:07:44

    Na minha opinião e de acordo com o que tenho observado, a relação qualidade/preço das habitações está a melhorar. E isso não é necessariamente bom, uma vez que é resultado da crise económica. Como refere, o valor das casas está a descer, pelo que se pode comprar uma vivenda pelo preço que há uns anos era de um apartamento. O problema é que, apesar de as casas estarem mais baratas, os compradores não têm dinheiro.

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios