Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Viagens > Farmácia do viajante – O que deve levar

Farmácia do viajante – O que deve levar

Categoria: Viagens
Visitas: 6
Comentários: 1
Farmácia do viajante – O que deve levar

Quando se está a preparar a mala para as férias, não se quer pensar que algo de menos bom possa acontecer em termos de saúde. Não obstante, os azares acontecem e podem ser maiores ou menores, consoante o nosso grau de preparação para os enfrentar. Muitos sítios, paradisíacos até, ou com os quais sonhávamos há imensos anos, não têm, muitas vezes, quer pela sua distância, quer por deficiências de infra-estruturas, por défice de pessoal médico ou por qualquer outra razão, atendimento pronto e credenciado. Paralelamente, as consultas e exames são sobremaneira onerosos, nomeadamente para os estrangeiros (há lugares onde nunca há troco para os forasteiros, paguem eles o que pagarem por algo). Assim sendo, prevenir continua a ser a palavra de ordem, e, sobretudo nestes casos, é muito melhor prevenir do que remediar. Ainda mais quando o remédio pode ser tão simples.

Neste contexto, é forçoso que o viajante se faça acompanhar da medicação prescrita pelo médico para os seus problemas de saúde (hipotensores, anti-diabéticos, diuréticos, imunossupressores e outros relativos a doenças crónicas). Perante a necessidade de uso continuado, o melhor é levar um atestado médico, porventura também em inglês, e receitas, de preferência com os nomes dos genéricos dos fármacos aceites internacionalmente. Antes de partir, é melhor, também, levar na “bagagem interna” as vacinas obrigatórias e/ou aconselhadas em determinados países.

Seja como for, analgésicos, antipiréticos simples, com paracetamol (para dores, febre e constipações), antigripais, antidiarreicos (em África, Médio Oriente, Sudeste Asiático, América Latina, Europa de Leste e outras zonas, a diarreia é um mal comum), normalizadores da flora intestinal, vitaminas, anti-histamínicos, anti-alérgicos, descongestionantes nasais, colírios para os olhos, gotas para os ouvidos, pomadas (analgésicas, anti-inflamatórias, desinfectantes e cicatrizantes - para entorses, queimaduras, …), pensos rápidos, fita adesiva, ligaduras e compressas esterilizadas, seringas e agulhas assépticas e descartáveis, repelente de insectos, protector solar com elevado índice de protecção, termómetro, um par extra de óculos (se usar), toalhetes embebidos em solução alcoólica, fármacos para a prevenção e tratamento da malária (se se justificar), bem como preservativos, devem fazer parte farmácia do viajante. Espera-se que muitas destas coisas não venham a ser precisas, mas se forem tê-las pode significar alívio, segurança e livrar-se de uma grande carga de trabalhos.

Há pequenos acometimentos, como as quebras de tensão, em que é possível actuar, pelo menos numa primeira fase, sem recurso a medicamentos. Sentar-se com o tronco dobrado e a cabeça entre os joelhos, ou deitar-se com as pernas elevadas, ou beber café, chá preto ou outra bebida estimulante é passível de levar ao restabelecimento. Apenas em circunstâncias muito excepcionais se recorre a fármacos.

O clima, a altitude, a gastronomia local, as condições sanitárias e até o fuso horário são passíveis de ocasionar incómodo ou, inclusive, perturbações na saúde de quem viaja. A composição da “farmácia pessoal” a transportar deverá estar de acordo com a própria vulnerabilidade, as características do destino e o tempo de permanência.


Maria Bijóias

Título: Farmácia do viajante – O que deve levar

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

667 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    14-06-2014 às 21:34:31

    Nunca pensei em levar uma farmácia para minhas viagens, mas acho de suma importância saber o que levar, pelo menos, os mais importantes.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Farmácia do viajante – O que deve levar

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Cães e Humanos: Amizade por interesses

Ler próximo texto...

Tema: Animais Estimação
Cães e Humanos: Amizade por interesses\"Rua
Não é de hoje que os cães são considerados nossos melhores amigos, porém como toda amizade ela não é totalmente incondicional e livre de interesses, pense bem, você pode discordar a princípio, mas analise a fundo e verá que tenho razão.

Cães convivem conosco a mais de 10mil anos, foi lá atrás na pré história que essa amizade começou, uma das mais duradouras da história. Teorias dizem que essa conexão iniciou pois ambas as espécies precisavam de algo que não possuíam e juntos se completaram.

Em plena era do gelo onde a sobrevivência estava sendo testada a todo vapor, aquele lobo considerado mais corajoso se encontrou com um homem também corajoso e resolveram unir forças, talvez não conscientemente, mas deu certo para ambos, e ali iniciava uma amizade que duraria por milênios.

Nesse estágio da nossa história, corríamos perigo de sobrevivência; faltava comida, segurança e energia ! ... E então percebemos que esses lobos simpáticos poderiam nos dar uma vantagem na corrida contra a morte, afinal eles caçavam muito bem , coisa que tínhamos dificuldade em fazer pela falta de energia naquele momento; então pensamos, eles nos ajudam a caçar, nós dividimos o alimento e em troca eles ganham segurança e afeto, e foi assim que essa amizade nos ajudou a enfrentar todos os percalços do caminho, e hoje evoluímos tanto que não precisamos mais de seus serviços e ainda sim continuam sendo nossos melhores amigos, posso dizer então que realmente é uma amizade verdadeira, que surgiu da dificuldade e interesses mas que não se deixou abalar por nada.

Então, agora quando virmos alguém maltratar esses animais, desdenhar deles dizendo que "não prestam pra nada", "não fazem nada de útil", como a galinha que põe ovos, ou a vaca que dá leite, lembremo-nos o quão útil eles foram na nossa caminhada, não só no quesito físico mas também no emocional, numa época em que as aparências não importavam e nem o QI para se fazer um amigo, bastava ser corajoso o bastante pra ultrapassar barreiras e conhecer mais o outro, do jeito que ele viesse, garanto que vantagens incríveis nascerão dessa amizade, e não pense em vantagens como algo ruim, quando digo penso em a vantagem da gente se sentir o humano mais importante do mundo quando esses seres peludos nos olham nos olhos sem pedir mais nada em troca, damos e recebemos carinho como nunca, uma retribuição silenciosa a quem sempre esteve do nosso lado, no pior e melhor momento.

O maior interesse em uma amizade é que ela dure para sempre, e acho que com os Cães conseguimos isso.

Pesquisar mais textos:

Lara Lavic

Título:Cães e Humanos: Amizade por interesses

Autor:Lara Lavic(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios