Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > Internet - Navegue sem se afundar!

Internet - Navegue sem se afundar!

Categoria: Internet
Visitas: 12
Comentários: 7
Internet - Navegue sem se afundar!

A Internet constitui, indubitavelmente, um sinal inequívoco da crescente globalização. É um sítio onde se pode pôr tudo em comum, com as inúmeras vantagens e inconvenientes que este factor comporta. Eliminou completamente a distância geo-social, permitindo um contacto permanente e ininterrupto entre todos os pontos do planeta. Contudo, a inocência e o encantamento de algumas pessoas relativamente à Internet é susceptível de lhes aportar, mais cedo ou mais tarde, dissabores graves, por causa da confiança exagerada que depositam nos seus interlocutores cibernautas e nos conteúdos, que tomam como verdades absolutas e irrefutáveis.

Deste espaço são, muitas vezes, lançados autênticos “mísseis”, sob a capa de inofensivas sugestões, dicas ou propostas. Os mais incautos esbarram, amiúde, na esperteza de quem, maliciosamente, os alicia por qualquer motivo. As crianças são, a priori, das “presas” mais fáceis de iludir, pelo que a navegação por parte destas deve ser supervisionada pelos pais ou educadores. É um erro ficar-se muito descansado (a) porque o filho está em casa e não anda na rua a fazer asneiras; dentro do seu quarto, à porta fechada e com toda a liberdade do mundo, literalmente, ele pode muito bem estar a prejudicar-se a níveis e dimensões imensamente superiores…!

Por outro lado, há que prestar especial atenção a tudo e todos os que requeiram dados pessoais, ou os possam vir a sacar de alguma maneira. Há muita gente endividada “até ao pescoço” à conta disso, para além de se ver a braços com processos judiciais, visto que passou a ter vários “clones” a usurpar a sua identidade para falcatruas várias.

Não obstante, a utilização da Internet devolver-nos-á o que quisermos, se mantivermos um espírito vigilante e analítico, possibilitando também acções de grande valor e monta, no que concerne à ajuda recíproca, em termos de identificação e apoio na doença, transferência de meios, partilha de cultura, construção de amizades, etcétera. Paralelamente, faculta a compra e venda de uma vasta panóplia de artigos, que vão desde a alimentação até a obras de arte. Embora favoreçam o conforto e poupem tempo, as encomendas online, à semelhança do Messenger, acabam por arredar os indivíduos da convivência directa com os outros, o que incrementa substancialmente o sentimento de solidão e abandono. O enclausuramento em si próprio é perigoso, sobretudo quando existem tendências depressivas e auto-destrutivas ou se está em pleno processo de crescimento e formação da personalidade!

A Internet ocupa o quarto paradigma do intercâmbio geográfico: 1- Deslocação terrestre; 2- Barco; 3- Avião; 4- Internet, e representa talvez o mais arriscado. Talvez por isso, pode aplicar-se à Internet a imagem que Mário Castrim, falecido escritor e crítico televisivo, atribuía à “caixinha mágica”: é como um frigorífico que se abre para se tirar o que se quer no tempo que for necessário para isso.



Maria Bijóias

Título: Internet - Navegue sem se afundar!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 12

655 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 7 )    recentes

  • Luene ZarcoLuene

    18-10-2014 às 21:50:27

    Realmente, os extremos nunca são bons para a vida das pessoas. É preciso manter o equilíbrio diante do que pode nos viciar. A internet é um campo muito vasto, aberto e se não tivermos o cuidado, a gente fica escrava dela.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    16-04-2014 às 18:11:23

    Creio que o equilíbrio é fundamental, os cuidados devem ser tomados diariamente. Belo texto, obrigada por sua contribuição!

    A equipa da Rua Direita

    ¬ Responder
  • Pedro Ramilo

    18-09-2012 às 14:05:13

    Ainda há poucos dias, o sr. Augusto da mercearia dizia:
    - Mas que raio de Mundo se tornou este, nunca se viu tanta desgraça, roubos , mortes, cataclismos. Antigamente lá acontecia um de vez em quando, agora é todos os dias, valha-nos Deus.
    Efetivamente o que o Sr. Augusto quis dizer foi:
    - Com esta "coisa" da internet, a informação é de tal maneira tão rapidamente processada e transmitida, que conseguimos saber praticamente tudo o que se passa em tempo real.
    Ou seja, o que aumentou não foram " as coisas", mas sim o modo como a informação se propaga hoje em dia.
    E esta é uma realidade a que todos nos temos que habituar, cada vez mais...

    ¬ Responder
  • Adriana SantosAdriana dos Santos da Silva

    14-09-2012 às 15:33:05

    Com a modernidade, as tecnologias da internet estão a todo vapor e com grandes inovações. Hoje é possível tantas coisas que no passado eram impossíveis de ocorrer. Ela nos auxilia, beneficia em muitas de nossas atividades cotidianas. Mas devemos tomar cuidado, pois todo excesso gera desconforto e sensações desagradáveis. Ela pode ser prejudicial em sua vida, como tem sido em adolescentes e crianças. Navegue sim, mas consciente e com equilíbrio. Muito bom o seu texto!

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãoarte

    28-02-2011 às 18:27:57

    pois tens rasao a internete e cadaves mais perigosa

    ¬ Responder
  • mestry badahra

    30-03-2010 às 00:05:07

    Quero aplaudir de pé, a edição ,da nobre colega, que editou um comentario " INTERNET" onde retrata,com total verdade, o espelho desta mega opção, a disposição do povo .
    Principalmente, os que estão iniciando, as navegações, neste imenso , e interminavel oceano,que tem uma porta escancarada, para todos,os que dispõe, de uma maquina .
    Os portadores de patologias psiquicas, por portarem doenças mentais, direcionadas , as tendencias do mal, se aproveitam, da amplidão, e abertura deste fenomeno, para, praticarem, todas as condições de prejudicar o proximo.
    Este artigo, onde a colega faz uma opinião feliz, serve para alertar, e tambem nortear, os navegadores incautos,que ainda não dispõe, dos instrumentos de segurança (o conhecimento)...
    vou copiar, e peço licença, para sintetizar, e repassar a todos os que fazem parte da minha lista de chegados virtuais,pois é apenas , muito importante este "alerta" .
    mestry badahra
    [email protected]

    ¬ Responder
  • Marco TeixeiraMarco Teixeira

    26-06-2009 às 12:53:21

    A Internet é sem duvida algo cada vez mais útil! Bom Artigo

    ¬ Responder

Comentários - Internet - Navegue sem se afundar!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios