Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > A arte de trabalhar na internet

A arte de trabalhar na internet

Categoria: Internet
A arte de trabalhar na internet

Você pode achar que ter um negócio digital é mais fácil, mais seguro, entretanto não é bem assim! Todo tipo de trabalho ou investimento possui seus riscos e para diminuir ao máximo vou compartilhar uma dica matadora.
O segredo para acabar com os riscos é diversificar suas fontes de renda:

Por que diversificar?
Todos os empreendedores estão correndo risco a todo momento. No mercado digital ou no mercado offline estamos propensos a uma série de imprevistos que podem acabar com nosso negócio.
Digamos que João tem uma borracharia na beira da estrada, ele conta com a ajuda de dois funcionários. A borracharia está gerando cerca de R$ 3.000 por mês descontando os salários dos funcionários. Por algum motivo a fiscalização chegou até ele e impediu João de manter sua borracharia aberta.
Agora como João vai alimentar sua família e pagar suas contas sem os lucros do seu negócio?
Quando falamos em diversificar, estamos criando uma proteção contra riscos e imprevistos que sempre vão acontecer na vida do empreendedor. Entretanto, o mais indicado é montar um negócio por vez. Seguindo uma simples regra de finanças:
• Monte um segundo negócio com os lucros do primeiro
• Monte o terceiro negócio com os lucros do primeiro e segundo
E assim por diante... dessa forma você sempre terá uma fonte de renda mais lucrativa que a anterior, afinal você investiu mais.
O que me leva ao segundo ponto...
Diversificar permite que você maximize seus ganhos, pois ao final de cada mês você receberá a soma dos lucros de vários negócios. Parece bom? Realmente é.

Quais atividades escolher?
Tudo bem, você entendeu que é preciso ter várias fontes de renda. Mas a internet nos permite trabalhar de infinitas maneiras diferentes, qual delas escolher?
Vou falar sobre as atividades que mais trouxeram resultados para mim, lembre-se que isso não é uma fórmula mágica. Foi o que deu certo para mim nos últimos anos.

Freelancer – você gosta de escrever artigos? Manda bem na criação de sites? Saber fazer ilustrações únicas? Então você está deixando dinheiro na mesa. O mercado de freelance cresce a cada ano no Brasil, são milhares de reais fluindo no mercado dos serviços online.
Para mim foi uma ótima forma de trabalho, quando o blog era apenas uma ideia na minha mente. A verdade é que você não consegue realizar vários serviços ao mesmo (talvez 3 no máximo) por isso seus ganhos são limitados, mas é uma ótima fonte de renda.
Depois que pega a prática os ganhos podem aumentar, meus ganhos eram de R$ 300,00 a R$ 500,00 por mês dependendo dos serviços. O grande segredo é conquistar a confiança dos clientes, normalmente eles precisam de freelances regularmente, se você for bem eles vão te contratar sempre.
Testei várias plataformas, mas a melhor para mim foi a workana que tem novos projetos todos os dias. Ótima fonte de renda para quem tem um tempo extra.
Consultor – para realizar consultorias é preciso duas coisas fundamentais:
1. Ter muita experiência na área
2. Saber promover seus serviços
Sem isso é praticamente impossível.
As consultorias podem ser feitas presencialmente ou via Skype, quando você pegar a prática pode juntar os dois estilos juntos. Prestei consultoria de facebook marketing para algumas empresas do bairro, foi bastante lucrativo – para mim e para as lojas.
Meu trabalho na maioria das vezes foi trazer os fãs do facebook para a loja física. Não é muito complicado, mas como falei antes: é necessário ter muita experiência para não prejudicar a loja (e perder credibilidade).
Produtor digital – foi uma das atividades mais simples que encontrei até hoje. Você cria um produto digital, anuncia para o público-alvo e vende mais que água no deserto. Chega a ser absurdo o retorno sobre investimento (ROI), tem produtos que chegam a 2.000% quando são bem produzidos (isso significa fazer uma pesquisa com o público para descobrir o que eles querem). Não adianta vender algo que as pessoas não querem, nem precisam.
Afiliado – ser afiliado é parecido com o trabalho do produtor digital (apenas parecido). A vantagem é que você não precisa fazer a pesquisa de mercado nem criar o produto, só precisa promover e vender da maneira correta.
Dentro do mercado de afiliados você pode criar infinitas fontes de renda com blogs de nicho. Você pode falar sobre emagrecimento, beleza, relacionamentos, ganhar dinheiro e vários outros assuntos. Pode também criar um blog para cada assunto, são várias possibilidades.

Jeová Junior

Título: A arte de trabalhar na internet

Autor: Jeová Junior (todos os textos)

Visitas: 0

0 

Comentários - A arte de trabalhar na internet

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios