Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > Lute contra a “Internetofobia”!

Lute contra a “Internetofobia”!

Categoria: Internet
Visitas: 8
Comentários: 1
Lute contra a “Internetofobia”!

A Internet, meio de acesso a dados, novas formas de trabalho fora do ambiente de escritório, aplicações, e-mails, troca de ideias, colaboração, correio, e tudo o que se queira, implantou-se tão profundamente no espírito e nas rotinas diárias, que muita gente acredita que já não sobreviveria sem ela. É capaz de ser um bocadinho de exagero, dado que a espécie humana subsistiu milhões de anos na escuridão cibernáutica…

Ainda assim, no pouco tempo de existência da Internet, houve quem se aprumasse tanto na arte de aí navegar que se formaram autênticos “ministros da Web”.

Paradoxalmente, outros, mais velhos, mais conservadores, ou, simplesmente, avessos ou indiferentes às novas tecnologias, que preferem mover-se em mundos que dominam e pautar-se por horizontes demarcados unicamente pelo seu saber e experiência, integram o rol do que os jovens e entendidos denominam de “embaixadores da ignorância”. De facto, nos tempos que correm, quem se apartar do computador e da Internet é praticamente considerado um extra-terrestre, ou melhor, um “extra-internestre”, passível de menção honrosa em alguma lista de raridades ou de um minucioso estudo científico, no sentido de se aferir tão estranha natureza. Até as crianças parecem nascer com predisposição para botões.

Paralelamente, esta tendência é coadjuvada pelo estímulo que a própria escola produz no que concerne a modos de interacção no processo educativo, à ampliação da acção de comunicação entre alunos e professores e ao intercâmbio educacional e cultural. Efectivamente, quebram-se barreiras e fronteiras, e a sala de aula deixa de estar confinada às quatro paredes habituais. Provavelmente assim torna-se mais difícil a agressão dos miúdos aos educadores. Também a violência no meio escolar passaria a ser virtual…

Com tanta virtualidade, qualquer dia nem se sabe o que é que é realmente real (valha a redundância)! Nessa altura, sempre se pode recorrer aos analfabetos tecnológicos e serão eles a delimitar as perspectivas do realismo. A vida é mesmo cíclica... Talvez por uma questão de solidariedade para com a Terra, que é redonda. Independentemente, a Internet está a construir um mundo dentro do próprio mundo, onde nem todos têm lugar cativo. A interactividade, a promoção de novos e constantes conhecimentos e o dinamismo proporcionados pela Internet podem, de facto, burlar as distâncias territoriais e materiais, mas não é justo, e nem sequer lícito, pôr de parte, os que, por impossibilidade ou opção, não comunguem deste acesso. A “Internetofobia” vai contra todas as regras de ética da “sociedade cibernauta”…



Maria Bijóias

Título: Lute contra a “Internetofobia”!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 8

609 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    27-10-2014 às 15:37:02

    Tens razão! É preciso lutar contra a internetofobia e viver num caminho mais equilibrado e real.

    ¬ Responder

Comentários - Lute contra a “Internetofobia”!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios