Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Internet > Lute contra a “Internetofobia”!

Lute contra a “Internetofobia”!

Categoria: Internet
Visitas: 8
Comentários: 1
Lute contra a “Internetofobia”!

A Internet, meio de acesso a dados, novas formas de trabalho fora do ambiente de escritório, aplicações, e-mails, troca de ideias, colaboração, correio, e tudo o que se queira, implantou-se tão profundamente no espírito e nas rotinas diárias, que muita gente acredita que já não sobreviveria sem ela. É capaz de ser um bocadinho de exagero, dado que a espécie humana subsistiu milhões de anos na escuridão cibernáutica…

Ainda assim, no pouco tempo de existência da Internet, houve quem se aprumasse tanto na arte de aí navegar que se formaram autênticos “ministros da Web”.

Paradoxalmente, outros, mais velhos, mais conservadores, ou, simplesmente, avessos ou indiferentes às novas tecnologias, que preferem mover-se em mundos que dominam e pautar-se por horizontes demarcados unicamente pelo seu saber e experiência, integram o rol do que os jovens e entendidos denominam de “embaixadores da ignorância”. De facto, nos tempos que correm, quem se apartar do computador e da Internet é praticamente considerado um extra-terrestre, ou melhor, um “extra-internestre”, passível de menção honrosa em alguma lista de raridades ou de um minucioso estudo científico, no sentido de se aferir tão estranha natureza. Até as crianças parecem nascer com predisposição para botões.

Paralelamente, esta tendência é coadjuvada pelo estímulo que a própria escola produz no que concerne a modos de interacção no processo educativo, à ampliação da acção de comunicação entre alunos e professores e ao intercâmbio educacional e cultural. Efectivamente, quebram-se barreiras e fronteiras, e a sala de aula deixa de estar confinada às quatro paredes habituais. Provavelmente assim torna-se mais difícil a agressão dos miúdos aos educadores. Também a violência no meio escolar passaria a ser virtual…

Com tanta virtualidade, qualquer dia nem se sabe o que é que é realmente real (valha a redundância)! Nessa altura, sempre se pode recorrer aos analfabetos tecnológicos e serão eles a delimitar as perspectivas do realismo. A vida é mesmo cíclica... Talvez por uma questão de solidariedade para com a Terra, que é redonda. Independentemente, a Internet está a construir um mundo dentro do próprio mundo, onde nem todos têm lugar cativo. A interactividade, a promoção de novos e constantes conhecimentos e o dinamismo proporcionados pela Internet podem, de facto, burlar as distâncias territoriais e materiais, mas não é justo, e nem sequer lícito, pôr de parte, os que, por impossibilidade ou opção, não comunguem deste acesso. A “Internetofobia” vai contra todas as regras de ética da “sociedade cibernauta”…



Maria Bijóias

Título: Lute contra a “Internetofobia”!

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 8

609 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    27-10-2014 às 15:37:02

    Tens razão! É preciso lutar contra a internetofobia e viver num caminho mais equilibrado e real.

    ¬ Responder

Comentários - Lute contra a “Internetofobia”!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios