Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > A Arte Italiana Do Século XVI

A Arte Italiana Do Século XVI

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 6
A Arte Italiana Do Século XVI

Tondo Doni, de Miguel Ângelo Buonarroti, 1504-05, é uma pintura circular, possivelmente, para devoção privada. Vemos, aqui, o casamento de Agnolo e Maddalena Doni. A Virgem está sentada no chão e vira-se para agarrar o Menino Jesus das mãos de José, atrás dela. Ao fundo está São João Batista e uma série de figuras nuas, simbolizando, porventura, a humanidade.

Madonna das harpias, de Andrea del Sarto, 1517, é uma descrição de Nossa Senhora, que o pintor deu um toque especial, representando a sua mulher Lucrécia. Nossa Senhora está em cima de uma base, imitando uma estátua viva. Tem o filho no colo e dois anjos agarram as suas pernas. Na base está inscrito o ano de realização da obra e, em relevo alto, estão dois seres singulares.
Madonna do pintassilgo, de Raffaello Sanzio, 1506, é uma obra que mostra Nossa Senhora, sentada numa rocha, como o eixo principal. Esta sai da sua leitura para ver a cena ternurenta entre os dois meninos e o pintassilgo, um símbolo da Paixão. Segundo a lenda, um pintassilgo tirou os espinhos da coroa de Cristo, sujando-se de sangue. Esta mancha vermelha prevaleceu no pintassilgo para sempre.

Leão X com os Cardeais Giulio de’ Medici e Luigi de’ Rossi, de Raffaello Sanzio, 1518-19, é um quadro que retrata o Papa Leão X, filho de Lourenço Magnifico, que fez uma carreira eclesiástica exemplar, mesmo tendo sido um caminho obrigado a perseguir. Leão X está com dois Cardeais: Giulio de’ Medici e Luigi de’ Rossi. O pontífice encontra-se a ler um código com uma lente de aumento, um pequeno elemento na pintura que nos remete para o gosto do Papa pelas artes. É uma composição rica no jogo dos vermelhos.

Vénus de Urbino, de Tiziano Vecellio, 1538, mostra uma figura completamente nua, a olhar para o observador. Estamos perante uma cortesã a personificar uma deusa. Ao fundo conseguimos ver duas criadas remexendo um baú. Esta obra foi encomendada pelo duque de Urbino Guidobaldo della Rovere.

Flora, de Tiziano Vecellio, 1515, é uma obra a meio-corpo da deusa da primavera, a Flora. É uma composição repleta de erotismo presente no cabelo dourado que cai sobre os ombros e no peito desnudo.


Daniela Vicente

Título: A Arte Italiana Do Século XVI

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 6

633 

Comentários - A Arte Italiana Do Século XVI

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios