Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Arte > A Arte Italiana Do Século XVI

A Arte Italiana Do Século XVI

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Arte
Visitas: 6
A Arte Italiana Do Século XVI

Tondo Doni, de Miguel Ângelo Buonarroti, 1504-05, é uma pintura circular, possivelmente, para devoção privada. Vemos, aqui, o casamento de Agnolo e Maddalena Doni. A Virgem está sentada no chão e vira-se para agarrar o Menino Jesus das mãos de José, atrás dela. Ao fundo está São João Batista e uma série de figuras nuas, simbolizando, porventura, a humanidade.

Madonna das harpias, de Andrea del Sarto, 1517, é uma descrição de Nossa Senhora, que o pintor deu um toque especial, representando a sua mulher Lucrécia. Nossa Senhora está em cima de uma base, imitando uma estátua viva. Tem o filho no colo e dois anjos agarram as suas pernas. Na base está inscrito o ano de realização da obra e, em relevo alto, estão dois seres singulares.
Madonna do pintassilgo, de Raffaello Sanzio, 1506, é uma obra que mostra Nossa Senhora, sentada numa rocha, como o eixo principal. Esta sai da sua leitura para ver a cena ternurenta entre os dois meninos e o pintassilgo, um símbolo da Paixão. Segundo a lenda, um pintassilgo tirou os espinhos da coroa de Cristo, sujando-se de sangue. Esta mancha vermelha prevaleceu no pintassilgo para sempre.

Leão X com os Cardeais Giulio de’ Medici e Luigi de’ Rossi, de Raffaello Sanzio, 1518-19, é um quadro que retrata o Papa Leão X, filho de Lourenço Magnifico, que fez uma carreira eclesiástica exemplar, mesmo tendo sido um caminho obrigado a perseguir. Leão X está com dois Cardeais: Giulio de’ Medici e Luigi de’ Rossi. O pontífice encontra-se a ler um código com uma lente de aumento, um pequeno elemento na pintura que nos remete para o gosto do Papa pelas artes. É uma composição rica no jogo dos vermelhos.

Vénus de Urbino, de Tiziano Vecellio, 1538, mostra uma figura completamente nua, a olhar para o observador. Estamos perante uma cortesã a personificar uma deusa. Ao fundo conseguimos ver duas criadas remexendo um baú. Esta obra foi encomendada pelo duque de Urbino Guidobaldo della Rovere.

Flora, de Tiziano Vecellio, 1515, é uma obra a meio-corpo da deusa da primavera, a Flora. É uma composição repleta de erotismo presente no cabelo dourado que cai sobre os ombros e no peito desnudo.


Daniela Vicente

Título: A Arte Italiana Do Século XVI

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 6

633 

Comentários - A Arte Italiana Do Século XVI

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios