Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Serviços > Serviço Social – Uso e/ou Abuso

Serviço Social – Uso e/ou Abuso

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Serviços
Visitas: 2
Comentários: 1
Serviço Social – Uso e/ou Abuso

Na intervenção psicossocial, tudo começa com uma primeira entrevista em que uma pessoa aparece com uma situação que a aflige e impede a sua vida de prosseguir de uma forma habitual e normalmente coordenada. Esta primeira entrevista tem como objetivo principal compreender perfeitamente a situação-problema que aflige o utente, bem como a situação de vida a que esta está inerente.

Quais serão os anseios do utente? Que poderá este esperar do profissional que está na sua frente? E do serviço em geral? Naturalmente a pessoa-cliente poderá esperar que o profissional o atenda em ambiente reservado, sem os olhos curiosos de terceiros, que o escute atentamente e procure compreender em profundidade o “seu problema”, que o informe de uma forma clara, com uma linguagem que possa entender, independentemente da sua origem, situação económica ou formação académica, que o oriente no desenvolvimento de um plano que venha a solucionar aquilo que o apoquenta, e que o apoie no acesso aos recursos informais, formais e societais, de tal forma que possa sentir-se capaz de alcançar a resolução da sua situação problema.

Nesta primeira fase dá-se uma exploração do problema para que se possa alcançar uma compreensão tão clara quanto possível, apesar da subjetividade que lhe está inerente em virtude da situação de vida em que está envolvido ser única para a pessoa que o apresenta, mas poder ser apreciado de formas muito diferentes se for vivenciado por outras pessoas e noutras circunstancias.

É de absoluta necessidade verificar com alguma calma os contornos pessoais e sociais de toda a situação, de forma a poder chegar a conclusões claras sobre o problema como também sobre a personalidade da pessoa que o apresenta; só assim será possível elaborar um plano de resolução.

Em primeiro lugar, a preocupação do técnico está voltada para a pessoa que se assume como utente, no entanto, esta não é um elemento único na família, na sociedade e no mundo, esta pessoa, está envolvida numa porção de relacionamentos, uns de natureza profissional, outros de natureza social e ainda outros de natureza familiar.

A maioria das situações-problema que levam uma pessoa comum a dirigir-se a um técnico de intervenção psicossocial estão imbuídas de problemas familiares, ou noutros casos envolvem as famílias das pessoas em causa.

O técnico procurará necessariamente intervir dentro das suas possibilidades, não perdendo de vista a situação colocada pelo utente em causa mas procurando vislumbrar se há dependentes em algum risco. Neste contexto, nem sempre os técnicos são apreciados, eles são a cara de um inimigo (o estado) a quem se recorre tantas vezes indevidamente no intuito de alcançar vantagens quando tantas vezes os reais problemas estão muito para além daquilo que é apresentado. Aqui cabe ao técnico ser perspicaz ao ponto de diferenciar entre as situações reais e as farsas, coisa que nem sempre é fácil, uma vez que vivemos num mundo de artistas que facilmente orientam planos para conseguir os seus objetivos.


Ana Sebastião

Título: Serviço Social – Uso e/ou Abuso

Autor: Ana Sebastião (todos os textos)

Visitas: 2

614 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    30-05-2014 às 00:52:53

    Verdade tudo que escreveste. Às vezes, o abuso é surreal, e nem sabe-se como agir na hora. Muito bom seu texto!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Serviço Social – Uso e/ou Abuso

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como fazer disfarces de Carnaval

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Vestuário
Como fazer disfarces de Carnaval\"Rua
O ano começa e depressa chega uma data muito ansiada principalmente pelos mais jovens: o desejado Carnaval!

Esta é uma data que os pequenos adoram e deliram com as fantasias. O problema maior é a despesa que os disfarces representam e no ano seguinte já não usarão o mesmo disfarce ou, no caso dos mais pequenos, já não lhes serve.
O melhor nesta data é mesmo reciclar e aprender a fazer disfarces caseiros utilizando truques mais económicos e materiais reciclados para preparar as fantasias dos pequenitos!

Uma sugestão para os meninos é o traje de pirata que pode facilmente ser criado a partir de peças que tenha em casa. Procure uma camisa de tamanho grande e, de preferência, de cor branca com folhos. Se não tiver uma camisa com estas características facilmente encontrará um modelo destes no guarda-vestidos de alguma familiar, talvez da avó.

Precisará de um colete preto. Na falta do colete pode utilizar um casaco preto que esteja curto, rasgue as mangas pelas costuras dos ombros. As calças devem ser velhas e pretas para poderem ser cortadas na zona das pernas para envelhecer a peça. Coloque um lenço preto ou vermelho na cabeça do menino e, de seguida, com um elástico preto e um pouco de velcro tape um dos olhos.

Para as meninas não faltam ideias originais para fazer disfarces bonitos e especiais para este dia. Uma ideia original é a fantasia de Flinstone. É muito fácil e prática de fazer e fica um disfarce muito bonito. Comece por arranjar um pedaço de tecido branco. Coloque o tecido em volta do corpo como uma toalha de banho e depois amarre num dos braços fazendo uma alça. Depois corte as pontas em ziguezague mantendo um lado mais comprido que o outro. Amarre o cabelo da menina todo no cimo da cabeça, como se estivesse a fazer um rabo-de-cavalo mas alteie-o mais. Com o auxílio de um pente frise o cabelo, pegando nas pontas e passando o pente em sentido contrário até que fique todo despenteado. Numa loja de disfarces compre um osso de plástico e prenda na fita da criança.

Pegue nos materiais, puxe pela imaginação e ponha mãos ao trabalho!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Como fazer disfarces de Carnaval

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    09-06-2014 às 04:01:21

    Não em carnaval, mas em bailes de fantasia, sempre usei o TNT. Eles são ótimos para trabalhar o corte, para costurar e deixa bem bonito!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios