Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Serviços > Lâmina de barbear

Lâmina de barbear

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Serviços
Visitas: 12
Comentários: 1
Lâmina de barbear

Os pelos do homem, crescem em média cerca de 25 ml, num período de 24 horas. Mas os fatores genéticos é que determinam o comprimento dos pelos, sendo também afetado pelas hormonas.

Fazer a barba em segurança é pois o que todo o homem quer para exibir uma barba bem feita e um rosto cuidado.

Para isso é necessário lâminas de barbear que cortem os pelos pela raiz e que não magoem o rosto e pescoço.

Jean Jacques Perret é considerado o inventor da primeira lâmina de barbear que não causava ferimentos no rosto, acidentalmente.

De fato, até aparecer a primeira lâmina descartável, a barba comum era feita com uma navalha. No entanto esta era capaz de cortar o pescoço e fácilmente usada para cometer um suicídio ou assassinato.

A antiga navalha de barbear, usada pelos barbeiros, consistia numa lâmina fixa a um cabo através de um pino. Este sistema permitia que a lâmina fosse fechada para dentro quando não era usada. Deste modo, era necessário uma mão bastante segura para a usar corretamente, senão corria-se o risco de ela cortar a pele do rosto, ou deixar ferida. Só os barbeiros eram devidamente treinados para a fazerem com segurança.

Ainda antes de aparecer a lâmina descartável surgiu a navalha coberta com uma manga de madeira em forma de L, para que só a ponta cortante fosse visível, ficando deste modo menos perigosa.

A lâmina descartável surgiu mais tarde porque o seu inventor King Camp Gillete, achava que afiar a navalha no couro era moroso e um desperdício de tempo. Assim, resolveu fazer uma mais adaptada ao rosto do homem, e que assentava num cabo de aço.

Esta foi uma ideia brilhante, e começaram a ser feitas de aço de carbono ultrafino , a chamada gilette, que podiam ser usadas cerca de 20 vezes.

Foi assim que as navalhas entraram em desuso, em virtude do sucesso da Gilette, que começou a ser vendida em 1904.

Esta era uma lâmina segura, protegida e, em conjunto com um suporte, fixava a lâmina.

Estas, tornaram-se logo populares e dominaram o mercado desde eesa data. Mais tarde surgui ainda a de plástico totalmente descartável ou as de cabeça descartável com duas ou mais lâminas.

Finalmente surgiu a máquina de barbear elétrica, com Jacob Schik, que desenvolveu motores elétricos mais pequenos e potentes nos finais dos anos 30, sendo agora um mercado em grande expansão.

Os componentes da lâmina mais seguros e descartáveis permitem, sem dúvida fazer uma barba segura e perfeita.


Pedro gil Ferreira

Título: Lâmina de barbear

Autor: Pedro gil Ferreira (todos os textos)

Visitas: 12

792 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    30-05-2014 às 00:54:14

    A lâmina de barbear é muito bom e super útil em muitas ocasiões. Atualmente, existem muitos modelos bonitos e resistentes,uns até automáticos.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Lâmina de barbear

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Superstições Náuticas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Barcos
Superstições Náuticas\"Rua
Todos temos as nossas manias e superstições. Não que se trate de comportamentos compulsivos, mas a realidade é que mesmo para quem diz que não liga nenhuma a estas coisas, as superstições acompanham-nos.

Passar por baixo de uma escada, deixar a tesoura, uma porta de um armário ou uma gaveta aberta ou até deixar os sapatos em posição oposta ao correcto, são das superstições mais comuns. As Sextas-feiras 13 também criam alguma confusão a muita gente, mas muitos são os que já festejam e brincam com a data.

Somos assim mesmo, supersticiosos, uns mais do que outros, mas é uma essência que carregamos, mesmo que de forma inconsciente.

Existem no entanto profissões que carregam mitos mais assustadores do que outros, e por exemplos muitos actores não entram em palco sem mandar um “miminho” uns aos outros.

Caso de superstição de marinheiro é dos mais sérios e se julga que se trata só de casos vistos em filmes de piratas, desengane-se. Os marinheiros dos dias de hoje carregam superstições tão carregadas de emoção quanto os de outros tempos.

Umas mais caricatas do que outras, as superstições contam histórias e truques. Por exemplo, contra tempestades, muitos marinheiros colam uma moeda no mastro dos navios.

Tal como fazem os actores, desejar boa sorte a um marinheiro antes de embarcar, também não é boa ideia. Os miminhos dados antes de entrar em palco também servem para o efeito.

Dar um novo nome a um barco é uma péssima ideia para um marinheiro. Dizem que muitos há que não navegam em barcos rebaptizados.

Lembra-se que os piratas de outros tempos utilizavam brincos? Pois isto faz parte de uma superstição. Dizem que os brincos evitam que se afoguem.

Entrar com um pé direito na embarcação é sinal de bons ventos. Tal como acontece com muitos de nós, os marinheiros também não gostam de entrar de pé esquerdo.

Já desde remotos tempos se dia que assobiar traz tempestades. Ora aqui está um mote dos marinheiros, pelo que se assobiar numa embarcação, arrisca-se a ter chatices com o marinheiro.

Verdades ou mentiras, as superstições existem e se manter os seus próprios mitos acalma um marinheiro, então que assim seja. Venham as superstições náuticas que cá estamos para as ouvir.

Já agora uma curiosidade ainda maior. Dizem que se tocar a gola de um marinheiro passará a ter sorte. Será verdade ou foi um marinheiro que inventou?

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:Superstições Náuticas

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    17-06-2014 às 06:39:27

    Não acredito em superstições de forma alguma.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios