Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Serviços > Chega, chega a minha agulha

Chega, chega a minha agulha

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Serviços
Comentários: 2
Chega, chega a minha agulha

Se há uns anos uma rapariga prendada nas lidas da costura e dos bordados, hoje em dia é coisa rara na geração mais nova.

Ou porque não têm paciência, ou porque não têm tempo, porque não se ensina na internet, ou porque é antiquado, a geração mais recente que acabou de sair de casa dos pais, não sabe pegar numa agulha e coser um botão. Claro que muitas são as raparigas (e rapazes) que o conseguem fazer, mas regra geral, coser um botão é uma aventura e fazer uma bainha é um caso perdido.

Se para uns é a falta de jeito, para outros é a falta de tempo. Fazer uma bainha nem é difícil e até se ajeitam a apertar umas calças, mas é o trabalho, os filhos e ao final da noite, a cama é a melhor companhia.

Levar a camisa ou as calças para a mãe apertar em casa também pode ser uma boa solução, mas também os nossos pais trabalham e a falta de tempo bate á porta de todos.

Para grandes males, grandes remédios.

Os serviços de corte e cose veio salvar muitas famílias e muitos guarda roupas. Normalmente em pequenas lojinhas de rua ou até em espaços comerciais, estes serviços ajudam nos pequenos ajustes do recheio do roupeiro em tempo recorde e a custos para todas as carteiras.

Quem presta estes serviços são normalmente antigas costureiras que pelo passar do tempo tiveram de se adaptar às alterações de mercado. Se antigamente era prestigiante fazer uma roupa por encomenda á costureira, esse hábito, apesar de ser uma pena, acabou por cair em desuso.

Quem tem umas mãos de fada, encontra sempre o que fazer e foi o que fizeram estas costureirinhas de alto calibre.

Algumas destas lojas acrescem aos seus serviços, o de engomadoría.

Engomam á peça, o que facilita quem passa e quem paga para que passem. As calças têm um custo, as camisas, outros e se em alguma das situações a obrigatoriedade de apresentar vincos perfeitos é a palavra de ordem, o custo elevar-se-á mais um bocadinho.

Em algumas situações, também se acresce o serviço de recolha das roupas e a entrega, normalmente uma vez por semana, não seja a necessidade maior que isso.

Para quem não quer, não gosta, não tem tempo, este serviço é extraordinário e vale a pena se bem executado. Relaxe se não tiver tempo. Telefone e solicite estes novos serviços que só lá estão para permitir que gaste o seu tempo a fazer outras coisas bem mais interessantes que a obrigatoriedade da lida da casa.


Carla Horta

Título: Chega, chega a minha agulha

Autor: Carla Horta (todos os textos)

Visitas: 0

623 

Imagem por: Nanda*

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • SophiaSophia

    30-05-2014 às 00:41:14

    Realmente, um serviço como esse é ótimo! Ainda mais, para quem não sabe nada de costura, para quem deseja que outros façam isso.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSofia Nunes

    13-09-2012 às 15:40:37

    Tenho pena de não ter grande habilidade para costura, uma vez que tenho um sentido de estilo muito apurado que me faz pensar em mil e uma ideias que poderia concretizar se tivesse algum jeito. Ainda assim, muitas são as vezes que personalizo roupa, de acordo com as tendências das estações (por exemplo, renda no verão de 2012 e tachas no outono). Por vezes corre bem, outras não, mas com a prática também se aprende.

    ¬ Responder

Comentários - Chega, chega a minha agulha

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Imagem por: Nanda*

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios