Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > DVD Filmes > Santa Cláusula (1994)

Santa Cláusula (1994)

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: DVD Filmes
Santa Cláusula (1994)

Hoje vou-vos falar de um fime de Natal. Este filme, que é quase tão velho como eu, é mágico e sempre que o vejo, sejam quantas vezes forem, a minha imaginação transporta-se e fico apaixonada por aquele mundo mágico em que Scott Calvin vive na época de Natal

Elenco
Este filme tem como personagem principal o fantástico Tim Allen (Scott Calvin). A sua ex-mulher Laura Miller é representada pela atriz Wendy Crewson; o marido de Laura, Dr. Neil Miller é Judge Reinhold e o pequeno Charlie foi protagonizado por Eric Lloyd.
Mais à frente encontramos David Krumholtz como Bernard, o chefe dos elfos, Paige Tamada como Judy, uma pequena e doce elfo que traz bebidas quentes ao Pai Natal e Kerrigan Mahan e Frank Welker como as renas.

Podemos também encontrar:
*Peter Boyle como Sr. Whittle
*Larry Brandenburg como Detetive Nunzio
*Mary Gros como Srta. Daniels
*Rebecca Oatt como Ela Mesma

Produção e distribuição
O filme “Santa Cláusula” foi produzido no estúdio Outlaw Productions e distribuido pela Walt Disney e Hollywood Pictures. Saíu no dia 11 de novembro de 1994, nos Estados Unidos da América.

Sinopse
Scott Calvin (Tim Allen) é um industrial bem sucedido no ramo dos brinquedos. Tudo parece perfeito na sua vida, exceto um pormenor: a sua ex-mulher Laura (Wendy Crewson), com quem passa a vida a discutir, e o filho comum de ambos, Charlie (Eric Lloyd), um pequenino de seis anos, que luta com a dúvida de dever ou não acreditar no Pai Natal. Scott fica com Charlie na véspera de Natal, apesar da falta de vontade do menino, que preferia ficar com a mãe e com o padrasto, Neil (Judge Reinhold), um psiquiatra que criou uma excelente relação com o rapazinho.

No entanto, nessa noite, Charlie ouve um barulho no telhado e acorda o pai, que ao verificar o que se passa, assusta um homem gordinho e barbudo, que estava no telhado com um fantástico casaco vermelho, fazendo-o cair. Esse homem é nada mais, nada menos, que o Pai Natal! Ao procurar uma identificação do homem caído, Scott encontra, com grande espanto, um cartão que o identifica como o Pai Natal e, no verso, adverte que, em caso de lhe acontecer algo, a pessoa que encontrasse o cartão devia vestir o seu fato, acrescentando no fim “A rena saberá o que fazer”.

Frase relevante: “Seeing is not believing. Believing is seeing.” – dita pela elfo Judy a Scott Calvin, quando ele diz que, apesar de ver tudo aquilo à sua volta, não consegue acreditar.

Espero que tenham gostado do resumo desta história fabulosa. Recomendo a todos vós que vejam este filme intemporal!


Patrícia Carvalho

Título: Santa Cláusula (1994)

Autor: Patrícia Carvalho (todos os textos)

Visitas: 0

604 

Comentários - Santa Cláusula (1994)

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios