Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Homossexualidade - qual o erro?

Homossexualidade - qual o erro?

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 4
Comentários: 4
Homossexualidade - qual o erro?

O assunto da homossexualidade é um tema sensível e, por vezes, de difícil discussão. Por todo o lado ouvimos opiniões divergentes, algumas com fundamentos aprováveis, outras sem fundamentação alguma.

No entanto, para discutirmos este assunto com alguma racionalidade, vamos de volta às origens.

Na Antiguidade, impérios como o Grego e o Romano viam a homossexualidade como uma coisa banal. Eram comuns os bacanais (festividades em honra de Baco), que muitas vezes degeneravam em eventos homossexuais. Também as saunas e as piscinas eram convidativas para certas práticas como essa.
Posteriormente, com a aceitação geral da igreja Católica, a homossexualidade foi reprimida e fortemente reprovada.

PORQUE NÃO É ACEITE A HOMOSSEXUALIDADE?

A não aceitação da homossexualidade tem princípios históricos e religiosos, fundamentalmente. A igreja Católica, por exemplo, critica a homossexualidade, rotulando-a como portadora de princípios contrários à família. No entanto, podemos afirmar que um casal homossexual não pode construír uma família?

A resposta é “não”. A única separação entre os homossexuais e os heterossexuais é a questão reprodutiva. No entanto, isso levaria a um extremo no qual os casais inférteis deviam ser condenados também pela igreja Católica, pois não podem ter filhos. Seria isso justo? Um casal homossexual constitui família a partir do momento em que se junta numa casa, maritalmente. Embora não possam ter filhos, têm pais, sogros, irmãos, cunhados… Não será isso uma família?

Temos também outro ponto para a não aceitação da homossexualidade: o fantasma da SIDA.

A SIDA foi inicialmente tida como uma doença transmitida apenas pelos homossexuais masculinos. Não era considerada ameaçadora para os casais heterossexuais. Esta doença sempre se encontrou ligada a sub-mundos como a droga, a homossexualidade, a prostituição, entre outras, tendo conquistado uma repulsa geral. Os homossexuais foram então vistos como seres “sujos”, passíveis de transmitir doenças. No entanto, hoje temos a informação que necessitamos relativamente à SIDA, informação essa que é suficiente para saber que os homossexuais não são fontes de SIDA, sendo que a maioria não se encontra sequer infetado pelo virus.

QUAL A DIFERENÇA ENTRE OS HOMOSSEXUAIS E OS HETEROSSEXUAIS?

A maior diferença entre os homossexuais e os heterossexuais é o sistema reprodutor e a capacidade de terem filhos biológicos. De resto, ambos têm sentimentos, afinidades, paixões… Todos eles sentem e todos eles sabem o que mais lhes agrada e lhes convem. Será a diferença assim tanta?

A HOMOSSEXUALIDADE É UMA DOENÇA?

Não. A homossexualidade foi, em tempos, categorizada como doença psíquica. No entanto, está provado que não o é. No entanto, pode resultar de disturbios hormonais, podendo ser considerada uma pequena modificação no comportamento funcional do corpo, mas nunca uma doença.

QUE DEVO FAZER ACERCA DOS HOMOSSEXUAIS?

Todos nós somos diferentes uns dos outros. A principal regra de vida em comunidade é a aceitação mútua. Devemos sempre lembrar-nos que antes das opções sexuais, religiosas, da cor, da nacionalidade, da literacia, do aspecto, somos todos humanos. Com a informação fornecida neste texto, cada um deve tomar a sua decisão em consciência.

Espero que se sintam mais esclarecidos acerca da homossexualidade. Tentem sempre olhar para cada pessoa como um ser Humano individual, pois todos nós somos passíveis de críticas infundadas.


Patrícia Carvalho

Título: Homossexualidade - qual o erro?

Autor: Patrícia Carvalho (todos os textos)

Visitas: 4

637 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 4 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoWallace Randal

    13-09-2012 às 14:03:36

    Não há nada de bizarro, estranho ou ruim em ser gay, lésbica, transgênero, etc. Só há a diferença. E é a diferença que nos torna iguais e que nos torna únicos. Saber como lidar com as diferenças é o que define o caráter. Sou especialmente preocupado com os (as) trans, pois são os que mais sofrem por conta do preconceito lgbt. Espero que nossa geração caminhe um pouco mais para um mundo mais humano.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaulo

    28-06-2012 às 10:26:45

    O problema de muitas pessoas hoje em dia é o de quererem programar a vida de todas as outras de maneira a serem todos iguais para assim não serem inferiores a ninguém.. Mas já chega, cada um tem que ser como se sente feliz e concretizado...
    A vida não é nem poderá nunca ser comandada por, politica, religião, pessoas alheias..
    As escolhas da vida só a ela própria dizem respeito..

    ¬ Responder
  • Patrícia CarvalhoPatrícia Carvalho

    19-07-2012 às 17:12:20

    Sábias palavras, é verdade :)

    ¬ Responder
  • MiaumiaumiauSara Priscila

    01-07-2012 às 13:33:38

    Concordo com tudo ;) Ninguém deve fugir ao que é só porque a sociedade assim o diz

    ¬ Responder

Comentários - Homossexualidade - qual o erro?

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios