Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > Doença de Alzheimer – proteja o cérebro

Doença de Alzheimer – proteja o cérebro

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 2
Doença de Alzheimer – proteja o cérebro

A terrível deterioração mental provocada por esta doença é, infelizmente, familiar a muitas pessoas. Ela chega silenciosamente provocando pequenos lapsos de memória e pode chegar a um estado em que a pessoa é incapaz de reconhecer os rostos das pessoas mais próximas de si. É, sem dúvida, um final de vida crudelíssimo.

No entanto, é possível, segundo alguns cientistas, evitar esta doença. Existem alguns procedimentos práticos descobertos recentemente que parecem reduzir o risco de padecer desta doença.

Se o órgão atacado é o cérebro, então é preciso protegê-lo. É necessário prevenir os acidentes vasculares de menor importância. Os acidentes vasculares cerebrais aumentam o risco de vir a sofrer de Alzheimer. Esta referência não compreende os acidentes vasculares mais graves que causam paralisias ou problemas de fala, mas sim aqueles mais silenciosos que podem acontecer sem que nos apercebamos. Evitar estes acidentes está ao nosso alcance.
Em primeiro lugar, consuma alimentos pobres em gordura e faça exercício físico com regularidade. A toma de aspirina infantil ajuda a manter a fluidez na circulação sanguínea. Antes de optar por tomá-la consulte o seu médico, isto porque a aspirina pode provocar a irritação do estômago ou mesmo agravar uma úlcera existente.

Mantenha a sua tensão arterial controlada. Controle também o seu peso, faça exercícios de aeróbica e esteja bem ciente da quantidade de medicação que toma para a tensão arterial alta.

Reduza o consumo de gorduras, pois alguns estudo relacionam-nas com casos de doença de Alzheimer. Opte por frango e peixe, especialmente os mais ricos em ómega-3, que protege as células nervosas do cérebro.

Não deixe que o ritmo e o ‘stress’ o afetem. Procure trazer a calma e a serenidade aos seus hábitos diários. Leia, medite, ore. São atividades que ajudam a relaxar e, ao mesmo tempo, exercitam o seu cérebro. Não deixe de aprender coisas novas. Seja curioso e estimule a sua mente. E… respire profundamente! O controlo da respiração e a sua prática correta melhora a sua capacidade de atenção e concentração. Ao mesmo tempo, oxigena o sangue e melhora a sua atividade cerebral. Aquando dos exercícios aeróbicos, faça-os lentamente e sem esforçar o seu corpo. Acompanhe a flexibilização do seu corpo com a respiração, em momentos de inspiração e expiração mais prolongados.


Rua Direita

Título: Doença de Alzheimer – proteja o cérebro

Autor: Rua Direita (todos os textos)

Visitas: 2

618 

Comentários - Doença de Alzheimer – proteja o cérebro

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios