Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > De à vida dentro de água

De à vida dentro de água

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Saúde
Visitas: 2
De à vida dentro de água

O parto dentro de água tem obtido cada vez mais adeptos. Sendo uma prática constante nalgumas culturas, esteve relegada para segundo plano noutras sociedades, em nome da segurança, associada aos instrumentos hospitalares. Hoje, e graças aos variados benefícios físico-emocionais, esta prática retoma a sua visiblidade e a prová-lo estão os factos de estar disponível nalgumas unidades de saúde pública (e privada) sob requisição dos pais e da sua prática caseira estar a aumentar.

Os cerca de 37ºC da água potável, normalmente contida numa banheira ou piscina insuflável, proporcionam um relaxamento dos músculos, potenciado aquando da movimentação da água. Esta última pode ser provocada voluntariamente pelo futuro pai ou pela própria mãe, ao movimentar-se de modo a encontrar a posição que lhe é mais confortável. O procedimento permite aumentar a elasticidade muscular que reduz (ou evita) os danos a nível vaginal, aquando do parto.

Esta liberdade de movimentos e de participação conjunta do casal na receção do novo ser contribuem para um sentimento de conforto e de segurança, promovendo um bem-estar partilhado, que fortalece os laços afetivos entre ambos e em relação filho, transformando-os em nós. O casal tem uma partilha ativa de todo o acontecimento. Esta vivência justifica, na opinião de alguns estudiosos, o registo de um baixo índice de ocorrência do fenómeno de depressão pós-parto.

Como pescadinha de rabo na boca, o bem-estar eleva a quantidade de endorfinas no organismo, cujo efeito analgésico permite aumentar o nível de suporte da dor e diminuir o stress. A redução dos níveis de ansiedade de quem esperou 37 semanas por conhecer a sua maior realização implica um menor gasto de oxigénio. Assim, mais ar recebe o bébé, que tanto dele necessita para ganhar mais energia, para concretizar o seu nascimento.

A ativação da circulação sanguínea e a redução do stress também têm outra vantagem: o aumento da produção da ocitocina uterina (mais eficaz do que a fornecida a nível hospitalar). Esta substância acelera o parto, na medida em que estimula as contrações uterinas. Por outro lado, prepara a parturiente para a fase seguinte – a da alimentação –, preparando os mamilos e o peito para a lactação.

De notar que para a realização deste tipo de parto é aconselhável uma assistência por parte de (pelo menos) um médico e um enfermeiro obstetras, devidamente equipados para intervir em caso de necessidade.


Carla Santos

Título: De à vida dentro de água

Autor: Carla Santos (todos os textos)

Visitas: 2

619 

Imagem por: Jon Ovington

Comentários - De à vida dentro de água

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Fine and Mellow

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Música
Fine and Mellow\"Rua
"O amor é como uma torneira
Que você abre e fecha
Às vezes quando você pensa que ela está aberta, querido
Ela se fechou e se foi"
(Fine and Melow by Billie Holiday)

Ao assistir a Bio de Billie Holiday, ocorreu-me a questão Bluesingers x feminismo, pois quem ouve Blues, especialmente as mais antigas, as damas dos anos 10, 20, 30, 40, 50, há de pensar que eram mulheres submissas ao machismo e maldade de seus homens. Mas, as cantoras de Blues, eram mulheres extremamente independentes; embora cantassem seus problemas, elas não eram submissas a ponto de serem ultrajadas, espancadas... Eram submissas, sim, ao amor, ao bom trato... Essas mulheres, durante muito tempo, tiveram de se virar sozinhas e sempre que era necessário, ficavam sós ou mudavam de parceiros ou assumiam sua bissexualidade ou homossexualidade efetiva. Estas senhoras, muitas trabalharam como prostitutas, eram viciadas em drogas ou viviam boa parte entregues ao álcool, merecem todo nosso respeito. Além de serem precursoras do feminismo, pois romperam barreiras em tempos bem difíceis, amargavam sua solidão motivadas pelo preconceito em relação a cor de sua pele, como aconteceu a Lady Day quê, quando tocava com Artie Shaw, teve que esperar muitas vezes dentro do ônibus, enquanto uma cantora branca cantava os arranjos que haviam sido feitos especialmente para ela, Bilie Holiday. Foram humilhadas, mas, nunca servis; lutaram com garra e competência, eram mulheres de fibra e cheias de muito amor. Ouvir Billie cantar Strange Fruit, uma das primeiras canções de protestos, sem medo, apenas com dor na alma, é demais para quem tem sentimentos. O brilho nos olhos de Billie, fosse quando cantava sobre dor de amor ou sobre dor da dor, é insubstituível. Viva elas, nossas Divas do Blues, viva Billie Holiday, aquela que quando canta parte o coração da gente; linda, magnifica, incomparável, Lady Day.

O amor vai fazer você beber e cair
Vai fazer você ficar a noite toda se repetindo

O amor vai fazer você fazer coisas
Que você sabe que são erradas

Mas, se você me tratar bem, querido
Eu estarei em casa todos os dias

Mas, se você continuar a ser tão mau pra mim, querido
Eu sei que você vai acabar comigo

Pesquisar mais textos:

Sayonara Melo

Título:Fine and Mellow

Autor:Sayonara Melo(todos os textos)

Imagem por: Jon Ovington

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios