Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Saúde > As chamadas “manchas da pele”

As chamadas “manchas da pele”

Categoria: Saúde
Comentários: 1
As chamadas “manchas da pele”

As manchas da pele são um problema quase exclusivamente feminino e têm um fundo genético, quer isto dizer que existem algumas pessoas que têm uma maior tendência para padecer deste problema.

No meio médico e científico, as manchas são chamadas de melasma, porque têm origem na deposição excessiva, permanente e irregular de melanina na pele da pessoa. Sob o ponto de vista estético, os casos mais problemáticos acontecem quando essa deposição ocorre no rosto, originando manchas no rosto da pessoa.

A melanina é a substância responsável pela cor da pele, e é produzida pelos melanócitos, que são células que se encontram junto ao folículo piloso, na camada mais profunda da epiderme.

A principal função da melanina é proteger a pele dos raios solares, sendo que quanto mais melanina existe mais escura é a pele. Nos casos em que há uma maior exposição ao sol, a pele (no sentido de se proteger) produz mais melanina, e é por essa razão que as pessoas ficam bronzeadas. Por esta mesma razão os nórdicos (que têm menor exposição solar) apresentam uma pele mais clara.

Não existe cura para o melasma e este pode ocorrer em qualquer tipo de pele. Além disso, o melasma tem tendência a alastrar e a piorar com o tempo.

Apesar de não haver cura, o melasma pode ser controlado, nomeadamente através de tratamentos que actuam ao nível do processo de formação da melanina. Este tipo de tratamentos apenas pode ser aconselhado e executado por médicos experientes e profundos conhecedores deste tipo de situações.

Apesar de o melasma ter um fundo genético existem também outros factores que contribuem para o seu aparecimento, tais como: radiação ultravioleta (tanto natural como artificial), a poluição, os cosméticos de baixa qualidade, o tabaco, a acne, as depilações mal feitas e os traumatismos. Todos estes factores são considerados factores externos, sendo que existem ainda alguns factores internos, nomeadamente os contraceptivos (como a pílula), as doenças endócrinas, o envelhecimento, a gravidez, a amamentação e a flutuação hormonal mensal (normal das próprias mulheres).



Carlos Vieira

Título: As chamadas “manchas da pele”

Autor: Carlos Vieira (todos os textos)

Visitas: 0

779 

Imagem por: titlap

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • Raquel HelenaRaquel Helena

    22-02-2012 às 15:54:46

    Olá! Sou morena e tenho uma mancha de nascença café-com-leite na testa. É uma despigmentação na pele que atinge também meu olho direito (que é verde) e os cabelos (que onde a mancha passa nascem loiros). Gostaria de saber qual a probabilidade de meu filho ter a mesma mancha, já que meu marido é branco. Obrigada!

    ¬ Responder

Comentários - As chamadas “manchas da pele”

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A arte de trabalhar a madeira

Ler próximo texto...

Tema: Serviços Construção
A arte de trabalhar a madeira\"Rua
A carpintaria constitui, digamos assim, a arte de trabalhar a madeira. É claro que, de acordo com o produto final, se percebe bem que uns carpinteiros são mais artistas do que outros…

Às vezes nem se trata tanto dos pormenores, mas mesmo de desvirtuar o que era a ideia inicial e constava da encomenda. Mal comparado, quase se assemelha à situação daquela aspirante a costureira que pretendia fazer uma camisola para o marido e, no fim, saíram umas calças!

Na construção civil, a madeira é utilizada para diversos fins, temporários ou definitivos. Na forma vitalícia (esperam os clientes!) incluem-se estruturas de cobertura, esquadrias (portas e janelas), forros, pisos e edifícios pré-fabricados.

Quase todos os tipos de madeira podem ser empregues na fabricação de móveis, mas alguns são preferidos pela sua beleza, durabilidade e utilidade. É conveniente conhecer as características básicas de todas as madeiras, como a solidez, a textura e a côr.

Ser capaz de identificar o género de madeira usado na mobília lá de casa pode ajudar a determinar o seu real valor. Imagine-se a possibilidade de uma cómoda velha, que estava prestes a engrossar o entulho para a recolha de lixo, ter sido feita com o que hoje se considera uma madeira rara.

É praticamente equivalente a um bilhete premiado do Euromilhões, dado que se possui uma autêntica relíquia! Nestes casos, a carpintaria entra na área do restauro e da recuperação. Afinal, nem tudo o que é velho se deita fora…

Por outro lado, as madeiras com textura mais fraca são frequentemente manchadas para ganhar personalidade. Aqui há que remover completamente o acabamento para se confirmar a verdadeira natureza da madeira.

É assim também com muita gente: tirando a capa, mostram-se autenticamente. Mas destes, nem um artificie com “bicho-carpinteiro” consegue fazer nada…!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:A arte de trabalhar a madeira

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Imagem por: titlap

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    23-09-2014 às 13:23:35

    Uma excelente técnica que penso ser muito bonito e sofisticado. A arte de trabalhar madeira está sempre em desenvolvimento e crescimento.

    ¬ Responder
  • Rua DireitaRua Direita

    01-06-2014 às 05:18:46

    É ótimo o trabalho com a madeira. Pode-se perceber grandes obras que se faz com ela. Realmente, é uma verdadeira arte!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios