Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Restaurantes > Sushi – Primeiro estranha-se, depois entranha-se

Sushi – Primeiro estranha-se, depois entranha-se

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Restaurantes
Visitas: 2
Comentários: 5
Sushi – Primeiro estranha-se, depois entranha-se

À primeira vista, a ideia de comer peixe cru não é muito apelativa. No entanto, depois de experimentar é possível verificar que nem tudo o que é estranho é mau.

O sushi e o sashimi são pratos típicos japoneses confecionados à base de peixe cru, vegetais ou frutas e apresentados, normalmente, sob a forma de pequenos rolinhos coloridos, o que facilita a descoberta de novos sabores e contribui para uma refeição mais equilibrada. Com a proliferação de restaurantes de comida rápida e, por vezes, temporariamente enganadora do estômago, este pode ser um ótimo complemento à dieta, sendo até uma entrada original para aquele jantar em casa que temos planeado com os amigos.

Os peixes mais comuns para a confeção destas especialidades são o salmão, o atum, o arenque e a truta, complementados com arroz japonês, algas, molho de soja ou gengibre, entre outros.

Existem alguns conselhos a dar aos iniciantes. Por exemplo, uma boa refeição deve ser iniciada com fatias de sashimi, tanto com peixes gordos como magros. Por norma, é aceitável usar os dedos, sendo que se deve também oferecer uma toalha húmida para serem limpos. A peça de comida não deve ser mergulhada por completo nos molhos, uma vez que se corre o risco de a desfazer e, consequentemente, perder todo o sabor. Cada peça de sushi deve ser comida na totalidade, uma vez que comer apenas uma parte é considerado grosseiro. As bebidas tradicionais que acompanham uma refeição tipicamente japonesa são a cerveja (japonesa, de preferência...), o sake, o vinho de arroz ou o chá verde. Dentro da cultura ocidental, é comum acompanhar-se este tipo de refeição com vinho verde ou espumante.

Os restaurantes de comida japonesa já começam a ser comuns em muitos países, pelo que não será difícil encontrar um lugar onde possa iniciar ou desfrutar dos prazeres da cozinha oriental. Inicialmente, o aconselhável é mesmo ir a um restaurante. No entanto, já é possível encontrar comida japonesa nos supermercados, o que permite poupar tempo na confeção destes pratos, que pode ser bastante demorada.

Hoje em dia, vivemos numa aldeia global de um âmbito muito superior ao das comunicações ou da economia. As culturas que nos eram distantes estão cada vez mais próximas e é pelo estômago que, muitas vezes, existe o contacto inicial.

Apesar das culturas orientais nos serem estranhas em muitos aspetos, podem depois tornarem-se agradáveis surpresas que, se ao princípio são estranhadas, acabam depois por serem entranhadas.


Luís Seco Passadouro

Título: Sushi – Primeiro estranha-se, depois entranha-se

Autor: Luís Seco Passadouro (todos os textos)

Visitas: 2

809 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Kizua UriasKizua

    14-09-2014 às 19:12:33

    Já provei o sushi e o sashimi, mas gostei muito mais do empanado, aquele que vem frito, acho que é butherfly o nome dele. Não é minha comida preferida, mas de vez em quando eu saboreio.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    19-05-2014 às 03:39:29

    Já experimentei bastante o sushi e sashimi e gostei por certo tempo. No meu caso, enjoei,mas tem gente que é viciada em comer sushi! heheh
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • Sofia NunesSofia Nunes

    14-09-2012 às 17:52:02

    Vendo este completo texto sobre sushi, não posso deixar de lembrar-me da minha ignorância, só há poucos meses quebrada, sobre a verdadeira natureza do sushi. Provei sushi há uns anos e não gostei. Entretanto tornei-me vegetariana e não voltei a experimentar sushi porque pensava que era uma espécie de sinónimo de peixe cru. Só recentemente soube que o ingrediente que define o sushi é o arroz, podendo ser confeccionado sushi com vegetais. Voltarei a provar.

    ¬ Responder
  • JOCILIA sEIXASJOCILIA sEIXAS

    31-12-2009 às 23:05:38

    Conheci a comida japonesa há oito anos atrás em Brasília,entretanto não dava muita bola a ela. Só agora com o abandono TOTAL a carne e ao total adaptação ao comidas mais saudáveis como vegetais, que vejo na comida Japonesa uma alternativa maravilhosa, que me satisfaz e extremamente saborosa....

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãotui

    18-05-2009 às 01:22:48

    Foi na grecia ,há mais de 12 anos que comi sushi pela primeira vez. Estava a agradar a minha namorada (hoje é minha mulher) e eu realmente tentei gostar. Eu fiz um esforço e expermentei de quase tudo, isto de agradar tem o seu preço, equeria te dizer luis que odiei. Eu tentei gostar de sushi.
    A serio. Para mim sushi ficou por ali.
    Expermentei e odiei sushi.

    A minha mulher ainda come regularmente sushi, e eu ate faço companhia mas antes como um burguer....

    Sushi ou se gosta ou se odeia.

    ¬ Responder

Comentários - Sushi – Primeiro estranha-se, depois entranha-se

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Pulp Fiction: 20 anos depois

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Arte
Pulp Fiction: 20 anos depois\"Rua
Faz hoje 20 anos que estreou um dos mais importantes ícones cinematográficos americanos.

Pulp Fiction é um marco do cinema, que atirou para a ribalta Quentin Tarantino e as suas ideias controversas (ainda poucos tinham visto o brilhante “Cães Danados”).

Repleto de referências ao cinema dos anos 70 e com uma escolha de casting excepcional, Pulp Fiction conquistou o público com um discurso incisivo (os monólogos bíblicos de Samuel L. Jackson são um exemplo disso), uma violência propositadamente mordaz e uma não linearidade na sucessão dos acontecimentos, tudo isto, associado a um ritmo alucinante.

As três narrativas principais entrelaçadas de dois assassinos, um pugilista e um casal, valeram-lhe a nomeação para sete Óscares da Academia, acabando por vencer na categoria de Melhor Argumento Original, ganhando também o Globo de Ouro para Melhor Argumento e a Palma D'Ouro do Festival de Cannes para Melhor Filme.

O elenco era composto por nomes como John Travolta, Samuel L. Jackson, Bruce Willis, Uma Thurman e (porque há um português em cada canto do mundo) Maria de Medeiros.

Para muitos a sua banda sonora continua a constar na lista das melhores de sempre, e na memória cinéfila, ficam eternamente, os passos de dança de Uma Thurman e Travolta.

As personagens pareciam ser feitas à medida de cada actor.
Para John Travolta, até então conhecido pelos musicais “Grease” e “Febre de Sábado à Noite”, dar vida a Vincent Vega foi como um renascer na sua carreira.

Uma Thurman começou por recusar o papel de Mia Wallace, mas Tarantino soube ser persuasivo e leu-lhe o guião ao telefone até ela o aceitar.

Começava ali uma parceria profissional (como é habitual de Tarantino) que voltaria ao topo do sucesso com “Kill Bill”, quase 10 anos depois.

Com um humor negro afiadíssimo, Tarantino provou em 1994 que veio para revolucionar o cinema independente americano e nasceu aí uma inspirada carreira de sucesso, que ainda hoje é politicamente incorrecta, contradizendo-se da restante indústria.

Pulp Fiction é uma obra genial. Uma obra crua e simultaneamente refrescante, que sobreviveu ao tempo e se tornou um clássico.
Pulp Fiction foi uma lição de cinema!

Curiosidade Cinéfila:
pulp fiction ou revista pulp são nomes dados a revistas feitas com papel de baixa qualidade a partir do início de 1900. Essas revistas geralmente eram dedicadas às histórias de fantasia e ficção científica e o termo “pulp fiction” foi usado para descrever histórias de qualidade menor ou absurdas.

Pesquisar mais textos:

Carla Correia

Título:Pulp Fiction: 20 anos depois

Autor:Carla Correia(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios