Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Restaurantes > Mantenha a conta aberta! ...

Mantenha a conta aberta! ...

Categoria: Restaurantes
Comentários: 2
Mantenha a conta aberta! ...

Faca, garfo e guardanapo são, geralmente, os símbolos que indicam a proximidade ou fazem alusão a “comes e bebes”, que é como quem diz, casas que oferecem, a troco de algum dinheiro, uma refeição ou um petisco. Porém, alguns destes estabelecimentos deveriam começar a fornecer, juntamente com a comida, apetrechos e extras coadjutores, tais como uns martelinhos para partir o arroz mal cozido, uma moca que sove os bifes, no intuito de os tornar mais facilmente mastigáveis sem perigo de quebrar algum dente, sais de frutos que auxiliem a digestão de alimentos menos frescos, óculos que permitam a rápida identificação de bolor no pão, que nem do dia anterior é, e, já agora, uma bacia para vomitar quando se vê apanhar algo do chão e, com a maior das naturalidades, depositá-lo, como se nada fosse, na travessa, depois de ter soprado ou raspado as partículas emprestadas pelo soalho.

Ainda assim, e não obstante o que se pode observar e o que não se sente, porque os olhos não vêem, e, como diz o ditado, «longe da vista, longe do coração», verifica-se que muita gente não presta atenção ou não liga à qualidade daquilo que ingere fora de casa. Esta qualidade não se refere somente à frescura e à categoria das matérias-primas utilizadas na confecção dos menus, mas também à higienização das mesmas, dos recipientes que as recebem, dos utensílios empregues, das instalações onde decorrem os actos culinários, e de tudo o que, directa ou indirectamente, contacte com a paparoca.

De vez em quando, as autoridades sanitárias competentes lançam-se em inspecções em massa sobre a restauração, sendo que nos meses subsequentes ninguém ouve falar destes profissionais. Deve cansar imenso fechar dezenas de restaurantes por dia, portanto é legítimo repousar a seguir… Para além de que, se continuarem o trabalho, eles próprios correm o risco de deixar de ter onde almoçar no decurso da sua função!

As más-línguas até os podem apelidar de “arroz-doce”, como a querer insinuar que os inspectores alimentares estão em todas, ou melhor, em todos (os restaurantes). O que é que se passa com as pessoas? Preferem comer “gato por lebre” e tragar congelados de há três anos (para não ser demasiado pessimista)?!... Os pobres senhores apenas velam pela saúde pública…!

Se calhar, quem assim critica, de forma maldosa, diga-se, faz parte do “clube” dos “amigos da onça”. Estes alegam que, não fora a sua conta aberta em determinado espaço estar fechada, pagariam aos comparsas um belo jantar. Devem ser os efeitos da crise…



Maria Bijóias

Título: Mantenha a conta aberta! ...

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Vicente SilvaVicente

    16-09-2014 às 02:47:25

    É muito bom apreciar o sabor de uma comida bem feita e que nos satisfaz. Ir ao bom restaurante, até mesmo o pagar mais caro para se obter um maior resultado, maior qualidade, pode valer bastante a pena.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPedro R.

    17-05-2009 às 22:19:31

    Adoro a parte final das refeições - a sobremesa - e tu mencionaste a minha preferivel : arroz-doce.

    Recordo-me que a minha avó materna fazia um arroz-doce divinal. Ela morreu mas a minha mãe continua a fazer aquela iguaria com o mesmo espirito e gosto. Eu não consigo nunca resistir ao mais saboroso arroz-doce do mundo.

    ¬ Responder

Comentários - Mantenha a conta aberta! ...

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios