Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Restaurantes > O prazer de ir a um bom restaurante

O prazer de ir a um bom restaurante

Categoria: Restaurantes
Visitas: 6
Comentários: 5
O prazer de ir a um bom restaurante

Um “bom garfo” é como se designa alguém que gosta de comer e de apreciar aquilo que petisca. Para estes, a “volta ao mundo em todos os pratos que conseguirem experimentar” traduz um sonho arrebatador e uma quimera tornada real a cada novo menu degustado. Verdadeiras réplicas do “Sebastião come-tudo”, babam-se por um tempero que lhes estimule as papilas gustativas. Pagam o que for preciso para saciar uma gula, de si, insaciável. Deslocam-se aonde tiver de ser para um convívio em redor de uma mesa recheada de irresistíveis manjares, que apimentam a conversa e condimentam a amizade. Neste contexto, os restaurantes aparecem como as superfícies comerciais de eleição, os locais escolhidos para passar uns (bons) bocados.

É nestes espaços, alguns dos quais distinguidos com prémios conquistados em concursos de qualidade e/ou sabor, que os glutões cedem ao chamamento de comidas típicas, geralmente bem confeccionadas e com uma aparência e um aroma fantásticos. Não há dúvida que os restaurantes, ao servirem a fidelidade gastronómica, representam um importante chamariz turístico, quer para os de dentro, quer para os estrangeiros, que podem “ficar presos” pelo estômago…

Efectivamente, a alimentação diz muito de uma cultura e de um país e cada terra tem os seus usos. Por exemplo, a especialidade dos esquimós, no Pólo Norte, deve ser, com certeza, os congelados! Já em países quentes, por paradoxal que pareça, sente-se atracção por refeições picantes. Tudo o que é característico é passível de suscitar interesse, ao menos, na prova. E esta pode determinar o sucesso, não só de uma iguaria, mas da própria casa de pasto. Trata-se de criar uma imagem e de, literalmente, a alimentar.

Como em todos os ramos de comércio, o cliente tem sempre razão, exceptuando as ocasiões em que se lembrar de chamar nomes ao dono ou de o acusar de ser um ladrão, claro está. Deste modo, se um vegetariano lhe afirmar que não joga xadrez para não ter de comer o cavalo, não fique boquiaberto de espanto nem discuta; basta relinchar de concordância, porque isto dos gostos é tema polémico…

Para os satisfazer está o cozinheiro, o verdadeiro espírito do restaurante, de prontidão. Ainda que o serviço seja excelente, a higiene exemplar, a simpatia irrepreensível, é entre tachos e panelas que se cozinha o agrado e a lealdade dos fregueses.

Pode então afirmar-se, sem medo, que, neste como em muitos outros casos, os segredos de “bastidores” são mesmo a alma do negócio!



Maria Bijóias

Título: O prazer de ir a um bom restaurante

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

809 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    14-09-2014 às 19:08:51

    Aprecio os restaurantes de estilo rústico, gosto deste ambiente e da boa comida como carnes e massas. É linda também a decoração, arquitetura do local, mesmo que se pague um pouco a mais.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    19-05-2014 às 03:33:17

    É sempre um grande prazer ir a um bom restaurante. Não apenas pela decoração, design, mas pelo atendimento e comida.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTonecas

    18-05-2009 às 02:10:39

    Se és a paula la chef que eu conheço, bom amor o teu restaurante é um must e a tua comida é divinal. Tens umas mãos que sabem mecher bem ...muito bem. Estou lá n principio do mes como costume no teu restaurante paula. Beijo.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaula Rita

    17-05-2009 às 23:11:42

    Sou cozinheira profissional e o teu texto foi comovente. Falares de restaurantes é falar da minha Vida.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojoana

    16-05-2009 às 13:44:21

    Es o maximo maria. Que estilo a escrever , ainda por cima sobre restaurantes. Eu já li uma seria de textos teus e adorava sugerir -te que escrevesses um com o titulo ..." Ir ao restaurante está na moda"

    Sabes eu sou dona de um restaurante no brazil e as pessoas estão com medo, existe medo no ar. Muita chente fala de crise, isso esta afectar muito o meu restaurante.

    Fico grata...beijokas,

    ¬ Responder

Comentários - O prazer de ir a um bom restaurante

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

A história da fotografia

Ler próximo texto...

Tema: Fotografia
A história da fotografia\"Rua
A história e princípios básicos da fotografia e da câmara fotográfica remontam à Grécia Antiga, quando Aristóteles verificou que os raios de luz solar e com o uso de substâncias químicas, ao atravessarem um pequeno orifício, projetavam na parede de um quarto escuro a imagem do exterior. Este método recebeu o nome de câmara escura.

A primeira fotografia reconhecida foi uma imagem produzida em 1826 por Niepce. Esta fotografia foi feita com uma câmara e assente numa placa de estanho coberta com um derivado de petróleo, tendo estado exposta à luz solar por oito horas, esta encontra-se ainda hoje preservada.

Niepce e Louis –Jacques Mandé Daguerre inciaram em 1829 as suas pesquisas, sendo que dez anos depois foi oficializado o processo fotográfico o nome de daguerreótipo. Este processo consistia na utilização de duas placas, uma dourada e outra prateada, que uma vez expostas a vapores de iodo, formando uma pelicula de iodeto de prata sobre a mesma, ai era a luz que entrava na camara escura e o calor gerado pela luz que gravava a imagem/fotografia na placa, sendo usado vapor de mercúrio para fazer a revelação da imagem. Foi graças á investigação realizada por Friedrich Voigtlander e John F. Goddard em 1840, que os tempos de exposição e revelação foram encurtados.




Podemos dizer que o grande passo (não descurando muitas outras mentes brilhantes) foi dado por Richard Leach Maddox, que em 1871 fabricou as primeiras placas secas com gelatina, substituindo o colódio. Três anos depois, as emulsões começaram a ser lavadas com água corrente para eliminar resíduos.

A fotografia digital


Com o boom das novas tecnologias e com a capacidade de converter quase tudo que era analógico em digital, sendo a fotografia uma dessas mesmas áreas, podemos ver no início dos anos 90, um rápido crescimento de um novo mercado, a fotografia digital. Esta é o ideal para as mais diversas áreas do nosso dia a dia, seja a nível profissional ou pessoal.

As máquinas tornaram-se mais pequenas, mais leves e mais práticas, ideais para quem não teve formação na área e que não tem tempo para realizar a revelação de um rolo fotográfico, sem necessidade de impressão. Os melhores momentos da nossa vida podem agora ser partilhados rapidamente com os nossos amigos e familiares rapidamente usando a internet e sites sociais como o Facebook e o Twitter .

A primeira câmara digital começou a ser comercializada em 1990, pela Kodak. Num instante dominou o mercado e hoje tornou-se produto de consumo, substituindo quase por completo as tradicionais máquinas fotográficas.

Sendo que presentemente com o aparecimento do FullHD, já consegue comprar uma máquina com sensores digitais que lhe permitem, além de fazer fotografia, fazer vídeo em Alta-Definição, criando assim não só fotografias quase que perfeitas em quase todas as condições de luz bem como vídeo com uma qualidade até agora impossível no mercado do vídeo amador.

Tirar fotografias já é acessível a todos e como já não existe o limite que era imposto pelos rolos, “dispara-se” por tudo e por nada. Ter uma máquina fotográfica não é mais um luxo, até já existem máquinas disponíveis para as crianças. Muitas vezes uma fotografia vale mais que mil palavras e afinal marca um momento para mais tarde recordar.

Pesquisar mais textos:

Bruno Jorge

Título:A história da fotografia

Autor:Bruno Jorge(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Rua DireitaRua Direita

    05-05-2014 às 03:48:18

    Como é bom viver o hoje e saber da história da fotografia. Isso nos dá a ideia de como tudo evoluiu e como o mundo está melhor a cada dia produzindo fotos mais bonitas e com qualidade!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios