Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Restaurantes > O prazer de ir a um bom restaurante

O prazer de ir a um bom restaurante

Categoria: Restaurantes
Visitas: 6
Comentários: 5
O prazer de ir a um bom restaurante

Um “bom garfo” é como se designa alguém que gosta de comer e de apreciar aquilo que petisca. Para estes, a “volta ao mundo em todos os pratos que conseguirem experimentar” traduz um sonho arrebatador e uma quimera tornada real a cada novo menu degustado. Verdadeiras réplicas do “Sebastião come-tudo”, babam-se por um tempero que lhes estimule as papilas gustativas. Pagam o que for preciso para saciar uma gula, de si, insaciável. Deslocam-se aonde tiver de ser para um convívio em redor de uma mesa recheada de irresistíveis manjares, que apimentam a conversa e condimentam a amizade. Neste contexto, os restaurantes aparecem como as superfícies comerciais de eleição, os locais escolhidos para passar uns (bons) bocados.

É nestes espaços, alguns dos quais distinguidos com prémios conquistados em concursos de qualidade e/ou sabor, que os glutões cedem ao chamamento de comidas típicas, geralmente bem confeccionadas e com uma aparência e um aroma fantásticos. Não há dúvida que os restaurantes, ao servirem a fidelidade gastronómica, representam um importante chamariz turístico, quer para os de dentro, quer para os estrangeiros, que podem “ficar presos” pelo estômago…

Efectivamente, a alimentação diz muito de uma cultura e de um país e cada terra tem os seus usos. Por exemplo, a especialidade dos esquimós, no Pólo Norte, deve ser, com certeza, os congelados! Já em países quentes, por paradoxal que pareça, sente-se atracção por refeições picantes. Tudo o que é característico é passível de suscitar interesse, ao menos, na prova. E esta pode determinar o sucesso, não só de uma iguaria, mas da própria casa de pasto. Trata-se de criar uma imagem e de, literalmente, a alimentar.

Como em todos os ramos de comércio, o cliente tem sempre razão, exceptuando as ocasiões em que se lembrar de chamar nomes ao dono ou de o acusar de ser um ladrão, claro está. Deste modo, se um vegetariano lhe afirmar que não joga xadrez para não ter de comer o cavalo, não fique boquiaberto de espanto nem discuta; basta relinchar de concordância, porque isto dos gostos é tema polémico…

Para os satisfazer está o cozinheiro, o verdadeiro espírito do restaurante, de prontidão. Ainda que o serviço seja excelente, a higiene exemplar, a simpatia irrepreensível, é entre tachos e panelas que se cozinha o agrado e a lealdade dos fregueses.

Pode então afirmar-se, sem medo, que, neste como em muitos outros casos, os segredos de “bastidores” são mesmo a alma do negócio!



Maria Bijóias

Título: O prazer de ir a um bom restaurante

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

809 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 5 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    14-09-2014 às 19:08:51

    Aprecio os restaurantes de estilo rústico, gosto deste ambiente e da boa comida como carnes e massas. É linda também a decoração, arquitetura do local, mesmo que se pague um pouco a mais.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    19-05-2014 às 03:33:17

    É sempre um grande prazer ir a um bom restaurante. Não apenas pela decoração, design, mas pelo atendimento e comida.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoTonecas

    18-05-2009 às 02:10:39

    Se és a paula la chef que eu conheço, bom amor o teu restaurante é um must e a tua comida é divinal. Tens umas mãos que sabem mecher bem ...muito bem. Estou lá n principio do mes como costume no teu restaurante paula. Beijo.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoPaula Rita

    17-05-2009 às 23:11:42

    Sou cozinheira profissional e o teu texto foi comovente. Falares de restaurantes é falar da minha Vida.

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãojoana

    16-05-2009 às 13:44:21

    Es o maximo maria. Que estilo a escrever , ainda por cima sobre restaurantes. Eu já li uma seria de textos teus e adorava sugerir -te que escrevesses um com o titulo ..." Ir ao restaurante está na moda"

    Sabes eu sou dona de um restaurante no brazil e as pessoas estão com medo, existe medo no ar. Muita chente fala de crise, isso esta afectar muito o meu restaurante.

    Fico grata...beijokas,

    ¬ Responder

Comentários - O prazer de ir a um bom restaurante

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O Mundo

Ler próximo texto...

Tema: Internet
O Mundo\"Rua
O tão aclamado pelos seus mistérios e que continua a nos surpreender o mundo que não é tão somente cheio de pessoas há apenas sonhar em si próprio, mas sim também no seu próximo que poderia ser qualquer pessoa de seu convívio, mas que o laço que enlaça que enlaçai-nos próximo pode ser o mesmo que pela discórdia se deslaça, nunca mais enlaçando [...]

Não mais unidos de uma maneira sagrada assim como é o nosso convívio com as crianças que enlaça em Cristo, que com a idade vai se deslaçando, como uma semente que após um tempo cresce e dá frutos que pode ser não muito boas, apodrecendo, mas que se cuidarmos com certeza dará bons novos frutos.

Não pense que assim são somente as plantas, mas como também, é todo ser humano, pois o consentimento do que é o tal mundo esmero depende de cada gás carbônico expirado não só pelo, mas sim pela alma, cônjuge do Espírito que pode ser Santo ou não, pois já como temos o livre-arbítrio nós que decidimos se deixemos que Ele nos habite ou não para trilhar o Bem ou não mesmo que, embora Ele esteja sempre conosco, embora não vejamos e não aceitamos por apenas sentir e não o reconhecer através de nossos atos.

Costumo definir o mundo de acordo com o que vivo e não vivo, por não haver ainda a oportunidade de viver sem me arrepender já que querer não poder. Não sei como definir o mundo mesmo que o mundo seja o que eu e você estejamos vivendo mesmo sem querer viver o que vive, pois sei bem o que é isso porque vivo há caminhar de olhos vendados fazendo o que querem pra mim sem levar em consideração o que penso ou deixo de pensar por algo tão, às coxas de tão impensado seja o meu impulso como é essa agora de querer escrever porcarias mesmo que o foco sempre seja o mesmo que nada mais é do que desvendar o mundo que não conheço embora eu viva ele inconstantemente para descobrir dele mais, e mais, sem parar [...]. Sem que haja intervalos como em um jogo de futebol.

Pesquisar mais textos:

Kaique Barros

Título:O Mundo

Autor:Kaique Barros(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios