Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Os deuses e a paz

Os deuses e a paz

Categoria: Outros
Comentários: 1
Os deuses e a paz

A palavra «paz» assumiu, ao longo da História, significados tão distinto quanto as entidades e tradições que lhos atribuíram. Há 2500 anos, para os Gregos a paz era incarnada por Eirene, uma das três filhas de Têmis (deusa da justiça, da lei e da ordem) e Zeus (senhor do céu, deus supremo). Eirene era a protectora da infância e da juventude, enquanto as suas irmãs, Eunomia e Dike, velavam pela disciplina e pela justiça, respectivamente. A relação familiar da paz com a justiça e a disciplina nesta concepção grega é notória. Contudo, Eirene tem um inimigo no Olimpo: Polémos, o deus da guerra.

Já para os Romanos a paz era sinónimo de vitórias militares do imperador e do exército. Nas moedas da época pode ver-se a deusa Pax a pisar a cabeça de um vencido ou estando ao lado de legionários e de Marte, o deus da guerra. Foi nesta altura que se cunhou o ditado: «Quem deseja a paz prepare-se para a guerra.» Com o crescente bem-estar no interior do império e consequente desenvolvimento, a paz passou a significar harmonia e prosperidade.

Para os Judeus, a palavra hebraica Shalom, designativa de paz, possui uma multiplicidade de sentidos: prosperidade, bem-estar, felicidade, saúde, segurança, salvação, relações sociais justas, harmonia com Deus, vida em plenitude, condição à qual não falta nada do que é bom. Esta interpretação deriva da experiência de bênção divina que os Judeus viveram ao sentirem-se favorecidos por Deus quando forma libertados da escravidão e da opressão do Egipto e da Babilónia, por considerarem que Deus Se interessava por eles, que os tinha criado, salvo e velava continuamente pelo seu bem. Este estado era denominado «Shalom». Não obstante o Judaísmo ainda espera o tempo de paz plena, o tempo messiânico, em que o poder do Messias, visto como o Príncipe da Paz, é associado a imagens antiguerra, sendo as espadas transformadas em arados e as lanças em foices. A paz messiânica assenta numa confraternização universal simbólica: a coabitação pacífica do lobo com o cordeiro, o leopardo que se deita ao lado do cabrito, o bezerro e o leão que comem juntos e são conduzidos por uma criança, o bebé que brinca com a víbora… Segundo a lei judaica, a paz aparece como o cuidado com a viúva e o órfão, o acolhimento do estrangeiro, o desvelo para com os mais fracos…

O Cristianismo herdou, por assim dizer, a profecia do Judaísmo. Jesus de Nazaré é o tal «Príncipe da Paz», que rejeita a violência e a guerra, regendo-se por uma única lei: «Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.» E acrescentou: «Felizes os que promovem a paz, porque são chamados filhos de Deus.» No entanto, ao adquirir dimensões de império, o Cristianismo aceitou a guerra santa. Como reacção, apareceram instituições de implementação da paz que criaram os abrigos e a “bandeira branca”, sinal de tréguas e de respeito pela vida.

No Islão, «Paz» é um dos nomes de Alá. O próprio vocábulo «Islão» exprime paz, que no contexto religioso reporta a submissão total e voluntária à vontade de Deus, aludindo também à vida harmoniosa e satisfatória dos que se tornam muçulmanos. A única guerra advogada pelos muçulmanos é a defensiva.

No Oriente, pátria das grandes religiões, nasceram várias tradições religiosas, cada qual com o seu conceito de paz. O Budismo e o Hinduísmo, por exemplo, vêem a paz como o Nirvana, a libertação do sofrimento e de tudo o que a ele leva.

Nas culturas índias da América, paz é procurar, em conjunto, consensos que favoreçam todos. Quem fala explica-se e quem ouve presta atenção. No fim, o acordo é selado com o “cachimbo da paz”.

Para as religiões naturais africanas, paz é a totalidade do bem-estar: harmonia com os espíritos e com os antepassados, e plenitude de vida, aqui e daqui por diante.


Maria Bijóias

Título: Os deuses e a paz

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

631 

Imagem por: Jeff Kubina

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoSusana Farias

    26-09-2014 às 21:03:28

    :) Muito bom, Maria!
    Parabéns!

    ¬ Responder

Comentários - Os deuses e a paz

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Estratégia do arco-íris

Ler próximo texto...

Tema: Serviços
Estratégia do arco-íris\"Rua
Pessoas comuns estão a descobrir novas estratégias que supostamente fazem dinheiro rápido. Mas, a verdade da questão é que, isso é quase impossível. Ao longo de sua jornada de negociação, vai experimentar algumas vitórias e derrotas. Então, vejamos uma das estratégias que irá produzir mais vitórias do que derrotas: a estratégia do arco-íris. Esta é uma estratégia muito poderosa que qualquer um pode utilizar, especialmente novatos lá fora. Se é novo no comércio de opções binárias e gostaria de ganhar dinheiro online, esta é a estratégia ideal para si.

A estratégia do arco-íris envolve um período de 6, 14 e 26 períodos, períodos de média móvel exponencial. Estes permitem filtrar os movimentos menores no mercado e dar-lhe uma visão clara da tendência.

O mercado está numa tendência alta quando o período de 6 EMA está no topo dos 14 períodos EMA e dos 26 períodos EMA. A tendência baixa ocorre quando as EMA cruzam-se. Agora, os 26 períodos EMA devem estar no topo da EMA de 14 períodos. Em tendências altas, os comerciantes devem concentrar-se principalmente em opções de compra.

Uma opção de compra pode ser acionada quando o preço para baixo remonta à EMA 14 e começa a mover-se para cima. Uma opção de venda pode ser acionada quando o preço refaz para cima, e os períodos EMA 14 começam a mover-se para baixo.

As vantagens desta estratégia é que muitos dos sinais são precisos e não requerem muita análise para fazer um bom negócio. Com a gestão de risco adequada, pode fazer desta a sua principal estratégia. Mas, antes de tomar essa decisão, saiba que existem algumas desvantagens. O preço às vezes pode ir além dos 14 períodos de EMA. Alguns comerciantes podem não saber como reagir a isso.

Além disso, mesmo se os mercados são tendências, ainda existe a possibilidade de dar sinais falsos, mas com a gestão de riscos aplicadas, esses sinais falsos não causam muito dano. Combinar esta estratégia com coisas como Fibonacci, linhas de tendência ou médias móveis podem ajudar a reduzir as chances de perdas.

Em geral, a estratégia do arco-íris é um grande indicador. Ele faz maravilhas nos mercados de tendências e é muito fácil de usar para os comerciantes de todos os níveis. No fim de contas, é apenas uma questão de fazer uma boa gestão de risco. É uma ótima estratégia para iniciantes começarem a usar e obterem vitórias, experiência e bastante dinheiro.

Pesquisar mais textos:

Jerónimo Diogo Magalhães

Título:Estratégia do arco-íris

Autor:Jerónimo Diogo Magalhães(todos os textos)

Imagem por: Jeff Kubina

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios