Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A definição da Religião

A definição da Religião

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 2
Comentários: 2
A definição da Religião

A definição de “religião” engloba crenças e filosofias diferentes. As diversas religiões do mundo são de facto muito diferentes entre si mas, porém, é possível estabelecer uma característica em comum entre todas elas. Todas as religiões têm um sistema de crenças no sobrenatural, habitualmente envolvendo divindades ou deuses. No geral, as religiões costumam possuir relatos sobre a origem do Universo, da Terra e do Homem, e o que acontece após a morte. Grande parte acredita na vida depois da morte.

A religião é um fenómeno individual, mas também um fenómeno social. A Igreja, “o povo escolhido” (os judeus), o Partido Comunista são exemplos de doutrinas que exigem uma adesão de um certo grupo social.

A ideia de religião contempla a existência de algo superior que tem influência no destino humano. Esses seres são principalmente deuses, que ficam no topo de um sistema que pode incluir várias categorias como anjos e demónios.

Ateísmo é a negação da existência de um ser superior e da veracidade de qualquer religião teísta. Agnosticismo é a dúvida sobre a existência de Deus e sobre a veracidade de qualquer religião teísta por falta de provas concretas. Deísmo é a crença num deus que só pode ser conhecido através da razão e não da fé.

As religiões que afirmam a existência de deuses podem ser classificadas em dois tipos: monoteísta ou politeísta. As religiões monoteístas admitem apenas a existência de um único Deus, um ser supremo. São dominantes no mundo o judaísmo, o cristianismo e o Islão. As religiões politeístas admitem a existência de mais que um Deus.

Cada religião apresenta elementos próprios, no entanto é possível estabelecer alguns elementos em comum às várias religiões e que podem permitir uma melhor compreensão do fenómeno religioso.

As religiões têm narrativas que explicam o começo do mundo ou que legitimam a sua existência. O exemplo mais conhecido é a narrativa de Génesis na tradição cristã e judaica. Quanto à legitimação de uma ordem religiosa, esta costuma apelar a uma obtenção de uma sabedoria por parte de um fundador como, no budismo, onde o Buda alcançou a iluminação enquanto meditava debaixo de uma figueira, ou no Islão, em Muhammad recebeu a revelação do Corão de Deus.


Daniela Vicente

Título: A definição da Religião

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 2

626 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 2 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    27-08-2014 às 12:34:51

    Religião é apenas um rótulo que as pessoas tentam colocar sobre suas vidas. Muitos professam o que nem vivem, além de exiger dos outros i quem nem mesmo eles fazem. É lamentável viver numa sociedade em que religião é apenas o exterior! Nada é transformado dentro da pessoa. Penso que relacionar com um Deus único e superior deve fazer parte de cada um, mas com essa finalidade: de se transformar!

    ¬ Responder
  • Ana SebastiãoAna Sebastião

    25-09-2012 às 16:47:28

    A definição de religião deriva na verdade da palavra latina “religare”, esta por sua vez representa uma tentativa do ser humano em voltar a ligar-se com Deus, ligação esta perdida no tempo e na história.

    Assim, aquilo que hoje apelidamos de religiões não são mais do que designações para instituições diversas cujo propósito é fazer o acompanhamento do homem no seu percurso terreno antes que tenha que encontrar-se com esse ser desconhecido a quem teme ou não.

    Religião está longe de ser sinónimo de fé, mas é necessária fé para que a pessoa professe uma religião. Através de uma qualquer religião pretende-se que a pessoa em primeiro lugar creia incondicionalmente naquilo que essa religião ensina, nos princípios que defende e aconselha, depois pretende-se que o indivíduo cumpra determinados requisitos e finalmente que alcance uma paz duradoura que o mundo e as suas vicissitudes não lhe podem jamais ofertar.

    Em tempos conturbados como aqueles em que vivemos podemos observar dois extremos de comportamento. Se por um lado um número crescente de pessoas procura encontrar esta “religação” com o Deus criador, uma infinidade de outras pessoas tende a afastar-se cada dia mais daquilo que antes tomava por realidade no que diz respeito a Deus. Finalmente encontramos ainda um terceiro grupo de pessoas que vive em permanente curto-circuito como quando existe uma união de fios eléctricos deficiente, e num momento parecem ligar-se ao passo que no instante seguinte se desligam… Estes normalmente não encontram algo que satisfaça os seus desejos e necessidades, não alcançam a tão almejada paz, que não cessam de procurar, nem dentro nem fora das denominações mais variadas que podemos encontrar por esse mundo fora.

    Naturalmente não encontram porque nem religião, nem ideologia política, cívica ou social podem trazer paz às pessoas, essa paz pode apenas encontrar-se em Deus. Foi Deus quem procurou chegar até nós humanos, enviando o seu filho para morrer por nós, pelos nossos pecados, pelas nossas faltas, pelas nossas imperfeições humanas. Porque como afirma a sagrada escritura todos andámos desgarrados como ovelhas que não têm pastor, mas Deus deixou a sua glória e desceu até nós para que agora apenas tenhamos necessidade de aceitar o seu sacrifício como suficiente, e dizer muito obrigada/o.

    Não há descrição possível para a paz que encontramos no bom pastor, aquele que dá a sua vida pelas suas ovelhas. Após esta compreensão, queremos apenas fazer o que lhe agrada, naturalmente falhamos vezes sem conta, mas sabemos que com o mesmo amor que procurou salvar-nos, nos perdoa todos os nossos pecados.

    ¬ Responder

Comentários - A definição da Religião

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

10 motivos para você fazer um cruzeiro

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Viagens
10 motivos para você fazer um cruzeiro\"Rua
Vai chegando o final do ano e começa a bater aquela vontade de viajar, de ir descansar longe da correria do dia-a-dia, sem se estressar, a dica é que não há nada mais prático e relaxante do que fazer um cruzeiro, sabe por quê?

1. Você pode contratar o serviço parcelado, em muitas agências de viagem; assim começa a pagar agora e provavelmente já estará mais da metade pago na ocasião da viagem;

2. Relaxar em lugar calmo, com todas as comodidades à bordo, garçons, camareiro, equipe de animação, entre outros;

3. Geralmente o pacote já vem com comida e bebida liberados, o que quer dizer que você se delicia e não se preocupa com quanto vai gastar e onde vai comer.

4. Como o navio atraca em vários portos, dá um tempinho para conhecer vários lugares bacanas e tirar muitas fotos nos pontos turísticos. Dependendo da parada, você até consegue alugar um kit de mergulho e dar uma olhada no fundo do mar.

5. A diversidade cultural costuma ser muita e você acaba conhecendo pessoas e costumes de outros países;

6. Para não ir achando que as horas à bordo do navio são entediantes, vale ressaltar que há inúmeras atividades fornecidas pela tripulação responsável, o que inclui brincadeiras, atividades físicas em grupo, dança, sorteios e muita música.

7. Para aqueles que apreciam jogos de azar, o navio tem um cassino que é um encanto mesmo para quem não joga.
8. Outra atração impressionante é a danceteria, aberta todas as noites, com músicas de variados estilos, e bebidas liberadas com o bar no mesmo ambiente;

9. Já se preferir lagartear ao sol dentro do navio costuma ter espaço para o banho de sol e com piscinas grandes e também jacúzis para você se sentir em um verdadeiro spa.

10. Não menos importante, os navios contam com um teatro que costuma impressionar os passageiros, com um elenco digno de grandes palcos, e histórias incríveis.


Então, se você ainda não teve essa incrível experiência, vale a pena se programar aí com a família, e aventurar no mar, colecionar um misto de emoções, lembrancinhas e milhares de fotos. Com certeza será uma experiência inesquecível e você vai acabar querendo fazer mais vezes!

Pesquisar mais textos:

Clarissa Reinoco Machado

Título:10 motivos para você fazer um cruzeiro

Autor:Clarissa Reinoco Machado(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios