Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > As amantes dos Reis: de D. José a D. Pedro IV

As amantes dos Reis: de D. José a D. Pedro IV

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Outros
Visitas: 12
As amantes dos Reis: de D. José a D. Pedro IV

Sabe-se que D. José teve muitas amantes, contudo não chegaram nomes até nós, exceto o de Teresa de Távora e Lorena, casada com D. Luís Bernardo de Távora. A relação começou em 1753 e tornou-se pública, para infelicidade de D. Mariana Vitória, a Rainha de Portugal. Em 1758, o rei foi baleado num braço dentro da sua carruagem. D. Mariana Vitória assumiu a regência temporariamente. No dia 13 do mesmo mês foram presos os supostos culpados pelo atentado: a família Távora e o duque de Aveiro, D. José Mascarenhas. A 31 de dezembro, com novas investigações, foram presos D. Manuel de Assis e D. Guido da Câmara. Um mês depois, os detidos confessam ter participado na conjura para depor o rei e colocar D. Pedro no trono. A 13 de janeiro de 1759, em Belém, procedeu-se as execuções.

D. João VI teve apenas uma relação que se conheça com D. Eugénia José de Meneses, dama da infanta Maria Isabel. Nasceu em 1781, no Brasil, filha do governador de Minas Gerais. Desta relação, nasceu uma filha bastarda, Eugénia Maria. Com medo do temperamento de Carlota Joaquina, D. João VI pede a João Francisco de Oliveira Álvares para fugir com Eugénia. Este deixou-a em Cádis e foi para os EUA. D. Eugénia, mais tarde, voltou para Portugal, instalando-se no Convento de Portalegre, onde residiu até morrer, a 21 de janeiro de 1818. Fala-se ainda em relações homossexuais. Supostamente, D. João IV, no Brasil, terá tido uma relação com Francisco Rufino de Sousa Lobato.

D. Pedro foi um príncipe cheio de aventuras amorosas, desde criadas até mulheres da cidade. O seu primeiro amor foi Noéme Thierry, que engravidou, dando à luz um nado-morto, na ilha do Recife, para onde ela foi desterrada a mando de D. Carlota Joaquina. Mesmo depois de casado, D. Pedro continuou as suas venturas amorosas. Em São Paulo, após assumir a regência do Brasil, D. Pedro envolve-se com Domitila de Castro. Desta relação tiveram cinco filhos, entre eles, Isabel Maria, a quem a Imperatriz beijou numa festa onde D Pedro a reconheci como sua filha, afirmando que a culpa não era dela. A dor da imperatriz foi imensa e torturou-a até ao fim da sua vida.

Daniela Vicente

Título: As amantes dos Reis: de D. José a D. Pedro IV

Autor: Daniela Vicente (todos os textos)

Visitas: 12

784 

Comentários - As amantes dos Reis: de D. José a D. Pedro IV

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Martelos e marrettas

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Ferramentas
Martelos e marrettas\"Rua
Os martelos e as marretas são, digamos assim, da mesma família. As marretas poderiam apelidar-se de “martelos com cauda”. Elas são bastante mais robustas e mantêm as devidas distâncias: o cabo é maior.

Ambos constituem, na sua génese, amplificadores de força destinados a converter o trabalho mecânico em energia cinética e pressão.

Com origem no latim medieval martellu, o martelo é um instrumento utilizado para “cacetear” objectos, com propósitos vários, pelo que o seu uso perpassa áreas como o Direito, a medicina, a carpintaria, a indústria pesada, a escultura, o desporto, as manifestações culturais, etcétera, variando, naturalmente, de formas, tamanhos e materiais de composição.

A diversidade dos martelos é, realmente, espantosa. O mascoto, por exemplo, é um martelo grande empregue no fabrico de moedas. Com a crise económica que assola o mundo actualmente, já se imaginam os governantes, a par dos banqueiros, de martelo em punho para que não falte nada às populações…

Há também o marrão que, mais do que o “papa-livros” que tira boas notas a tudo, constitui um grande martelo de ferro, adequado para partir pedra. Sempre poupa trabalho à pobre água mole…

O martelo de cozinha serve para amaciar carne. Daquela que se vai preparar, claro está, e não da de quem aparecer no entretanto para nos martelar a paciência…!

Já no âmbito desportivo, o lançamento do martelo representa uma das provas olímpicas, tendo sido recentemente adoptado na modalidade feminina. Imagine-se se, em vez do martelo, se lançasse a marreta… seria, certamente, mesmo sem juiz nem tribunal, a martelada que sentenciaria a sorte, ou melhor, o azar de alguém!

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Martelos e marrettas

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios