Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > A chegada do Cristianismo a África

A chegada do Cristianismo a África

Categoria: Outros
Visitas: 102
Comentários: 10
A chegada do Cristianismo a África

O Cristianismo chegou ao Norte de África no tempo dos Apóstolos de Jesus Cristo. No ano 36 da era cristã (somente cinco anos após o Pentecostes, ou seja, a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos), a fé cristã chegou ao Sudão por meio de um funcionário da rainha Candace, de Meroé.

A tradição cristã atribui ao apóstolo São Marcos, evangelista, a fundação da Igreja em Alexandria, Egipto. Desde então, as comunidades cristãs foram-se multiplicando pelo Norte do continente africano e, no tempo das perseguições romanas – ocorridas até à chegada ao poder do imperador Constantino, no ano de 313 –, muitos foram os cristãos africanos que testemunharam a sua fé através do martírio.

No século iv, o Cristianismo gozava de grande vitalidade nos três reinos da Núbia: Nobadia, com capital em Pachoras (actualmente Faras), Makoria, com capital em Dôngola, na grande enseada do Nilo, e Alodia, com capital em Soba, na confluência do Nilo Azul com o Nilo Branco. Os reis foram baptizados e todos os súbditos recebiam educação cristã.

Depois de divisões políticas e religiosas, quando o rei Mercúrio ascendeu ao poder em Makoria, no ano 697, unificou novamente os três reinos, estabelecendo residência em Dôngola. O novo reino núbio estendia-se de Al-Kasr a poucos quilómetros de Assuão, no Egipto, até à quinta e sexta catarata do rio Nilo. A posição geográfica, no cruzamento entre o Egipto, a África negra e o Mediterrâneo, permitia controlar os principais postos comerciais. Dispunha de ouro, pedras semipreciosas, animais exóticos e todo o tipo de objectos metalúrgicos e de cerâmica.

Uma vez alcançada a unidade política, o rei Mercúrio conseguiu a unidade religiosa. E, graças a esta união, pôde ajudar as comunidades cristãs egípcias, que eram oprimidas pelos árabes.

Depois da morte de Mercúrio, no ano 710, sobreveio em período de instabilidade. Todavia, nem o reino vacilou nem se perdeu a unidade religiosa. Sucedeu-lhe no trono Ciríaco.

O novo rei núbio prosseguiu a política de união de todos os reinos cristãos. Esta era a única forma de fazer frente às forças do Islão. Todos juntos formavam uma barreira, que impedia a expansão muçulmana. Ciríaco sentiu-se tão forte, que se atreveu a organizar uma grande expedição militar para atacar o poder árabe do Egipto.

Após avanços e recuos, em que o poder dos exércitos de Ciríaco era invencível, os muçulmanos tiveram de ceder e seguiram-se dois séculos de consolidação e de auge do reino cristão, assistindo-se a um mensurável desenvolvimento cultural. Este período de esplendor durou até meados do século xiii, altura em que os reinos cristãos foram anexados pelos sultões (príncipes) mamelucos – escravos guerreiros ao serviço dos califas (soberanos), que imperaram no Egipto até 1517. Deste modo, num tempo que era de paz e de prosperidade económica, aconteceram perseguições terríveis a judeus e cristãos.


Maria Bijóias

Título: A chegada do Cristianismo a África

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 102

787 

Imagem por: commanderjaygold

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 10 )    recentes

  • SophiaSophia

    23-05-2014 às 19:33:37

    Aprendi muito com o texto da chegada do cristianismo a África. Hoje pode-se ver que há grande perseguição sofrida por essa região. Como é bom conhecer as origens!!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoLuís A. Rocha Manuel

    21-07-2013 às 23:26:01

    Eu vi e extrai o q me é necessário. gostaria de saber como era o continente africano antes da chegada do Cristianismo... Pelo q sei era uma confusão e ninguém conhecia o Deus todo podereso.... Preciso de mais fundamento..

    ¬ Responder
  • Alcides Sousa

    08-02-2013 às 21:25:03

    Olá, tudo bem??? Gostei bastante do seu texto,gostaria de parabenizá-la, pois o assunto é tratado de forma bem concisa e clara, não sendo fácil para alguns trabalhar a História da África, devido ao pouco tempo que tal disciplina passou a ser obrigatória na grade currícular de escolas e faculdades. Porém, aconselho que seria bom o uso de fontes, para assim, dar mais credibilidade ao texto, pois talvés, algumas críticas feitas por alguns referente ao texto, nasçam do desconhecimento de tal cadeira!! Obrigado!!!

    ¬ Responder
  • sara

    18-09-2012 às 18:53:43

    eu amei mais so que jesus nao era apostolo

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoADELANO CAMARDELLO

    31-01-2014 às 21:29:58

    O SENHOR JESUS e,era e sempre sera um apostolo. POIS entre a trindade um envia o outro. O PAI enviou seu FILHO e o filho enviou o ESPIRITO SANTO,mais tudo foi feito com proposito pois a palavra apostolo no original que dezer ENVIADO...CONTINUI A ESCREVER SOBRE O CRISTIANISMO na Africa, pois precisamos saber como estao nossos irmao.SUCESO emtudo que empreederes a fazer,e que o SENHOR JESUS lhe guarde do homem sem ELE, AMEM.IRMAO Adelano CAMARDELLO DE MANAUS.



    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de Climatizaçãobla blabla

    25-08-2012 às 22:18:40

    muito boom

    ¬ Responder
  • joao carlos vieira da silvajoao carlos vieira da silva

    04-05-2012 às 00:40:19

    gostaria de saber o que esta sendo feito pelas pessoas negras na africa que passa fome qual e a posicao da igreja nesta fase arual tanto catolicos quanto evangelicos e como podemos ajudar.uma ideia sera que se criarmos um selo para os blogeiros ao custo de 1 real ,este poderia ser revertido em alimento as almas que passam fome conforme se ve na internet

    ¬ Responder
  • Antonio CarlosbraunaAlexandra Barbosa dos Santos

    04-03-2012 às 02:30:44

    Jesus não era apostolo e sim o proprio mestre e o proprio Deus qdo pregar sob Jesus estudem a biblia e fale a verdade do nosso mestre e não o que vcs pensem que ele é obrigado

    ¬ Responder
  • jose camposjose campos

    18-02-2012 às 00:49:02

    @Daniel Araújo
    nao existe sao o unico santo so jeus!

    ¬ Responder
  • Daniel AraújoDaniel Araújo

    16-11-2010 às 00:26:48

    Olá Srª. Maria Bijóias, tudo bem??? Vi seu comentario sobre a chegada do cristianismo na África e vi bem interesante. Achei por bem perguntar, caso vc saiba responder... Aqui em seu comentário diz que os primeiros ensinamentos do cristianismo na África chegou por intermedio de um funcionário da rainha Candace, de Meroé; ...E como é visto o São Judas Tadeu discipulo de Jesus na África?

    ¬ Responder

Comentários - A chegada do Cristianismo a África

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Ler próximo texto...

Tema: DVD Filmes
Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.\"Rua
Este texto irá falar sobre o filme Ex_Machina, nele podem e vão ocorrer Spoillers, então se ainda não viram o filme, vejam e voltem depois para lê-lo.

Impressões iniciais:

Ponto para o filme. Já que pela sinopse baixei a expectativa ao imaginar que era apenas mais um filme de robôs com complexo de Pinóquio, mas evidentemente que é muito mais que isso.

Desde as primeiras cenas é possível perceber que o filme tem algo de especial, pois não vemos uma cena de abertura com nenhuma perseguição, explosão ou ação sem propósito, típica em filmes hollywoodianos.
Mais um ponto, pois no geral o filme prende mais nos diálogos cerebrais do que na história em si, e isso é impressionante para o primeiro filme, como diretor, de Alex Garland (também roteirista do filme). O filme se mostrou eficiente em criar um ambiente de suspense, em um enredo, aparentemente sem vilões ou perigos, que prende o espectador.

Entrando um pouco no enredo, não é difícil imaginar que tem alguma coisa errada com Nathan Bateman (Oscar Isaac), que é o criador do android Ava (Alicia Vikander), pois ele vive isolado, está trabalhando num projeto de Inteligência Artificial secreto e quando o personagem orelha, Caleb Smith (Domhnall Gleeson), é introduzido no seu ambiente, o espectador fica esperando que em algum momento ele (Nathan) se mostrará como vilão. No entanto isso ocorre de uma forma bastante interessante no filme, logo chegaremos nela.

Falando um pouco da estética do filme, ponto para ele de novo, pois evita a grande cidade (comum nos filmes de FC) como foco e se concentra mais na casa de Nathan, que fica nas montanhas cercadas de florestas e bastante isolado. Logo de cara já é possível perceber que a estética foi pensada para ser lembrada, e não apenas um detalhe no filme. A pesar do ambiente ser isolado era preciso demonstras que os personagens estão em um mundo modernizado, por isso o cineasta opta por ousar na arquitetura da casa de Nathan.

A casa é nesses moldes novos onde a construção se mistura com o ambiente envolta. Usando artifícios como espelhos, muitas paredes de vidro, estruturas de madeira e rochas, dando a impressão de camuflagem para a mesma, coisa que os ambientalistas julgam favorável à natureza. Por dentro se pode ver de forma realista como podem ser as smart-house, não tenho certeza se o termo existe, mas cabe nesse exemplo. As paredes internas são cobertas com fibra ótica e trocam de cor, um efeito que além de estético ajuda a criar climas de suspense, pois há momentos onde ocorrem quedas de energia, então fica tudo vermelho e trancado.

O papel de Caleb á ajudar Nathan a testar a IA de AVA, mas com o desenrolar da história Nathan revela que o verdadeiro teste está em saber se Ava é capaz de “usar”, ou “se aproveitar” de Caleb, que se demonstra ser uma pessoa boa.

Caleb é o típico nerd introvertido, programador, sem amigos, sem família e sem namorada. Nathan também representa a evolução do nerd. O nerd nos dias de hoje. Por fora o cara é careca, barbudão com uns traços orientais (traços indianos, pois a Índia também fica no Oriente), bebê bastante e ao mesmo tempo malha e mantém uma dieta saudável pra compensar. E por dentro é um gênio da programação que criou, o google, o BlueBook, que é um sistema de busca muito eficiente.

Destaque para um diálogo sobre o BlueBook, onde Nathan fala para Caleb:
“Sabe, meus concorrentes estavam tão obcecados em sugar e ganhar dinheiro por meio de compras e mídia social. Achavam que ferramenta de pesquisa mapeava O QUE as pessoas pensavam. Mas na verdade eles eram um mapa de COMO as pessoas pensavam”.

Impulso. Resposta. Fluido. Imperfeição. Padronização. Caótico.

A questão filosófica vai além disso esbarrando no conceito de “vontade de potência”, de Nietzche, mas sobre isso não irei falar aqui, pois já há textos muito bons por aí.

Tem outra coisa que o filme me lembrou, que eu não sei se é referência ou se foi ocasional, mas o local onde Ava está presa e a forma como ela fica deitada num divã, e questiona se Caleb a observa por detrás das câmeras, lembra o filme “A pele que habito” de Almodóvar, um outro filme excelente que algum dia falarei por aqui.

Talvez seja uma versão “O endoesqueleto de metal e silicone que habito”, ou “O cérebro positrônico azul que habito”, mesmo assim não podia deixar de citar a cena por que é muito interessante.

Pesquisar mais textos:

Jhon Erik Voese

Título:Ex-Machina e a máxima: cuidado ao mexer com os robôs.

Autor:Jhon Erik Voese(todos os textos)

Imagem por: commanderjaygold

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Suassuna 11-09-2015 às 02:03:47

    Gostei do texto, irei conferir o filme.

    ¬ Responder
  • Jhon Erik VoeseJhon Erik Voese

    15-09-2015 às 15:51:02

    Que bom, obrigado! Espero que goste do filme também!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios