Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Literatura > A vida diária no tempo de D.Afonso Henriques

A vida diária no tempo de D.Afonso Henriques

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Literatura
Visitas: 4
Comentários: 1
A vida diária no tempo de D.Afonso Henriques

A maioria da população era constituída por camponeses pobres, que habitavam casa só com uma divisão, sem mesa, camas ou cadeiras.

As casas eram feitas de pedra ou de madeira e no seu interior estava a lareira, onde se cozinhava e a família tomava a refeição do final do dia, a ceia e onde se conversava.
As pessoas levantavam-se muito cedo e deitavam-se ao anoitecer, aproveitando ao máximo a luz do dia.

A sua alimentação era à bese de pão de cevada, centeio e sopas com todo o tipo de vegetais disponíveis como couves, nabos, cebolas e milho miúdo. Em diversas refgiões, as castanhas constituíam um alimento importante, sendo secas e conservadas para consumir todo o ano.

Muito raramente comiam carne, exeto porco fumado ou salgado, normalmente toucinho, ou pequenos animais caçados, tais como coelhos, perdizes e outras aves. Faziam a matança do porco, no inverno, que era um momento festivo, na sequência da qual a alimentação melhorava durante uns dias.

Contudo, a maior parte dessa carne era salgada e fumada, para ser conservada durante o ano. Era cozinhada na lareira, com lenha e em recepiente de barro.

O vinho era consumido por todos, independentemente do sexo e da idade, pois as águas eram muitas vezes contaminadas. Além disso, o vinho fornecia muitas calorias, que compensavam a falta de alimentos e davam energia para os trabalhos mais duros.

A alimentação dos nobres era muito rica, pois incluía pão de trigo e muita carne de caça, como veados e javali, bem como os melhores alimentos produzidos pelos caponeses que entregavam aos senhores como parte dos impostos ou rendas que pagavam.

No século XII, quando se formou o reino, as pessoas levavam uma existência bastante diferente daquela que temos atualmente. Com eeito, casavam cedo, a partir dos doze anos, as raparigas e catorze os rapazes e não iam à escola.

A esperança média de vida era muito baixa e a mortalidade infantil bastante elevada.
Muitas crianças não chegavam a nacer, devido aos problemas de saúde e carências alimentares.

Normalmente não chegavam aos oitenta anos e a morte era preparada de acordo com as regras religiosas, que asseguravam a salvação da alma.

Dos costumes, no tempo do primeiro rei de portugal, há muita literatura, pinturas e frescos a retratá-la.


Teresa Maria Batista Gil

Título: A vida diária no tempo de D.Afonso Henriques

Autor: Teresa Maria Gil (todos os textos)

Visitas: 4

645 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoDaniela Vicente

    10-09-2012 às 13:24:09

    Todos nós temos uma ideia de como era a vida antigamente: pobre, muito pobre. Contudo, desconhecia todos os pormenores. Não sei em que se baseou, mas eu gostei do texto, até porque adoro história e sociologia. Duas combinações fantásticas. Na História, muitos esquecem-se que esta não é só feita de datas e de grandes feitos históricos. A História também passa por estes temas: o quotidiano dos camponeses, da nobreza, dos reis, entre outros.

    ¬ Responder

Comentários - A vida diária no tempo de D.Afonso Henriques

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O que é uma Open House?

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Imóveis Venda
O que é uma Open House?\"Rua
Este é um tema que vem pôr muito a lindo o trabalho de alguns mediadores imobiliários e do seu trabalho.

Quando temos um imóvel para vender, muitos são os métodos a utilizar e os meios que nos levam até eles para termos o nosso objetivo cumprido – A venda da Casa.
Quando entregamos o nosso imóvel para que uma mediadora o comercialize, alguns aspetos têm de ser tidos em conta, como a legalidade da empresa e quem será a pessoa responsável pela divulgação da sua casa, mas a ansia de vermos o negócio concretizado é tanta, que muitas vezes nos escapa a forma como fazem a referida divulgação e publicidade do imóvel.

Entre anúncios na internet e as conhecidas folhas nas montras dos estabelecimentos autorizados, muitas mediadoras optam por fazer uma ação que está agora muito em voga que é uma Open House. Mas afinal, o que é isto de nome estrangeiro que tanto se vê pelas ruas e em folhetos de anúncio?

Ora bem, a designação em Português é muito simples – Casa Aberta. E na realidade, uma Open House é isso mesmo. Abrir uma Casa para que todos a possam ver. NO entanto, requerem-se alguns aspetos que as mediadoras normalmente preveem, mas que é fundamental que o proprietário do imóvel também tenha consciência e conhecimento.

Por norma as imobiliárias só fazem este tipo de intervenção e ação em imóveis que têm como exclusivo, isto é, quando é uma só determinada mediadora, a autorizada a poder comercializar o imóvel.

Em segundo lugar, este tipo de ação de destaque requer à mediadora custos com tempo, recursos humanos e financeiros.
A mediadora começa por marcar um dia próprio que por norma é datado para um feriado ou fim de semana. Faz então publicidade local através de folhetos e flyres anunciando a Open House, o dia e a hora, tal como o local. Muito provavelmente serão tiradas fotografias ao seu imóvel.

Através de redes sociais também poderão ser divulgadas as ações.
No dia da Open House, o local será indicado com publicidade da sua casa e da imobiliária e começarão a aparecer visitas ao imóvel.

Sugiro que não tenha mobiliário e muito menos valores em casa. O ideal será o imóvel estar desocupado de todos e quaisquer bens, por uma questão de segurança, mas também porque as áreas parecerão maiores e isso com toda a certeza ajuda à venda.

A imobiliária será responsável pela limpeza e trato do imóvel, pelo que se ocorrerem danos, serão eles os responsáveis.
Neste tipo de ações, é normal que a concorrência das imobiliárias apareça e faça parcerias que para si só trará vantagens.

Uma Open House pode não ser uma ação de destaque em Portugal, mas por exemplo nos Estados Unidos, é o normal e mais agradável. Os clientes não se sentem pressionados como numa visita normal e os negócios concretizam-se com muito mais rapidez e naturalidade.

Pesquisar mais textos:

Carla Horta

Título:O que é uma Open House?

Autor:Carla Horta(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios