Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > TV HIFI > O papel da televião

O papel da televião

Categoria: TV HIFI
Visitas: 6
Comentários: 1
O papel da televião

Um dos grandes marcos da modernidade foi, sem dúvida, o aparecimento da televisão. Até o burro, quando viu a zebra na TV observou: «Este mundo está mesmo mudado! Agora já saiem à rua de pijama…!» O certo é que, efectivamente, as rotinas, a forma de pensar e avaliar, as prioridades, os interesses, e toda uma série de outras coisas se transformou substancialmente, quer pelo encantamento que esta descoberta originou, quer pela maior cultura que, entretanto, se foi adquirindo.

Na verdade, a difusão do conhecimento e de modos de estar distintos, a baixo preço e sem necessidade de sair de casa (só talvez à da vizinha, antes da generalização da posse dos aparelhos) motivou uma “revolução silenciosa” e progressiva. Em relativamente poucos anos, os panoramas familiar, social, educacional, político, económico, etcétera, alteraram-se de forma significativa.

A enorme projecção da publicidade televisiva, acompanhada por uma efectiva melhoria das condições de vida, fez disparar o consumo dos produtos mais publicitados.
Criaram-se protótipos de beleza que todos queriam seguir. Veicularam-se modas (esquisitíssimas, por sinal), que constituíam o must da altura.
Apelava-se ao desenvolvimento pessoal através da aquisição disto ou daquilo. Chegou-se a um ponto em que a actividade publicitária era tão valorizada (porque, na realidade, é ela que financia as estações emissoras) e intensa que se definia a programação que os canais passavam como «aqueles programinhas que dão no intervalo dos reclames»!

As pessoas ficavam embasbacadas com o que viam, e tinham-no quase como um dogma, não possuindo ainda espírito crítico para aferir acerca da muito possível falibilidade de uma concepção, afinal, humana.
Endeusavam a “caixinha mágica”, talvez por não dominarem o mecanismo desta “magia”.
Pasmavam com o que sentiam ser transmitido para si. De facto, a sensação é de que os olhos que fixam a câmara estão a olhar para nós. Até havia quem não trocasse de roupa à frente do televisor para que os “homenzinhos”, do outro lado, não invadissem a sua privacidade…

Hoje, e não obstante uma enorme evolução aos mais variados níveis, muito falta ainda caminhar no sentido da construção desta alma reclamante e crítica, pois o respeito pelos espectadores sucumbe frequentemente a interesses de outra natureza, e aqueles que deviam constituir o objectivo primeiro e o alvo preferencial de qualquer acção no âmbito da comunicação social por excelência, acabam por ser preteridos e relegados para um papel de passividade, que não têm, de modo nenhum, o dever de representar.



Maria Bijóias

Título: O papel da televião

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 6

606 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    04-06-2014 às 06:40:20

    Muitas pessoas pensam que a televisão é a única forma de estar informada. Engano. Ela é apenas mais um canal.
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - O papel da televião

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios