Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Serviços Construção > A Ética na Construção

A Ética na Construção

Visitas: 190
Comentários: 3
A Ética na Construção

Já lá vão os tempos dos serviços de construção em que a confiança pautava, quer da parte contratante, quer da contratada, uma relação séria, em que se procurava cumprir, com rigor e eficiência, um plano arquitectónico bem delineado, com condições e materiais acordados a priori. Infelizmente, o valor da palavra apresenta hoje uma quebra imensa a nível geral, o que favorece em muito o mercado de enganos global. Assim sendo, a não existir um estreito controlo, não é raro cobrarem-se ocasiões de verdadeiro ócio como horas de labuta árdua, momentos que se passam a contemplar as meninas que vão na rua e a dirigir-lhes piropos, mais ou menos tolos, pretensiosos e batidos, como tarefas de minúcia, pausas ilegítimas como válidos acabamentos, e por aí adiante. Da mesma forma, os clientes são iludidos, amiúde, no que concerne à quantidade e à qualidade do material que escolheram e que, confiam, estará a ser aplicado.

De facto, a questão da ética profissional é, em variados ramos, e no da construção em particular, maltratada e menosprezada, para não dizer mesmo esquecida. Pena é que não pese sobre os trabalhadores e supervisores a responsabilidade das consequências que podem advir de serviços mal feitos e perigos não acautelados. Atente-se nas notícias de acidentes de trabalho, em que, na maioria dos casos, a morte ou a deficiência adquirida poderiam perfeitamente ser evitadas, se as normas de segurança tivessem sido observadas! Deste modo, e sempre que possível, quem encomenda serviços de construção deve tomar a seu cargo a vigilância apertada sobre todas as pessoas e procedimentos que a obra envolve, pedindo explicações e efectuando reclamações quando necessário.

A falta de escrúpulos vigente, e até de uma certa consciência, leva a que o comprador só pense no pagamento depois de verificados todos os parâmetros, e, às vezes, apetece, inclusive, deixar decorrer algum tempo, digamos de garantia, para aferir da consistência do que está feito… Assim, por um lado, poder-se-á exercer alguma pressão no sentido de maior perfeição, e, por outro, não se corre o risco de ouvir dizer que o empreiteiro, o canalizador, o electricista, o pedreiro, ou qualquer outro operário desapareceu depois de receber o dinheiro, “esquecendo-se” de terminar aquilo por que foi pago… Às vezes, até parece, como cúmulo, que os coletes que se usam nas obras denotam um estranho medo do cimento armado! Ou, então, vigora a teoria de que o trabalho faz suar, o suor é humidade, a humidade faz mal à saúde e, portanto, existe um forte receio de apanhar uma pneumonia...!

Maria Bijóias

Título: A Ética na Construção

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 190

792 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    22-09-2014 às 14:23:23

    Encontramos muito essa falta de ética na construção, infelizmente! Mas, não podemos esquecer que devemos procurar profissionais sérios, comprometidos com o exercício de sua profissão.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    01-06-2014 às 04:38:00

    Muitas vezes, a ética na construção fica muito a desejar. Parece que o dinheiro é que comenda as pessoas e não a transparência, honestidade no serviço. Infelizmente, isso tem sido comum, esperamos melhorar!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoGercival Araujo

    12-05-2009 às 23:16:00

    Muito bom o tema e o texto, estamos realmente decadentes, precisamos conscientizar essa geração de iniciantes,que a moral e o bom censo são valores impagaveis.

    ¬ Responder

Comentários - A Ética na Construção

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Os descendentes de Eça

Ler próximo texto...

Tema: Literatura
Os descendentes de Eça\"Rua
Recentemente, por via da comunicação social, soubemos da entrega do prémio Leya, a um trineto de Eça de Queirós. Julgo que bastou essa noticia, para que todos ficássemos curiosos sobre os seus descendentes…esse mistério, como o Mistério da Estrada de Sintra, começou a adensar-se entre quem se interessa por estas coisas da literatura e da genealogia…então aqui deixo algumas notas que poderão ser importantes para quiçá, um dia, um qualquer jornalista, ou editor, se lembre, de conseguir reunir todos os seus descendentes vivos e se tire uma fotografia de família.

José Maria Eça de Queirós, escritor pródigo da nossa nação, contraiu matrimónio em 1886, com Emília de Castro Pamplona Resende, condessa de Resende, deixando à data de sua morte, em Paris, quatro filhos como seus descendentes e herdeiros diretos; foram eles António Eça de Queirós, Maria Eça de Queirós, Alberto Eça de Queirós e José Maria Eça de Queirós; portanto três meninos e uma menina.
Através do site Geneall.net, foi possível perceber as linhas genealógicas que se seguiram aos seus filhos. No entanto, nem todos os nomes dos seus bisnetos e trinetos estão aí presentes, com certeza por motivos de ordem pessoal, de resguardo da privacidade, motivos que não podemos questionar. Porém, é possível, pelo menos determinar a existência desses membros da família queirosiana.

De antemão sabemos que não houve descendência por parte de dois dos seus filhos, António Eça de Queirós e de Alberto Eça de Queirós.
Maria Eça de Queirós teve dois filhos, uma menina e um menino, porém a menina morreu muito nova, ficando apenas o menino, de seu nome Manuel Pedro Benedito de Castro, que mais tarde casou com Maria da Graça Salema de Castro, a mulher que se tornou a primeira diretora da Fundação Eça de Queirós, na casa de Tormes, pertença da família da esposa de Eça de Queirós. Como Manuel Pedro Benedito de Castro não teve filhos, sabemos que por este ramo, terminou a descendência do escritor.

Convém, entretanto, acrescentar aqui uma curiosidade. Depois do regresso a Portugal da viúva de Eça, ela e os filhos, foram residir para a casa da Granja, pertencente à família de Sophia de Mello Breyner. Inicialmente como esta casa costumava ser arrendada pela família de Sophia, Emília de Castro, arrendou-a, vindo a compra-la uns anos depois. Portanto, é aqui nesta casa que ela cria os seus filhos, e é onde, José Maria Eça de Queirós, um dos seus filhos, permanece após a sua morte, tendo criado aqui os seus filhos e netos, e tendo aqui também falecido.

Podemos então seguramente afirmar que a sua grande linha de descendência parte do seu filho, com o mesmo nome, José Maria Eça de Queirós, que teve também ele, atente-se à curiosidade, quatro filhos, neste caso, ao inverso, um menino, e três meninas, respetivamente de seus nomes, Manuel Eça de Queirós, Maria das Dores Eça de Queirós, Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós e Emília Maria de Castro Eça de Queirós. Esta ultima, Emília, teve ao que consta nove filhos, sendo que um deles, Afonso Maria Eça de Queirós Cabral, é quem atualmente preside à Fundação acima citada, depois da morte da primeira presidente, referida atrás, Maria da Graça Salema de Castro.

Manuel Eça de Queirós por sua vez teve seis filhos, Maria das Dores Eça de Queirós teve três filhos, e Matilde Maria de Castro de Eça de Queirós, dois filhos. Somados, contabilizamos vinte, os bisnetos do famoso escritor. Seria interessante avançar um pouco mais nos ramos genealógicos e aflorar quem são ou pelo menos, quantos são os trinetos e tetranetos de Eça, por conseguinte fica aqui o desafio, pois é certo que porventura alguns destes descendentes não se conhecem, e nunca terão trocado qualquer impressão sobre o seu ascendente, para uns, bisavô, para outros trisavô, e ainda para outros, tetravô.

Pesquisar mais textos:

Liliana Félix Leite

Título:Os descendentes de Eça

Autor:Liliana Félix Leite(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios