Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Serviços Construção > A Ética na Construção

A Ética na Construção

Visitas: 190
Comentários: 3
A Ética na Construção

Já lá vão os tempos dos serviços de construção em que a confiança pautava, quer da parte contratante, quer da contratada, uma relação séria, em que se procurava cumprir, com rigor e eficiência, um plano arquitectónico bem delineado, com condições e materiais acordados a priori. Infelizmente, o valor da palavra apresenta hoje uma quebra imensa a nível geral, o que favorece em muito o mercado de enganos global. Assim sendo, a não existir um estreito controlo, não é raro cobrarem-se ocasiões de verdadeiro ócio como horas de labuta árdua, momentos que se passam a contemplar as meninas que vão na rua e a dirigir-lhes piropos, mais ou menos tolos, pretensiosos e batidos, como tarefas de minúcia, pausas ilegítimas como válidos acabamentos, e por aí adiante. Da mesma forma, os clientes são iludidos, amiúde, no que concerne à quantidade e à qualidade do material que escolheram e que, confiam, estará a ser aplicado.

De facto, a questão da ética profissional é, em variados ramos, e no da construção em particular, maltratada e menosprezada, para não dizer mesmo esquecida. Pena é que não pese sobre os trabalhadores e supervisores a responsabilidade das consequências que podem advir de serviços mal feitos e perigos não acautelados. Atente-se nas notícias de acidentes de trabalho, em que, na maioria dos casos, a morte ou a deficiência adquirida poderiam perfeitamente ser evitadas, se as normas de segurança tivessem sido observadas! Deste modo, e sempre que possível, quem encomenda serviços de construção deve tomar a seu cargo a vigilância apertada sobre todas as pessoas e procedimentos que a obra envolve, pedindo explicações e efectuando reclamações quando necessário.

A falta de escrúpulos vigente, e até de uma certa consciência, leva a que o comprador só pense no pagamento depois de verificados todos os parâmetros, e, às vezes, apetece, inclusive, deixar decorrer algum tempo, digamos de garantia, para aferir da consistência do que está feito… Assim, por um lado, poder-se-á exercer alguma pressão no sentido de maior perfeição, e, por outro, não se corre o risco de ouvir dizer que o empreiteiro, o canalizador, o electricista, o pedreiro, ou qualquer outro operário desapareceu depois de receber o dinheiro, “esquecendo-se” de terminar aquilo por que foi pago… Às vezes, até parece, como cúmulo, que os coletes que se usam nas obras denotam um estranho medo do cimento armado! Ou, então, vigora a teoria de que o trabalho faz suar, o suor é humidade, a humidade faz mal à saúde e, portanto, existe um forte receio de apanhar uma pneumonia...!

Maria Bijóias

Título: A Ética na Construção

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 190

792 

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 3 )    recentes

  • Briana AlvesBriana

    22-09-2014 às 14:23:23

    Encontramos muito essa falta de ética na construção, infelizmente! Mas, não podemos esquecer que devemos procurar profissionais sérios, comprometidos com o exercício de sua profissão.

    ¬ Responder
  • SophiaSophia

    01-06-2014 às 04:38:00

    Muitas vezes, a ética na construção fica muito a desejar. Parece que o dinheiro é que comenda as pessoas e não a transparência, honestidade no serviço. Infelizmente, isso tem sido comum, esperamos melhorar!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder
  • M.L.E.- Soluções de ClimatizaçãoGercival Araujo

    12-05-2009 às 23:16:00

    Muito bom o tema e o texto, estamos realmente decadentes, precisamos conscientizar essa geração de iniciantes,que a moral e o bom censo são valores impagaveis.

    ¬ Responder

Comentários - A Ética na Construção

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Ler próximo texto...

Tema: Viagens
Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco\"Rua
Não é novidade para ninguém que o Brasil está passando por uma séria crise econômica e política. Atrelado a isso, a elevação do dólar nos últimos meses tem contribuído para a queda considerável no número de viagens internacionais. Para os amantes de viagens, também chamados travelholics, a crise não é um motivo para adiar aquela viagem tão esperada.
Nesse post você terá dicas de como superar esse momento e realizar seu sonho de uma forma mais econômica, sem precisar de guias turísticos, que encarecem ainda mais a viagem.

Dica 1) Planeje sua viagem com antecedência.
Provavelmente a maioria já ouviu falar disso, mas é a pura verdade. Programar a viagem é o primeiro passo para uma estadia tranquila e bem mais barata. Escolher o destino, a época do ano e com quem ir é o começo de tudo. As passagens aéreas costumam ter preços promocionais quando comprada com antecedência e você poderá escolher melhor onde passará as noites.

Dica 2) Pesquise os preços das passagens diariamente.
Se o destino já está definido, comece a buscar as passagens já. Os preços costumam variar diariamente, e sim, podem cair ou subir absurdamente de um dia para o outro. Eu super indico o Google Voos como busca de passagem. Ele apresenta os valores e os horários das mais variadas companhias aéreas e no final, te redireciona para o site da empresa sem te cobrar nenhuma taxa por isso. Além disso, ter em mente a opção de flexibilizar as datas pode te possibilitar um bom desconto no final. Você e o seu vizinho de assento podem estar indo pro mesmo destino, mas pagando valores completamente diferentes.

Dica 3) Use e abuse do Google Maps para escolher a região de hospedagem.
O Google Maps é uma opção de busca com mil e uma utilidades. Depois de escolhida a cidade, pesquise a localização dos principais pontos turísticos que são do seu interesse. Há várias ferramentas para busca de hotéis e pontos turísticos no site. Se você vai depender de transporte público ou ''viação pé'' para conhecer a cidade, uma boa dica para economizar tempo e dinheiro é ficar na região cultural da cidade. Você poderá pagar um pouco mais caro na estadia, mas economizará em outros quesitos.

Dica 4) Utilize os sites de busca de hotéis para fazer as reservas.
Depois de muito pesquisar, descobri que organizar a viagem por conta própria pode sair até pela metade do preço do que seria através de uma agência de viagem. Existem muitos sites de hotéis, mas é bom pesquisar sua credibilidade em fóruns e sites de reclamação. Minha sugestão é o Booking.com, há anos no mercado com milhões de clientes, ele é reconhecido pela sua transparência e grande assistência àqueles que precisaram resolver algum problema. Utilizando as datas de entrada e saída, e os filtros como valor máximo da diária e número de estrelas, você encontra o melhor hotel pro seu gosto e seu bolso.

Dica 5) Seguro Viagem
É imprescindível a contratação de um seguro viagem se você está indo para o exterior. Dependendo do país, uma diária no hospital pode sair mais cara que toda a viagem. Sem falar que em caso de extravio de bagagem e algum problema mais grave com um parente próximo no país de origem, além de outras questões, o seguro tem a cobertura específica. Não se deixe levar pelos pequenos preços. Procure aqueles conhecidos mundialmente e, de preferência, utilizado por algum conhecido. Quanto mais detalhado for, melhor.

Dica 6) Curta a pré-viagem pesquisando
O período antes da viagem é tão gostoso quanto ela, propriamente dita. Aproveite para pesquisar sobre os locais do seu interesse, restaurantes, lojas e principalmente transporte. Hoje, já existe taxímetro online em grandes metrópoles, onde você pode fazer um cálculo estimado da corrida de um lugar a outro. Como o nosso objetivo é a economia, são muitas as alternativas de transporte. Além do bom e velho ônibus, as vans compartilhadas do aeroporto para o hotel podem sair bem mais em conta que o táxi. Para quem for ficar poucos dias em uma grande cidade, os ônibus vermelhos de dois andares, conhecidos por Hop On Hop Off, dão uma geral na cidade, passando pelos principais pontos e possibilitando ao turista parar onde quiser, e esperar pelo próximo nos pontos indicados. Existem ticktes de 24, 48 e 72 horas ilimitado, a partir do momento do primeiro uso.

Pesquisar mais textos:

Letícia Spínola Flávio

Título:Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Autor:Letícia Spínola Flávio(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Adriana SantosAdriana Santos

    10-11-2015 às 21:16:50

    Gostei das dicas! Valeu!
    Realmente, as pessoas que amam viajar encontram diversas formas, nem que seja um lugar próximo a sua cidade!

    Abraços!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios