Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Sistemas de alarme que se devem preferir

Sistemas de alarme que se devem preferir

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Categoria: Segurança
Comentários: 1
Sistemas de alarme que se devem preferir

Num mundo onde grassa a insegurança, a instalação de sistemas de alarme é uma opção a que um número crescente de pessoas recorre, com o intuito de apaziguar um pouco mais o espírito e garantir a integridade da sua própria existência e dos objetos valiosos, como é o caso da habitação.

De uma forma sucinta, trata-se de um detetor que regista os movimentos ou qualquer situação que fuja à normalidade (um vidro a partir, …), endereçando um sinal ao sistema central, responsável pelo acionamento do alarme. Este pode ser acionado através de uma sirene e/ou de luzes, que instiguem à retirada do(s) invasor(es) e publicitem o acontecimento, para que os próprios moradores, os vizinhos ou transeuntes se inteirem e a polícia possa localizar o local em tempo útil, ou mediante um sistema de transmissão telefónica, que, consubstanciando uma opção mais rara, marca automaticamente os números de telefone que constem da programação, transmitindo um recado de advertência.

Existem também aparelhos eletrónicos menos complexos, para o exterior, que ligam, por meio de um automatismo, a iluminação sempre que alguém se aproxime da casa. A escuridão deixa, deste modo, de dar abrigo aos intrusos, que veem a sua silhueta iluminada antes mesmo de concretizarem os seus intentos de entrada. Por outro lado, em caso de falso alarme, poupa bastante os ouvidos de quem se encontrar nas imediações, por serem silenciosos.

Já no interior da casa, a deteção pode ser feita por meio de detetores perimétricos (que funcionam, usualmente, com base em contactos magnéticos impulsionados pela abertura de portas ou janelas. Há outros tipos - células fotoelétricas, contactos por vibração, … -, mas são francamente menos empregues e até menos recomendáveis, à exceção dos detetores de arrombamento de vidros), ou volumétricos (que, recorrendo a infravermelhos passivos, sensíveis ao calor do corpo, ou a ultrassons, dão conta da presença de qualquer indivíduo dentro de casa, não importando a via utilizada para entrar.

O alarme de porta resume-se a um pequeno mecanismo a pilhas que dinamiza uma sirene interior quando a porta é aberta. É pouco oneroso, mas de eficácia reduzida, uma vez que o ruído da sirene pode ser fraco, o aparelho não está preservado da destruição e um impacto mais forte é passível de desligar o som da sirene.

Os falsos alarmes constituem a grande desvantagem dos sistemas de proteção eletrónica. E a maior sensibilidade do sistema é acompanhada na mesma proporção pela possibilidade de ocorrência de erros. O equipamento não é, contudo, o único culpado dos enganos. Esquecer-se de fechar uma porta ou uma janela ou possuir animais domésticos, entre outros, também faz disparar o alarme fora de ocasião.

Existem, presentemente, detetores combinados, capazes de reduzir a eventualidade de falsos alarmes; não obstante, são mais dispendiosos e de regulação mais melindrosa.


Maria Bijóias

Título: Sistemas de alarme que se devem preferir

Autor: Maria Bijóias (todos os textos)

Visitas: 0

664 

Imagem por: ILoveMyPiccolo

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários     ( 1 )    recentes

  • SophiaSophia

    29-05-2014 às 05:45:46

    Geralmente, esses sistemas de alarme quando deveriam funcionar, não funcionam. É preciso estar atento a qualidade, tipo, marca. Mesmo que seja um custo maior, mas é mais vantajoso!
    Cumprimentos,
    Sophia

    ¬ Responder

Comentários - Sistemas de alarme que se devem preferir

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Ler próximo texto...

Texto escrito nos termos do novo acordo ortográfico.
Tema: Viagens
Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco\"Rua
Não é novidade para ninguém que o Brasil está passando por uma séria crise econômica e política. Atrelado a isso, a elevação do dólar nos últimos meses tem contribuído para a queda considerável no número de viagens internacionais. Para os amantes de viagens, também chamados travelholics, a crise não é um motivo para adiar aquela viagem tão esperada.
Nesse post você terá dicas de como superar esse momento e realizar seu sonho de uma forma mais econômica, sem precisar de guias turísticos, que encarecem ainda mais a viagem.

Dica 1) Planeje sua viagem com antecedência.
Provavelmente a maioria já ouviu falar disso, mas é a pura verdade. Programar a viagem é o primeiro passo para uma estadia tranquila e bem mais barata. Escolher o destino, a época do ano e com quem ir é o começo de tudo. As passagens aéreas costumam ter preços promocionais quando comprada com antecedência e você poderá escolher melhor onde passará as noites.

Dica 2) Pesquise os preços das passagens diariamente.
Se o destino já está definido, comece a buscar as passagens já. Os preços costumam variar diariamente, e sim, podem cair ou subir absurdamente de um dia para o outro. Eu super indico o Google Voos como busca de passagem. Ele apresenta os valores e os horários das mais variadas companhias aéreas e no final, te redireciona para o site da empresa sem te cobrar nenhuma taxa por isso. Além disso, ter em mente a opção de flexibilizar as datas pode te possibilitar um bom desconto no final. Você e o seu vizinho de assento podem estar indo pro mesmo destino, mas pagando valores completamente diferentes.

Dica 3) Use e abuse do Google Maps para escolher a região de hospedagem.
O Google Maps é uma opção de busca com mil e uma utilidades. Depois de escolhida a cidade, pesquise a localização dos principais pontos turísticos que são do seu interesse. Há várias ferramentas para busca de hotéis e pontos turísticos no site. Se você vai depender de transporte público ou ''viação pé'' para conhecer a cidade, uma boa dica para economizar tempo e dinheiro é ficar na região cultural da cidade. Você poderá pagar um pouco mais caro na estadia, mas economizará em outros quesitos.

Dica 4) Utilize os sites de busca de hotéis para fazer as reservas.
Depois de muito pesquisar, descobri que organizar a viagem por conta própria pode sair até pela metade do preço do que seria através de uma agência de viagem. Existem muitos sites de hotéis, mas é bom pesquisar sua credibilidade em fóruns e sites de reclamação. Minha sugestão é o Booking.com, há anos no mercado com milhões de clientes, ele é reconhecido pela sua transparência e grande assistência àqueles que precisaram resolver algum problema. Utilizando as datas de entrada e saída, e os filtros como valor máximo da diária e número de estrelas, você encontra o melhor hotel pro seu gosto e seu bolso.

Dica 5) Seguro Viagem
É imprescindível a contratação de um seguro viagem se você está indo para o exterior. Dependendo do país, uma diária no hospital pode sair mais cara que toda a viagem. Sem falar que em caso de extravio de bagagem e algum problema mais grave com um parente próximo no país de origem, além de outras questões, o seguro tem a cobertura específica. Não se deixe levar pelos pequenos preços. Procure aqueles conhecidos mundialmente e, de preferência, utilizado por algum conhecido. Quanto mais detalhado for, melhor.

Dica 6) Curta a pré-viagem pesquisando
O período antes da viagem é tão gostoso quanto ela, propriamente dita. Aproveite para pesquisar sobre os locais do seu interesse, restaurantes, lojas e principalmente transporte. Hoje, já existe taxímetro online em grandes metrópoles, onde você pode fazer um cálculo estimado da corrida de um lugar a outro. Como o nosso objetivo é a economia, são muitas as alternativas de transporte. Além do bom e velho ônibus, as vans compartilhadas do aeroporto para o hotel podem sair bem mais em conta que o táxi. Para quem for ficar poucos dias em uma grande cidade, os ônibus vermelhos de dois andares, conhecidos por Hop On Hop Off, dão uma geral na cidade, passando pelos principais pontos e possibilitando ao turista parar onde quiser, e esperar pelo próximo nos pontos indicados. Existem ticktes de 24, 48 e 72 horas ilimitado, a partir do momento do primeiro uso.

Pesquisar mais textos:

Letícia Spínola Flávio

Título:Como burlar a crise e fazer a viagem dos sonhos gastando pouco

Autor:Letícia Spínola Flávio(todos os textos)

Imagem por: ILoveMyPiccolo

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Adriana SantosAdriana Santos

    10-11-2015 às 21:16:50

    Gostei das dicas! Valeu!
    Realmente, as pessoas que amam viajar encontram diversas formas, nem que seja um lugar próximo a sua cidade!

    Abraços!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios