Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Segurança > Pânico cabeludo: saiba o que é!

Pânico cabeludo: saiba o que é!

Categoria: Segurança
Visitas: 3
Pânico cabeludo: saiba o que é!

Quem não se lembra de ver filmes western antigos? A primeira imagem que vem à memória talvez seja a do típico cowboy, de ar austero e calejado pela vida dura, normalmente a segurar uma arma ou envolvido em alguma espécie de conflito com outros cowboys.

A paisagem circundante também não variava muito: uma cidade desolada, com casas de madeira, muita poeira a voar e, por vezes, bolas de mato seco a rolar, empurradas pelo vento da estepe árida e seca.

Ora, pois são estas mesmas bolas de mato seco (chamadas de «tumbleweeds», em inglês) que costumam assolar regiões áridas da América do Norte e Austrália. O leitor pode estranhar o facto de um arbusto seco poder causar algum tipo de problema, mas se imaginar centenas de «tumbleweeds» a rolarem na direção de casas, estradas e carros, então, já poderá compreender melhor a questão. A expressão «pânico cabeludo» deriva diretamente do inglês «hairy panic» e serve para caraterizar situações em que, por exemplo, casas e carros são literalmente engolidos por estes arbustos.

A solução, nestes casos, passa por limpar as áreas circundantes da habitação com moto-serras ou, em casos declarados de emergência, chamar as autoridades competentes, que terão de intervir com maquinaria pesada. Um dos maiores riscos associados a estes arbustos é que são altamente inflamáveis, uma vez que estão secos e o ambiente em redor é quente, seco e ventoso. Uma casa ou um carro poderiam desaparecer em pouco tempo se um incêndio ocorresse.
As origens deste arbusto não estão, como se poderia pensar, na América do Norte, mas sim na Ucrânia, quando agricultores imigrantes os trouxeram e plantaram (com objetivos agrícolas) em solo norte-americano.


A planta, por si só, não possui nenhum valor especial; contudo há pessoas que gostam de a ver rebolar pelos campos áridos. Em cidades do Arizona, Estados Unidos, há habitantes que constroem árvores de Natal a partir dos famosos «tumbleweeds». Ou seja, o seu valor parece ser unicamente decorativo.
E por que motivo a planta corre, levada pelo vento? Sendo um arbusto, quando seca, a raiz da planta desprende-se do solo e, auxiliada pelo vento, percorre longas distâncias pelo terreno seco até se depositar definitivamente em áreas húmidas, onde fica presa e, eventualmente, se desfaz.

Este processo é muito importante para a reprodução da planta, uma vez que as suas sementes vão caindo ao longo da trajetória e dando origem a novos arbustos.
Se ficou com saudades de ver um bom filme western, então preste atenção a estes arbustos cabeludos: é caso para dizer, já fazem parte da paisagem!


Isabel Rodrigues

Título: Pânico cabeludo: saiba o que é!

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 3

0 

Comentários - Pânico cabeludo: saiba o que é!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

Um sinal de compromisso

Ler próximo texto...

Tema: Jóias Relógios
Um sinal de compromisso\"Rua
Exibir uma aliança de compromisso é, frequentemente, motivo de orgulho e, quando se olha para ela, vai-se rodando-a no dedo e fica-se com aquela expressão ridícula na cara.

Uma questão se coloca: qual a razão de estas alianças de compromisso serem tão fininhas: será porque os seus principais clientes, os jovens, são sujeitos de poucas posses (tendendo as mesadas a emagrecer ainda mais com a crise generalizada) ou porque esse compromisso, não obstante a paixão arrebatadora, é frágil e inseguro?

Sim, porque aqui há que fazer cálculos matemáticos: x compromissos vezes y alianças…com um orçamento limitado sobre um fundo sentimental infinito…

Depois, importa perpassar os tipos destas alianças. Há as provisórias, que duram em média quinze dias; há as voadoras, que atravessam os ares à velocidade da luz quando a coisa dá para o torto; há as que insistem em cair do dedo, sobretudo em momentos em que ter um compromisso se revela extremamente inoportuno; e depois há as residentes, que uma vez entradas não tornam a sair.

Os pombos-correios usam anilhas onde figuram códigos que os identificam. Talvez não fosse completamente descabido fazer umas inscrições deste género em algumas alianças de compromisso por aí…

Só para ajudar os mais esquecidos a recordarem a que “pombal” pertencem.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:Um sinal de compromisso

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • Luene ZarcoLuene

    22-09-2014 às 05:46:10

    Um sinal de amor e lealdade perpétua! Adoro ver os vários modelos de aliança! Vale a pena escolher uma bem bonita!

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios