Bem vindo à Rua Direita!
Eu sou a Sophia, a assistente virtual da Rua Direita.
Em que posso ser-lhe útil?

Email

Questão

a carregar
Textos | Produtos                                                    
|
Top 30 | Categorias

Email

Password


Esqueceu a sua password?
Início > Textos > Categoria > Outros > Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

Categoria: Outros
Visitas: 116
Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

Um texto expositivo comum, contendo cerca de 5 parágrafos (introdução, desenvolvimento – 3 - e conclusão), implica que dedique algum tempo à sua preparação. Existe um estrutura, mais ou menos rígida, que sendo respeitada, garantirá já algum sucesso ao texto que escrever. É claro que conteúdo, sintaxe, semântica, ortografia e outros contribuirão finalmente para um texto coeso (estrutura) e coerente (significado).

Assim, deverá, em primeira instância, iniciar a preparação do texto. Para tal, deverá selecionar um tema apelativo, pelo qual se interesse verdadeiramente e que pense que pode vir a interessar o seu público. Deverá, depois, tomar nota de ideias relacionadas com esse mesmo tema. Poderá, por exemplo, numa folha de papel, escrever uma lista das ideias principais que poderá vir a desenvolver dentro do tema sobre o qual deseja escrever. Depois de concluída, poderá agrupá-las por macro-ideias, que depois ocuparão os parágrafos do desenvolvimento do texto. Antes ainda de iniciar a redação do texto, leia um pouco sobre o tema a expor, seja em livros, sites de internet, documentários, filmes, audiogramas, etc. Já sabe, quanto mais conhecimento acumular, também mais facilmente conseguirá escrever.

Numa segunda fase, escreva o título e a introdução. O título deve ser claro, contextualizante e apelativo; ou seja, deve ter a ver com o tema e, em simultâneo, deve convidar o leitor para o texto. Relativamente à introdução, esta deve conter um resumo daquilo que se propõe escrever e defender. Se vai escrever sobre animais em risco de extinção, então essa informação tem de figurar na introdução. Poderá aqui imprimir um cunho pessoal, de forma a que o leitor entenda qual a sua posição em relação ao tema que se propõe tratar.

Em terceiro lugar, avançamos para o desenvolvimento. Aqui, poderá fazer uso das tais macro-ideias acima referidas e dispô-las por parágrafo (se tiver três, então um desenvolvimento com três parágrafos é perfeitamente aceitável). Cada parágrafo deverá ser iniciado com uma frase apelativa e esclarecedora relativamente à ideia que pretende apresentar. Aqui, pode e deve apresentar pontos de vista diferentes, que avivem a troca de impressões com o leitor. Obviamente que o leitor acabará por pressentir a sua perspetiva, a partir da forma como escreve.

Por fim, mas não menos importante, a conclusão do texto. Nesta fase, poderá iniciar o derradeiro parágrafo com expressões como: finalmente, concluindo, para concluir, por fim, em jeito de remate, para finalizar, entre outras. Pode reforçar as ideias principais, revê-las e convidar o leitor à reflexão ou à pesquisa mais aprofundada do tema, deixando questões em aberto, por exemplo. Pode também concluir assertivamente relativamente ao tópico que enunciou.
Pegue, pois, na caneta e dedique-se à magia da escrita!


Isabel Rodrigues

Título: Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

Autor: Isabel Rodrigues (todos os textos)

Visitas: 116

0 

Comentários - Estrutura de um texto expositivo - aprenda!

voltar ao texto
  • Avatar *     (clique para seleccionar)


  • Nome *

  • Email

    opcional - receberá notificações

  • Mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios


  • Notifique-me de comentários neste texto por email.

  • Notifique-me de respostas ao meu comentário por email.

O meu instrumento musical avariou!

Ler próximo texto...

Tema: Instrumentos Musicais
O meu instrumento musical avariou!\"Rua
É inevitável que, mais cedo ou mais tarde, um instrumento musical precise de reparação.

Mesmo que conheçamos bem o nosso instrumento e o consigamos arranjar, na maioria das vezes é necessário um técnico para o fazer com a melhor das qualidades.

Eventualmente, nem será necessário existir um problema com o instrumento, poderá ser apenas uma questão de manutenção. 

No caso de uma guitarra, por exemplo, qualquer instrumentista é perfeitamente capaz de substituir uma corda partida e tirar da guitarra o mesmo som que ela tinha.

No entanto, existem reparações, seja uma amolgadela no tampo ou uma tarraxa arrancada, que convêm ser feitas por técnicos especializados.

Por norma, as próprias casas que vendem instrumentos musicais efectuam essas reparações ou são capazes de aconselhar técnicos para as fazer.

Mediante o instrumento musical em questão, a reparação ou manutenção poderá ser mais cara. É sempre mais fácil arranjar um técnico que repare um piano do que um que arranje oboés.

Apesar de ser normal cuidar do nosso instrumento musical regularmente, os percalços acontecem todos os dias. Para os contornar, há sempre alguém que nos poderá aconselhar melhor do que nós próprios.

Apesar de poder sair mais caro, temos também a certeza de que o nosso instrumento foi arranjado por especialistas no assunto.

Pesquisar mais textos:

Rua Direita

Título:O meu instrumento musical avariou!

Autor:Rua Direita(todos os textos)

Alerta

Tipo alerta:

Mensagem

Conte-nos porque marcou o texto. Essa informação não será publicada.

Deixe o seu comentárioDeixe o seu comentário

Comentários

  • luiz fabiano 18-02-2012 às 15:48:28

    boa tarde amigos preciso de um cabo flex da lcd da camera g70 se aulguem tiver mande um email obrigado

    ¬ Responder

Pesquisar mais textos:

Deixe o seu comentário

  • Nome *

  • email

    opcional - receberá notificações

  • mensagem *

  • Os campos com * são obrigatórios